quinta-feira, 26 de abril de 2012

Cymatics - The Science of the Future?

Cymatics - The Science of the Future?
Is there a connection between sound, vibrations and physical reality? Do sound and vibrations have the potential to create? In this article we will see what various researchers in this field, which has been given the name of Cymatics, have concluded.
By Peter Pettersson, translation Yarrow Cleaves


In 1787, the jurist, musician and physicist Ernst Chladni published Entdeckungen über die Theorie des Klangesor Discoveries Concerning the Theory of Music.In this and other pioneering works, Chladni, who was born in 1756, the same year as Mozart, and died in 1829, the same year as Beethoven, laid the foundations for that discipline within physics that came to be called acoustics, the science of sound. Among Chladni´s successes was finding a way to make visible what sound waves generate. With the help of a violin bow which he drew perpendicularly across the edge of flat plates covered with sand, he produced those patterns and shapes which today go by the term Chladni figures. (se left) What was the significance of this discovery? Chladni demonstrated once and for all that sound actually does affect physical matter and that it has the quality of creating geometric patterns.


Chladni figures.

What we are seeing in this illustration is primarily two things: areas that are and are not vibrating. When a flat plate of an elastic material is vibrated, the plate oscillates not only as a whole but also as parts. The boundaries between these vibrating parts, which are specific for every particular case, are called node lines and do not vibrate. The other parts are oscillating constantly. If sand is then put on this vibrating plate, the sand (black in the illustration) collects on the non-vibrating node lines. The oscillating parts or areas thus become empty. According to Jenny, the converse is true for liquids; that is to say, water lies on the vibrating parts and not on the node lines.

Lissajous Figures

In 1815 the American mathematician Nathaniel Bowditch began studying the patterns created by the intersection of two sine curves whose axes are perpendicular to each other, sometimes called Bowditch curves but more often Lissajous figures. (se below right) This after the French mathematician Jules-Antoine Lissajous, who, independently of Bowditch, investigated them in 1857-58. Both concluded that the condition for these designs to arise was that the frequencies, or oscillations per second, of both curves stood in simple whole-number ratios to each other, such as 1:1, 1:2, 1:3, and so on. In fact, one can produce Lissajous figures even if the frequencies are not in perfect whole-number ratios to each other. If the difference is insignificant, the phenomenon that arises is that the designs keep changing their appearance. They move. What creates the variations in the shapes of these designs is the phase differential, or the angle between the two curves. In other words, the way in which their rhythms or periods coincide. If, on the other hand, the curves have different frequencies and are out of phase with each other, intricate web-like designs arise. These Lissajous figures are all visual examples of waves that meet each other at right angles.


Lissajous figures.
The result of two sine curves meeting at right angles.
Illustration: Typoform, Jenny W. Bryant, Swedish National Encyclopedia

As I pondered the connection between these figures and other areas of knowledge, I came to think about the concept that exists in many societies and their mythologies around the world, which describes the world as a web. For example, many of the Mesoamerican people regarded the various parts of the universe as products of spinning and weaving: "Conception and birth were/.../ compared with the acts of spinning and weaving; all the Aztec and Mayan creation and fertility goddesses were described as great weavers."(1) A number of waves crossing each other at right angles look like a woven pattern, and it is precisely that they meet at 90-degree angles that gives rise to Lissajous figures.

Hans Jenny

In 1967, the late Hans Jenny, a Swiss doctor, artist, and researcher, published the bilingual book Kymatik -Wellen und Schwingungen mit ihrer Struktur und Dynamik/ Cymatics - The Structure and Dynamics of Waves and Vibrations. In this book Jenny, like Chladni two hundred years earlier, showed what happens when one takes various materials like sand, spores, iron filings, water, and viscous substances, and places them on vibrating metal plates and membranes. What then appears are shapes and motion- patterns which vary from the nearly perfectly ordered and stationary to those that are turbulently developing, organic, and constantly in motion.


Jenny made use of crystal oscillators and an invention of his own by the name of the tonoscope to set these plates and membranes vibrating. This was a major step forward. The advantage with crystal oscillators is that one can determine exactly which frequency and amplitude/volume one wants. It was now possible to research and follow a continuous train of events in which one had the possibility of changing the frequency or the amplitude or both.

The tonoscope was constructed to make the human voice visible without any electronic apparatus as an intermediate link. This yielded the amazing possibility of being able to see the physical image of the vowel, tone or song a human being produced directly. (se below) Not only could you hear a melody - you could see it, too!
Jenny called this new area of research cymatics, which comes from the Greek kyma, wave. Cymatics could be translated as: the study of how vibrations, in the broad sense, generate and influence patterns, shapes and moving processes.

The Creative Vibration

What did Hans Jenny find in his investigations?
In the first place, Jenny produced both the Chladni figures and Lissajous figures in his experiments. He discovered also that if he vibrated a plate at a specific frequency and amplitude - vibration - the shapes and motion patterns characteristic of that vibration appeared in the material on the plate. If he changed the frequency or amplitude, the development and pattern were changed as well. He found that if he increased the frequency, the complexity of the patterns increased, the number of elements became greater. If on the other hand he increased the amplitude, the motions became all the more rapid and turbulent and could even create small eruptions, where the actual material was thrown up in the air.


The development of a pattern in sand (step by step).


Swinging water drops (by Hans Jenny)


Sand patterns as a function of the size of the plate

The shapes, figures and patterns of motion that appeared proved to be primarily a function of frequency, amplitude, and the inherent characteristics of the various materials. He also discovered that under certain conditions he could make the shapes change continuously, despite his having altered neither frequency nor amplitude!


The vowel A in sand

When Jenny experimented with fluids of various kinds he produced wave motions, spirals, and wave-like patterns in continuous circulation. In his research with plant spores, he found an enormous variety and complexity, but even so, there was a unity in the shapes and dynamic developments that arose. With the help of iron filings, mercury, viscous liquids, plastic-like substances and gases, he investigated the three-dimensional aspects of the effect of vibration.

In his research with the tonoscope, Jenny noticed that when the vowels of the ancient languages of Hebrew and Sanskrit were pronounced, the sand took the shape of the written symbols for these vowels, while our modern languages, on the other hand, did not generate the same result! How is this possible? Did the ancient Hebrews and Indians know this? Is there something to the concept of "sacred language," which both of these are sometimes called? What qualities do these "sacred languages," among which Tibetan, Egyptian and Chinese are often numbered, possess? Do they have the power to influence and transform physical reality, to create things through their inherent power, or, to take a concrete example, through the recitation or singing of sacred texts, to heal a person who has gone "out of tune"?


Sound structures in the water drop as a function of the wavelength
and a function of the extent

An interesting phenomenon appeared when he took a vibrating plate covered with liquid and tilted it.The liquid did not yield to gravitational influence and run off the vibrating plate but stayed on and went on constructing new shapes as though nothing had happened. If, however, the oscillation was then turned off, the liquid began to run, but if he was really fast and got the vibrations going again, he could get the liquid back in place on the plate. According to Jenny, this was an example of an antigravitational effect created by vibrations.

Universality?

In the beginning of Cymatics,Hans Jenny says the following: "In the living as well as non-living parts of nature, the trained eye encounters wide-spread evidence of periodic systems. These systems points to a continuous transformation from the one set condition to the opposite set."(3) Jenny is saying that we see everywhere examples of vibrations, oscillations, pulses, wave motions, pendulum motions, rhythmic courses of events, serial sequences, and their effects and actions. Throughout the book Jenny emphasises his conception that these phenomena and processes not be taken merely as subjects for mental analysis and theorizing. Only by trying to "enter into"phenomena through empirical and systematic investigation can we create mental structures capably of casting light on ultimate reality. He asks that we not "mix ourselves in with the phenomenon"but rather pay attention to it and allow it to lead us to the inherent and essential. He means that even the purest philosophical theory is nevertheless incapable of grasping the true existence and reality of it in full measure.


What Hans Jenny pointed out is the resemblance between the shapes and patterns we see around us in physical reality and the shapes and patterns he generated in his investgations. Jenny was convinced that biological evolution was a result of vibrations, and that their nature determined the ultimate outcome. He speculated that every cell had its own frequency and that a number of cells with the same frequency created a new frequency which was in harmony with the original, which in its turn possibly formed an organ that also created a new frequency in harmony with the two preceding ones. Jenny was saying that the key to understanding how we can heal the body with the help of tones lies in our understanding of how different frequencies influence genes, cells and various structures in the body. He also suggested that through the study of the human ear and larynx we would be able to come to a deeper understanding of the ultimate cause of vibrations.

Trinity

In the closing chapter of the book Cymatics, Jenny sums up these phenomena in a three-part unity. The fundamental and generative power is in the vibration which, with its periodicity, sustains phenomena with its two poles. At one pole we have form, the figurative pattern. At the other is motion, the dynamic process.


These three fields - vibration and periodicity as the ground field, and form and motion as the two poles - constitute an indivisible whole, Jenny says, even though one can dominate sometimes. Does this trinity have something within science that corresponds? Yes, according to John Beaulieu, American polarity and music therapist. In his book Music and Sound in the Healing Arts,he draws a comparison between his own three-part structure, which in many respects resembles Jenny´s, and the conclusions researchers working with subatomic particles have reached. "There is a similarity between cymatic pictures and quantum particles. In both cases that which appeares to be a solid form is also a wave. They are both created and simultaneously organized by the principle of pulse (Read:principle of vibration). This is the great mystery with sound: there is no solidity! A form that appears solid is actually created by a underlying vibration."(4) In an attempt to explain the unity in this dualism between wave and form, physics developed the quantum field theory, in which the quantum field, or in our terminology, the vibration, is understood as the one true reality, and the particle or form, and the wave or motion, are only two polar manifestations of the one reality, vibration, says Beaulieu.

In conclusion, I would like to cite Cathie E. Guzetta´s poetic contemplation of where the investigation of the relationship between sound and the arising of various life forms might lead us in the future: "The forms of snowflakes and faces of flowers may take on their shape because they are responding to some sound in nature. Likewise, it is possible that crystals, plants, and human beings may be, in some way, music that has taken on visible form."(5)
Disclaimer! The quotes from Hans Jenny´s book Cymaticsis not exactly as they appear in the book. The reason for this is that the author of the article doesn´t have access to the book in question for the moment, but he´s working on it. Although the overall spirit and meaning of the quotes is accurate the responsibility lies totaly on the author.

Footnotes:

Klein, Cecilia F.: "Woven Heaven, Tangled Earth: A Weaver´s Paradigm of the Mesoamerican Cosmos", in Ethnoastronomy and Archaeoastronomy in the American Tropics, Ed. by Anthony P. Aveni and Gary Urton, Annals of the Academy of Science, Vol. 385, New York, 1982, p. 15
McClellan, Randall: The Healing Forces of Music: History, Theory and Practice, Element, Inc., 1991, p. 50
Jenny, Hans: Kymatik: Wellen und Schwingungen mit ihrer Struktur und Dynamik/Cymatics: The Structure and Dynamics of Waves and Vibrations, Basilius Press, 1967, p. 10
Beaulieu, John: Music and Sound in the Healing Arts, Station Hill Press, 1987, p. 40
Guzzetta, Cathie E.: Music Therapy: Nursing the Music of the Soul, in Music: Physician for the Times to Come, Campbell, Don (Editor), Quest Books, 1991, p. 149

Mind Over Matter - Proven
by Robert Baird
Water Crystals Respond:

Dr. Masaru Emoto ( The Hidden Message in Water ) has shown some really fantastic interactions not unlike Tiller's experiments in lattice formation and interactions between mind and other energy around us.
“My efforts to photograph ice crystals and conduct research began to move ahead. Then one day the researcher – who was as caught up in the project as I – said something completely out of the blue: 'Let's see what happens when we expose the water to music.'
I knew that it was possible for the vibrations of music to have an effect on the water. I myself enjoy music immensely, and as a child had even had hopes of becoming a professional musician, and so I was all in favour of this off-the-wall experiment.
At first we had no idea what music we would use and under what conditions we would conduct the experiment. But after considerable trial and error, we reached the conclusion that the best method was probably the simplest – put a bottle of water on a table between two speakers and expose it to a volume at which a person might normally listen to music. We would also need to use the same water that we had used in previous experiments.
We first tried distilled water from a drugstore.
The results astounded us. Beethoven's Pastoral Symphony, with its bright and clear tones, resulted in beautiful and well-formed crystals. Mozart's 40th Symphony, a graceful prayer to beauty, created crystals that were delicate and elegant. And the crystals formed by exposure to Chopin's Etude in E, Op. 10, No. 3, surprised us with their lovely detail.
All the classical music that we exposed the water to resulted in well-formed crystals with distinct characteristics. In contrast, the water exposed to violent heavy-metal music resulted in fragmented and malformed crystals at best.
Can words affect water, too?
But our experimenting didn't stop there. We next thought about what would happen if we wrote words or phrases like 'Thank you' and 'Fool' on pieces of paper, and wrapped the paper around the bottles of water with the words facing in. It didn't seem logical for water to 'read' the writing, understand the meaning, and change its form accordingly. But I knew from the experiment with music that strange things could happen. We felt as if we were explorers setting out on a journey through an unmapped jungle.
The results of the experiments didn't disappoint us. Water exposed to 'Thank you' formed beautiful hexagonal crystals, but water exposed to the word 'Fool' produced crystals similar to the water exposed to heavy-metal music, malformed and fragmented.” (4)
What laws of science or lattice formation are at work here? How connected is life and what amount of soul or 'chhi' is in all things? Could the ancients and even more materialistic man of the present use these energies to find water or minerals?
THE ACTS OF CREATION:
The following quote is a review I found on Amazon.com for a book I have only read about but seems to confirm many other things. The book is written by a former Chair of Material Sciences at Stanford and I think it fits the work of Dr. Don Robins as well as other Intelligent Design researchers we have discussed.
“Mind Over Matter -- Proven!, June 11, 2002 Reviewer: Dave Stein, Scientific Editor, Frontier Perspectives
In striking contrast with many books focused on next-generation physics, mathematics, biology, psychology, or medicine, Conscious Acts of Creation combines a brilliant theoretical model with several rigorous experiments that explore the influence of human intention on physical reality - in living as well as inanimate systems. It is in these convincing demonstrations that the principle "as above, so below" comes to life. Even more profoundly, the book establishes that repetition of the experiments in given locales can dramatically increase the power of the locales to reproduce the results - with some locales retaining their conditioning or "charge" for more than a year! These findings lend plausibility to that which mystics know as "sacred space."
A postulated theoretical model provides a launch point for interpreting the experimental results. Its major cornerstone is an eight-dimensional biconformal base space with two four-dimensional, Fourier transform related subspaces. One subspace corresponds to our everyday world, whereas the other subspace is a reciprocal or inverse "etheric" space - roughly analogous to k-space but with additional postulated properties including superluminal "velocities" (presumably in inverse units) and interchanged roles of electricity and magnetism. The model incorporates nonlocality, a scientific principle that may someday prove to be the underpinning for phenomena such as parapsychology and distant healing. Furthermore, the authors note similarities between their model and models proposed by other scientists, some highly prominent. Granted, the model becomes more speculative when it associates even higher dimensionalities with emotion, mind, and spirit. Even then, however, it remains consistent with various esoteric teachings, and it may yet provide the empowering mechanism for manifestation of intention (where the two subspaces, in some ways mutually symmetric, appear to play asymmetric roles) and in otherwise connecting science with spirit. Readers who disagree with the postulated model will nonetheless benefit from the authors' brilliant insights.
Mysticism aside, the postulated "mind over matter" mechanisms include a possible role for variation in atomic and molecular ground state energies. The observed space conditioning is discussed in the context of gauge symmetries. Rounding out the model are the insightful discussions of augmented electromagnetism (which the authors associate with Qi), inner self-management techniques such as Qi Gong and Yoga, and even the existence of two phases of liquid water. In Chapters 9 and 10, the authors become futurists as they suggest possible implications of reciprocal space engineering for medicine, pharmacology, communications, and manufacturing.
On the experimental side, the authors set the example in thoroughness and scientific rigor, although the in-depth discussion of the protocols as well as the order of topics may impact the book's readability. A mitigating factor is the brilliant introduction to gauge theory and the elucidation of several other topics including self-sustained oscillations, crystallography, and reciprocal space. In fact, the book is a mini physics course that presents various principles of electromagnetism, thermodynamics, solid-state physics, and quantum mechanics in a readable and understandable way. Also included is a brilliant discussion of enzymes, coenzymes and the electron transport chain as they relate to the experiments.
Scientists, healers, and others who investigate or work with subtle energies will appreciate the authors' insights on repeatability of experimental results. In the mainstream scientific community, replication of results is a test for credibility; yet consistent results in healing, dowsing, remote viewing, and ESP are often elusive. Armed with successful demonstrations of space conditioning, the authors shed new light on this longstanding issue - although they discuss other factors, both geocosmic and human, that can also impact repeatability of results.
Conscious Acts of Creation makes a convincing case that the powerful effects of intention and emotion can no longer be disregarded - in healing, in scientific research, or even in everyday life. The authors' findings may indeed have profound consequences for the concept of scientific "objectivity." More significantly, this book will take the reader beyond the realm of the everyday world and will expand one's view of himself or herself as a co-creator of reality. It is for this reason that Conscious Acts of Creation is essential reading - not only for scientists, engineers, and health care practitioners (both mainstream and complementary) but also for others who seek to maximize their human experiences. Conscious Acts of Creation indeed heralds and points a way ahead for 'the emergence of a new physics.'”

Robert Baird
Author of Diverse Druids
Guest 'expert' at World-Mysteries.com:
Columnist for The ES Press Magazine
Article Source: http://EzineArticles.com/

Cymatics - A Ciência do Futuro?


Cymatics - A Ciência do Futuro?
Existe uma conexão entre som, vibrações e realidade física? Do som e vibrações têm o potencial de criar? Neste artigo vamos ver o que vários pesquisadores nesse campo, que foi dado o nome de Cymatics, concluíram.

Por Peter Pettersson, tradução Yarrow Cleaves


Em 1787, o músico jurista, e físico Ernst Chladni publicado Entdeckungen über die Theorie des Descobrimentos Klangesor relação à Teoria da Music.In este e outros trabalhos pioneiros, Chladni, que nasceu em 1756, mesmo ano em que Mozart, e morreu em 1829 , no mesmo ano como Beethoven, lançou as bases para que a disciplina dentro da física, que veio a ser chamado de acústica, a ciência do som. Entre os sucessos Chladni foi encontrar uma forma de tornar visível o que gera ondas sonoras. Com a ajuda de um arco de violino que ele chamou perpendicularmente ao longo da borda de placas planas cobertas com areia, ele produziu os padrões e formas que hoje passam as figuras prazo Chladni. (SE esquerda) Qual foi o significado dessa descoberta? Chladni demonstrou uma vez por todas o som que realmente afeta a matéria física e que tem a qualidade de criação de padrões geométricos.

Figuras Chladni.

O que estamos vendo nesta ilustração é basicamente duas coisas: áreas que são e não são vibrantes. Quando uma placa plana de um material elástico é vibrado, a placa de oscila, não só como um todo, mas também como peças. As fronteiras entre estas peças de vibração, que são específicos para cada caso particular, são chamados de linhas de nó e não vibrar. As outras partes estão oscilando constantemente. Se a areia é então colocado nesta placa vibratória, a areia (preta na ilustração) recolhe nas linhas não vibrantes nó. As peças oscilante ou áreas tornam-se assim vazia. De acordo com Jenny, o inverso é verdadeiro para líquidos; isto é, a água encontra-se as partes vibrando e não nas linhas de nó.

Figuras de Lissajous
Em 1815, o matemático americano Nathaniel Bowditch começou a estudar os padrões criados pela intersecção de duas curvas seno cujos eixos são perpendiculares entre si, às vezes chamado de curvas Bowditch mas mais frequentemente figuras de Lissajous. (SE abaixo à direita) Isto depois de o matemático francês Jules-Antoine Lissajous, que, independentemente de Bowditch, investigou-las em 1857-58. Ambos concluíram que a condição para estes projetos a surgir foi a de que as freqüências, ou vibrações por segundo, de ambas as curvas ficaram em simples número inteiro rácios uns aos outros, tais como 1:1, 1:2, 1:3, e assim em. Na verdade, pode-se produzir figuras de Lissajous mesmo se as freqüências não estão em perfeita número inteiro rácios uns aos outros. Se a diferença é insignificante, o fenômeno que se coloca é que os desenhos sempre a mudar sua aparência. Eles se movem. O que cria a variações nas formas destes projetos é o diferencial de fase, ou o ângulo entre as duas curvas. Em outras palavras, a maneira pela qual seus ritmos ou períodos coincidentes. Se, por outro lado, as curvas têm freqüências diferentes e estão fora de fase entre si, intrincados web-como projetos surgem. Estas figuras de Lissajous são exemplos visuais de ondas que se encontram em ângulos retos.


Figuras de Lissajous.

O resultado de duas curvas seno reunião em ângulos retos.
Ilustração: Typoform, Jenny W. Bryant, Enciclopédia Nacional sueca

Enquanto eu refletia sobre a relação entre estes números e outras áreas do conhecimento, cheguei a pensar sobre o conceito que existe em muitas sociedades e suas mitologias em todo o mundo, que descreve o mundo como uma teia. Por exemplo, muitas das pessoas Mesoamerican considerado as várias partes do universo como produtos de fiação e tecelagem: "Concepção e nascimento foram /.../ comparados com os atos de fiação e tecelagem; toda a criação maia e asteca e fertilidade deusas foram descritos como tecelões grande. "(1) Um número de ondas cruzando-se em ângulos retos olhar como um padrão de tecido, e é precisamente que eles se encontram em ângulos de 90 graus que dá origem a figuras de Lissajous.
Hans Jenny
Em 1967, o falecido Hans Jenny, um médico suíço, artista e pesquisador, publicou o livro bilíngüe Kymatik Wellen-und mit Schwingungen Ihrer Struktur und Dynamik / Cymatics - A Estrutura e Dinâmica de Ondas e Vibrações. Neste Jenny livro, como Chladni 200 anos antes, mostrou o que acontece quando se leva vários materiais como areia, esporos, limalha de ferro, água e substâncias viscosas, e coloca-los em placas de metal vibrando e membranas. O que aparece então são formas de movimento e padrões que variam desde a quase perfeitamente ordenado e estacionários para aqueles que são turbulenta em desenvolvimento, orgânico, e em constante movimento.

Jenny fez uso de osciladores de cristal e uma invenção de seus próprios pelo nome do tonoscope para definir essas placas e membranas vibratórias. Este foi um grande passo em frente. A vantagem com osciladores de cristal é que se pode determinar exatamente qual freqüência e amplitude / volume que se quer. Agora era possível para a pesquisa e siga um trem contínuo de eventos em que se tinha a possibilidade de mudar a freqüência ou a amplitude ou ambos.
O tonoscope foi construído para fazer a voz humana visível sem qualquer aparelho eletrônico como um elo intermediário. Isto rendeu a possibilidade incrível de poder ver a imagem física da vogal tom, ou o canto do ser humano, produzido diretamente. (Abaixo se) Não só você pode ouvir uma melodia - você pode vê-lo, também!
Jenny chamou essa nova área de cimática pesquisa, que vem do grego Kyma, onda. Cymatics poderia ser traduzido como: o estudo de como as vibrações, no sentido amplo, gerar e influenciar os padrões, formas e processos em movimento.
A vibração criativa
O que Hans Jenny encontrar em suas investigações?
Em primeiro lugar, Jenny produzido tanto as figuras Chladni e figuras de Lissajous em seus experimentos. Ele descobriu também que, se ele vibrou uma placa em uma freqüência específica e amplitude - vibração - as formas e padrões de movimento característicos de vibração que apareceu no material sobre a placa. Se ele mudou a freqüência ou a amplitude, o desenvolvimento eo padrão foram alterados também. Ele descobriu que se ele aumentou a freqüência, a complexidade dos padrões de aumento, o número de elementos tornou-se maior. Se por outro lado, ele aumentou a amplitude, os movimentos se tornaram mais rápida e turbulenta e poderia até mesmo criar erupções de pequeno porte, onde o material real foi jogada no ar.

O desenvolvimento de um padrão na areia (passo a passo).

Swinging gotas de água (por Hans Jenny)


Padrões de areia em função do tamanho da placa
As formas, figuras e padrões de movimento que apareceu provou ser primariamente uma função da frequência, amplitude e as características inerentes dos vários materiais. Ele também descobriu que sob certas condições, ele poderia fazer as formas mudam continuamente, apesar de ele ter alterado nem de freqüência nem de amplitude!

A vogal A na areia
Quando Jenny experiências com fluidos de vários tipos, ele produziu os movimentos de ondas, espirais, e wave-like padrões de circulação contínua. Em sua pesquisa com esporos de plantas, ele encontrou uma enorme variedade e complexidade, mas mesmo assim, não havia uma unidade nas formas e desenvolvimentos dinâmicos que surgiram. Com a ajuda de limalha de ferro, mercúrio, líquidos viscosos, plástico-como substâncias e gases, ele investigou os aspectos tridimensionais do efeito de vibração.
Em sua pesquisa com o tonoscope, Jenny percebeu que, quando as vogais das línguas antigas de hebraico e sânscrito foram pronunciadas, a areia tomou a forma dos símbolos escritos para estas vogais, enquanto nossas línguas modernas, por outro lado, não gerou o mesmo resultado! Como é isto possível? Será que os antigos hebreus e os índios sabem disso? Existe alguma coisa para o conceito de "língua sagrada", que ambos estes às vezes são chamados? Quais as qualidades que essas "linguagens sagradas", entre os quais tibetanos, egípcios e chineses são frequentemente numeradas, possuir? Será que eles têm o poder de influenciar e transformar a realidade física, para criar coisas através do seu poder inerente, ou, para dar um exemplo concreto, através da recitação ou canto de textos sagrados, para curar uma pessoa que se foi "fora de sintonia"?


Estruturas de som na gota de água em função do comprimento de onda e uma função da extensão

Um fenômeno interessante apareceu quando ele pegou uma placa vibratória coberta com um líquido e inclinado líquido it.The não ceder à influência gravitacional e fugir a placa vibratória, mas permaneceu no palco e passou a construir novas formas como se nada tivesse acontecido. Se, no entanto, a oscilação foi então desligada, o líquido começou a correr, mas se ele foi realmente rápido e tem as vibrações indo de novo, ele poderia obter o líquido de volta no lugar da placa. De acordo com Jenny, este foi um exemplo de um efeito antigravitacional criado por vibrações.
Universalidade?
No início de Cymatics, Hans Jenny diz o seguinte: "Na vida, bem como não-partes vivas da natureza, o olho treinado encontros evidência generalizada de sistemas de periódicos Estes pontos de sistemas a uma contínua transformação da condição estabelecida uma. para o conjunto oposto. "(3) Jenny está dizendo que nós vemos em toda parte exemplos de vibrações, oscilações, pulsos, movimentos ondulatórios, movimentos de pêndulo, cursos rítmica de eventos, seqüências de série, e os seus efeitos e ações. Jenny em todo o livro enfatiza sua concepção, que não esses fenômenos e processos ser tomado apenas como objeto de análise mental e teorização. Apenas tentando "entrar" fenômenos através de investigação empírica e sistemática podemos criar estruturas mentais de forma competente de fundição luz sobre a realidade última. Ele pede que nós não "misturar-nos com o fenômeno", mas sim prestar atenção a ela e permitir que nos levam à inerente e essencial. Ele quer dizer que mesmo a teoria filosófica é a mais pura, no entanto, incapaz de captar a verdadeira existência e realidade de que na medida certa.


O que Hans Jenny apontou é a semelhança entre as formas e padrões que vemos ao nosso redor, na realidade física e as formas e padrões que ele gerou em seu investgations. Jenny estava convencido de que a evolução biológica foi o resultado de vibrações, e que a sua natureza determinou o resultado final. Ele especulou que cada célula tinha a sua própria frequência e que um número de células com a mesma freqüência criou uma nova freqüência que estava em harmonia com o original, que por sua vez, possivelmente, formou um órgão que também criou uma nova freqüência em harmonia com os dois os anteriores. Jenny estava dizendo que a chave para entender como podemos curar o corpo com a ajuda de tons encontra-se em nossa compreensão de como as freqüências diferentes influenciam genes, células e várias estruturas do corpo. Ele também sugeriu que através do estudo do ouvido humano e laringe que seria capaz de chegar a uma compreensão mais profunda a causa final das vibrações.
Trindade
No capítulo de encerramento do Cymatics livro, Jenny resume esses fenômenos em uma unidade de três partes. O poder fundamental e geradora está na vibração que, com sua periodicidade, sustenta fenômenos com seus dois pólos. Em um pólo temos forma, o padrão figurativo. No outro é o movimento, o processo dinâmico.

Esses três campos - vibração e periodicidade como o campo de terra, e da forma e do movimento como os dois pólos - constituem um todo indivisível, Jenny diz que, embora um pode dominar algumas vezes. Será que esta trindade tem algo dentro da ciência que corresponde? Sim, de acordo com John Beaulieu, polaridade norte-americanos e musicoterapeuta. Em seu livro Música e Som nas Artes de Cura, ele faz uma comparação entre a sua estrutura em três partes próprias, que em muitos aspectos se assemelha a de Jenny, e as conclusões pesquisadores que trabalham com partículas subatômicas têm alcançado. "Há uma semelhança entre as imagens cymatic e partículas quânticas Em ambos os casos o que appeares ser uma forma sólida, é também uma onda Eles são ambos criados e, simultaneamente, organizada pelo princípio de pulso (Leia-se: princípio da vibração)... Esta é o grande mistério com som:. não há solidez Uma forma que parece sólida é, na verdade criado por uma vibração subjacentes "(4) Em uma tentativa de explicar a unidade nesse dualismo entre onda e forma, a física desenvolveu a teoria quântica de campos, em que o campo quântico, ou em nossa terminologia, a vibração, é entendida como a única realidade verdadeira, ea partícula ou forma, ea onda ou de movimento, são apenas duas manifestações polares de uma realidade, vibração, diz Beaulieu.
Em conclusão, gostaria de citar Cathie E. Guzetta 's contemplação poética de onde a investigação da relação entre som e o surgimento de várias formas de vida pode levar-nos no futuro: "As formas dos flocos de neve e os rostos de flores pode demorar na sua forma, porque eles estão respondendo a algum som na natureza. Da mesma forma, é possível que os cristais, plantas e seres humanos podem ser, de alguma forma, a música que assumiu forma visível. "(5)
Disclaimer! As citações do livro de Hans Jenny não Cymaticsis exatamente como aparecem no livro. A razão para isto é que o autor do artigo não tem acesso ao livro em questão para o momento, mas ele está trabalhando nisso. Embora o espírito geral e significado das citações é precisa a responsabilidade recai totalmente sobre o autor.
Notas de rodapé:
Klein, Cecilia F.: "O céu Woven Terra, Tangled: Paradigma de tecelão do Cosmos mesoamericana", em Etnoastronomia e Arqueoastronomia nos trópicos americanos, Ed. por Anthony Aveni P. e Urton Gary, Anais da Academia de Ciências, vol. 385, New York, 1982, p. 15
McClellan, Randall: As Forças de Cura da Música: História, Teoria e Prática, Element, Inc., 1991, p. 50
Jenny, Hans: Kymatik: Wellen und mit Schwingungen Ihrer Struktur und Dynamik / Cymatics: Estrutura e Dinâmica de Ondas e Vibrações, Basilius Press, 1967, p. 10
Beaulieu, John: Música e Som nas Artes de Cura, Estação Colina Press, 1987, p. 40
Guzzetta, Cathie E.: Music Therapy: Enfermagem de Música da Alma, em Música: Médico para os tempos vindouros, Campbell, Don (Editor), Livros Quest, 1991, p. 149

Mind Over Matter - Comprovado
por Robert Baird
Cristais de água Responda:
Dr. Masaru Emoto ( The Message Escondidas na Água ) mostrou algumas interações realmente fantástico não muito diferente de experimentos de Tiller na formação de rede e as interações entre a mente e outras energias que nos rodeiam.
"Meus esforços para fotografar os cristais de gelo e realizar pesquisas começaram a seguir em frente. Então um dia o pesquisador - que era tão apanhados no projeto como eu - disse algo completamente fora do azul: "Vamos ver o que acontece quando nós expomos a água à música."
Eu sabia que era possível para as vibrações da música para ter um efeito sobre a água. Eu mesmo desfrutar de música muito, e como uma criança tinha ainda tinha esperanças de se tornar um músico profissional, e assim que eu era totalmente a favor desta experiência off-the-wall.
No início não tínhamos idéia de que a música que iria usar e em que condições iríamos realizar o experimento. Mas após o julgamento considerável e erro, chegamos à conclusão que o melhor método era provavelmente o mais simples - colocar uma garrafa de água sobre uma mesa entre dois alto-falantes e expô-la a um volume em que uma pessoa pode ouvir música normalmente. Gostaríamos também precisa usar a mesma água que tínhamos usado em experimentos anteriores.
Nós primeiro tentamos água destilada a partir de uma farmácia.
Os resultados surpreenderam-nos. Sinfonia Pastoral de Beethoven, com seus tons brilhantes e claras, resultou em cristais bonitos e bem formado. Sinfonia 40 de Mozart, uma oração à beleza graciosa, criado cristais que eram delicados e elegantes. E os cristais formados pela exposição à Etude Chopin na E, op. 10, No. 3, nos surpreendeu com seus detalhes encantadores.
Toda a música clássica que expusemos a água resultou em cristais bem formados com características distintas. Em contraste, a água exposta à música heavy-metal violento resultou em cristais fragmentados e mal formados na melhor das hipóteses.
Pode afetar as palavras de água, também?
Mas a nossa experimentação não parou por aí. A seguir, o pensamento sobre o que aconteceria se nós escrevemos as palavras ou frases como 'Obrigado' e 'Fool' em pedaços de papel, e envolveu o papel em volta da garrafa de água com as palavras voltadas para dentro Não parecia lógico para a água a "ler" a escrita, entender o significado, e mudar sua forma de acordo. Mas eu sabia que a partir da experiência com a música que coisas estranhas podem acontecer. Nós sentimos como se estivéssemos exploradores de partir para uma viagem através da selva não mapeada.
Os resultados dos experimentos não nos decepcionou. Água exposta ao "Obrigado" formou belos cristais hexagonais, mas a água exposta a cristais produzidos 'Fool' a palavra semelhante à água expostos à música heavy-metal, malformados e fragmentada. "(4)
Que leis da ciência ou da formação de rede estão a trabalhar aqui? Como é a vida conectada e que quantidade de alma ou 'chhi "está em todas as coisas? Poderiam os antigos eo homem ainda mais materialista do consumo presente estas energias para encontrar água ou minerais?
Os atos de criação:
A citação seguinte é uma revisão que encontrei no Amazon.com para um livro Eu só tenho lido sobre, mas parece confirmar muitas outras coisas. O livro é escrito por um ex-presidente de Ciências de Materiais da Universidade de Stanford e eu acho que se encaixa o trabalho do Dr. Don Robins, assim como outros pesquisadores do Design Inteligente nós temos discutido.
"Mind Over Matter - Comprovada, 11 de junho de 2002 Revisor: Dave Stein, Editor Científico, Perspectivas Frontier!
Em flagrante contraste com muitos livros focados na próxima geração de física, matemática, biologia, psicologia ou medicina, Atos Conscientes de Criação combina um modelo teórico brilhante com vários experimentos rigorosos que exploram a influência da intenção humana na realidade física - em viver bem como sistemas inanimados. É nestas demonstrações convincentes de que o princípio "como acima, assim abaixo" vem à vida. Ainda mais profundamente, o livro estabelece que a repetição dos experimentos em locais dado pode aumentar dramaticamente o poder dos locais para reproduzir os resultados - em alguns locais mantendo seu condicionamento ou "responsável" por mais de um ano! Estas descobertas dão plausibilidade ao que os místicos conhecidos como "espaço sagrado".
Um modelo postulado teórico fornece um ponto de partida para interpretação dos resultados experimentais. A sua pedra angular principal é um oito-dimensional do espaço de base biconformal com duas de quatro dimensões, subespaços transformada de Fourier relacionados. Um subespaço corresponde ao nosso mundo cotidiano, enquanto o outro é um subespaço recíproca ou inversa espaço "etérico" - aproximadamente análogo ao k-espaço, mas com propriedades adicionais postulado incluindo superluminal "velocidades" (presumivelmente em unidades inverso) e os papéis trocados de eletricidade e magnetismo. O modelo incorpora não-localidade, um princípio científico que pode um dia vir a ser a base para os fenômenos como a parapsicologia e cura à distância. Além disso, os autores observam semelhanças entre o modelo e os modelos propostos por outros cientistas, alguns de grande relevo. Concedida, o modelo torna-se mais especulativa quando se associa dimensionalidades ainda mais com a emoção, mente e espírito. Mesmo assim, no entanto, permanece consistente com vários ensinamentos esotéricos, e pode ainda fornecer o mecanismo de autorização para manifestação de intenção (onde os dois subespaços, de certa forma mutuamente simétricos, parecem desempenhar papéis assimétricos) e em outra forma de ligação da ciência com o espírito . Leitores que não concordam com o modelo postulado se, no entanto beneficiar de idéias dos autores brilhantes.
Misticismo à parte, o postulado de "mente sobre a matéria" mecanismos incluem um possível papel para a variação no estado energias atômica e molecular chão. O condicionamento do espaço observado é discutido no contexto de simetrias de calibre. Completando o modelo são as discussões perspicaz de eletromagnetismo aumentada (que os autores associam Qi), interior de auto-gestão, tais como técnicas de Qi Gong e Yoga, e até mesmo a existência de duas fases de água líquida. Nos capítulos 9 e 10, os autores se tornam futuristas como sugerem possíveis implicações da engenharia espaço recíproco para a medicina, farmacologia, comunicações e manufatura.
No lado experimental, os autores dar o exemplo em profundidade e rigor científico, embora o debate aprofundado dos protocolos, bem como a ordem dos tópicos pode afetar a legibilidade do livro. Um fator atenuante é a introdução brilhante para avaliar teoria e na elucidação de vários outros tópicos, incluindo auto-sustentado oscilações, cristalografia, e no espaço recíproco. Na verdade, o livro é um mini-curso de física que apresenta vários princípios do eletromagnetismo, termodinâmica, física do estado sólido, ea mecânica quântica de forma legível e compreensível. Também está incluída uma discussão brilhante de enzimas, coenzimas e da cadeia de transporte de elétrons como eles se relacionam com os experimentos.
Cientistas, curandeiros e outros que investigar ou trabalhar com energias sutis irão apreciar percepções dos autores na repetibilidade de resultados experimentais. Na comunidade científica dominante, replicação de resultados é um teste de credibilidade; resultados ainda consistente na cura, radiestesia, visão remota, e ESP são muitas vezes evasivo. Armado com demonstrações de sucesso de condicionamento do espaço, os autores lançam uma nova luz sobre esta questão de longa data - embora eles discutem outros fatores, tanto geocosmic e humanos, que também podem afetar a repetibilidade de resultados.
Atos consciente da Criação faz um caso convincente de que os efeitos poderosos de intenção e emoção não pode mais ser desconsiderado - na cura, na investigação científica, ou mesmo na vida cotidiana. Conclusões dos autores pode de fato ter profundas consequências para o conceito de científico "objetividade". Mais significativamente, este livro leva o leitor além do reino do mundo cotidiano e irá expandir nossa visão de si mesmo como um co-criador da realidade. É por esta razão que atos conscientes da Criação é uma leitura essencial - não apenas para cientistas, engenheiros e profissionais de saúde (tanto convencional e complementar), mas também para outros que buscam maximizar as suas experiências humanas. Atos consciente da Criação fato arautos e aponta um caminho à frente para "o surgimento de uma nova física '".
Robert Baird
Autor de Druids diversos
'Expert' convidado em World-Mysteries.com:
http://www.world-mysteries.com/gw_rbaird.htm
Colunista da revista Imprensa ES
Fonte do artigo: http://EzineArticles.com/

domingo, 15 de abril de 2012

RESSONÂNCIA MÓRFICA


Ressonância Mórfica

Mente, Memória e Arquétipo: Ressonância Mórfica e o Inconsciente Coletivo (R. Sheldrake)

Por: Rupert Sheldrake (Psycological Perspectives, 1997).
interessante ensaio de Rupert Sheldrake sobre a teoria dos campos morfogenéticos.

Rupert Sheldrake é um Biólogo teórico cujo livro, “Uma Nova Ciência da Vida: a hipótese da causação formativa (Tarcher, 1981)”, evocou uma tempestade de controvérsias. A revista Nature o descreveu como “o mais forte candidato à fogueira”, enquanto que a revista New Scietist chamou de “uma importante investigação científica a respeito da natureza da realidade biológica e física”. Devido ao fato do seu trabalho conter implicações importantes para os conceitos junguianos a respeito dos arquétipos e do inconsciente coletivo, nós convidamos Sheldrake para apresentar a sua visão em uma série de quatro ensaios que aparecerão nos assuntos sucessivos da revista Psycological Perspectives. Tais ensaios serão atualizações da sua apresentação sobre “ressonância mórfica e o inconsciente coletivo”, ocorrida em maio de 1986 no Instituto de Relações Humanas, em Sta. Bárbara, Califórnia.

——————————————————————————–

Neste ensaio eu estarei discutindo o conceito da memória coletiva como base para a compreensão do conceito de Jung do inconsciente coletivo. O inconsciente coletivo somente faz sentido no contexto com alguma noção de memória coletiva. Isto, portanto nos leva até um exame bastante amplo da natureza e do princípio da memória – não apenas em seres humanos e nem apenas no reino animal; nem mesmo apenas no setor da vida – mas no universo como um todo. Tal perspectiva é parte de uma mudança muito profunda de paradigma que está ocorrendo na ciência: a mudança de uma visão mundo mecanicista para uma visão evolutiva e holística.

A visão cartesiana mecanicista é de muitas maneiras, ainda o atual paradigma predominante, especialmente na biologia e na medicina. Noventa por cento dos biólogos se orgulhariam de declarar que são biólogos mecanicistas. A despeito de a Física ter se movido para além da visão mecanicista, muito do nosso pensar a respeito da realidade física ainda é moldado por ela – mesmo naqueles de nós que gostariam de acreditar tiramo-nos movido para além dessa configuração de pensamento. Portanto eu examinarei brevemente algumas das suposições fundamentais da visão de mundo mecanicista a fim de demonstrar como esta ainda se encontra profundamente enraizada no modo de pensar da maioria de nós.

AS RAÍZES DO MECANICISMO NO MISTICISMO NEOPLATÔNICO

È interessante notar que as raízes da visão mecanicistas de mundo do século XVII possam ser encontradas na religião mística antiga. De fato, a visão mecanicista foi (era) uma síntese de duas tradições de pensamento, ambas as quais estavam baseadas no ‘insight’ místico de que a realidade é permanente e imutável. Uma destas tradições provém de Pitágoras e de Platão, que eram ambos fascinados pelas verdades eternas da Matemática. No século XVII isto evoluiu para uma visão de que a natureza era governada por idéias permanentes, proporções, princípios, ou leis que existiam dentro da mente de Deus. Esta visão de mundo tornou-se dominante e, através de filósofos e cientistas tais como Copérnico, Kepler, Descartes, Galileu e Newton, foi incorporada aos fundamentos da física moderna.

Basicamente eles expressavam a idéia de que os números, proporções, equações e princípios matemáticos são mais reais do que o mundo físico que nós vivenciamos. Mesmo hoje muitos matemáticos se inclinam em direção a este tipo de misticismo pitagórico ou platônico. Eles pensam que o mundo físico é como um resultado de princípios matemáticos, como um reflexo das eternas leis numéricas matemáticas. Esta visão é estranha para o modo de pensar da maioria de nós, para os quais o mundo físico é o mundo “real” e as equações matemáticas são consideradas “feitas pelo homem” e possivelmente descrições imprecisas deste mundo “real”. Apesar disto esta visão mística evoluiu para o ponto de vista científico predominante atual de que a natureza é governada por leis eternas, imutáveis, permanentes onipresentes. As leis da natureza estão em todos os lugares e sempre presentes.

AS RAÍZES DO MATERIALISMO NO ATOMISMO

A segunda visão da imutabilidade que emergiu no século XVII nasceu da tradição atomística do materialismo, que se dedicou a um assunto que já estava profundamente enraizado no pensamento grego: especificamente o conceito de uma realidade imutável. Parmênides, um filósofo pré-socrático, tinha a idéia de que somente o ser é (only being is); não ser não é (not being is not). Se algo é, este não pode mudar porque, a fim de mudar, teria que combinar ser e não ser (existir e não existir), o que era impossível. Portanto ele concluiu que a realidade é uma esfera imutável e homogênea. Infelizmente para Parmênides, o mundo que nós vivenciamos não é homogêneo, imutável ou esférico. A fim de preservar a sua teoria, ele afirmou que o mundo que nós vivenciamos é uma ilusão. Esta não era uma solução muito satisfatória e os pensadores da época tentaram encontrar um modo de resolver este dilema.

A solução dos atomistas era a de reivindicar que a realidade consiste de um grande número de esferas (ou partículas) homogêneas e imutáveis: os átomos. Ao invés de uma grande esfera imutável, existe grande número de esferas imutáveis se movendo no vácuo. Os aspectos mutáveis do mundo poderiam então ser explicados em termos dos movimentos, das permutas e das combinações dos átomos. Este é o “insight” original do materialismo: que a realidade consistia de matéria atômica eterna e do movimento da matéria.

A combinação desta tradição materialista com a tradição platônica finalmente fez nascer à filosofia mecanicista que emergiu no século XXVII e que produziu um dualismo cósmico que tem estado conosco desde então. De um lado temos átomos eternos de matéria inerte e do outro lado temos leis imutáveis, não materiais, que se parecem mais com idéias do que com coisas físicas e materiais. Nesta espécie de dualismo ambos os lados são imutáveis – uma crença que não sugere de pronto a idéia de um universo evolutivo. De fato, os físicos têm estado em oposição a aceitar a idéia de evolução precisamente porque ela se encaixa de maneira pobre com a noção da matéria eterna e das leis imutáveis. Na física moderna a matéria tem sido vista como uma forma de energia; a energia eterna substituiu a matéria eterna, mas, além disso, pouco tem mudado.

A EMERGÊNCIA DO PARADIGMA EVOLUTIVO

No entanto, o paradigma evolutivo tem se firmado nos dois últimos séculos. No século XVIII, desenvolvimentos sociais, artísticos e científicos foram visto em geral como um processo evolutivo e progressivo. A revolução industrial tornou esse ponto de vista uma realidade econômica em parte da Europa e América. No início de século XIX, havia um número de filosofias evolutivas e, por volta de 1840, a teoria evolutiva social do marxismo tinha sido publicada. Neste contexto de teoria evolutiva social e cultural, Darwin apresentou a sua teoria da evolução biológica, que estendia a visão evolutiva à vida como um todo. Mesmo assim esta visão não atingia todo o universo: Darwin e os neodarwinistas ironicamente tentaram encaixar a evolução da vida na terra em um universo estático, e até pior, um universo que na verdade se pensava estar “se acabando” termodinamicamente, em direção à “morte pelo calor”.

Tudo mudou em 1966 quando a física finalmente aceitou uma cosmologia evolutiva na qual o universo não seria mais eterno. Ao invés disso, o universo se originava a partir de um “Big Bang” há cerca de 15 bilhões de anos atrás e havia evoluído desde então. Assim nós temos agora uma física evolutiva. Mas devemos nos lembrar que esta tem apenas cerca de 20 anos de idade e que as implicações e conseqüências da descoberta do big bang ainda não estão completamente entendidas.

A física está apenas começando a adaptar-se a esta nova visão, a qual, como temos visto, desafia a mais fundamental suposição da física desde a era de Pitágoras: a idéia das leis eternas. Na medida em que nós temos um universo que evolui, somos confrontados com a questão: e a respeito das leis eternas da natureza? A onde estavam as leis da natureza antes do big bang? Se as leis da natureza existiam antes do big bang, então fica claro que estas são de caráter não-físico; de fato, são metafísicas. Isto nos empurra para fora da suposição metafísica que se encontra sob a idéia das leis eternas, por conseqüência.

LEIS DA NATUREZA, OU APENAS HÁBITOS?

Existe, no entanto uma alternativa. A alternativa e a de que o universo se parece mais com um organismo do que com uma máquina. O big bang chama-nos de volta às estórias místicas sobre “chocar o ovo cósmico”: ele cresce, e medida que cresce se submete a uma diferenciação interna que se parece mais com um embrião cósmico gigante do que com a enorme máquina eterna da teoria mecanicista. Com esta alternativa orgânica, pode fazer sentido pensar a respeito das leis da natureza mais como hábitos; talvez as leis da natureza sejam hábitos do universo, e talvez o universo tenha uma memória embutida.

Há cerca de cem anos, o filósofo americano C. S. Pierce disse que se tomássemos seriamente a evolução, se pensássemos que o universo todo se encontra em evolução, então teríamos de pensar nas leis da natureza com algo ligado aos hábitos. Esta idéia era de fato bastante comum especialmente na América; ela foi adotada por William James e outros filósofos americanos e foi amplamente discutida no final do século XIX. Na Alemanha, Nietzsche chegou a sugerir que as leis da natureza se submetiam à seleção natural: talvez tenham existido muitas leis da natureza no início, mas somente as bem sucedidas sobreviveram; portanto, o universo que nós vemos tem leis que evoluíram através da seleção natural.

Os biólogos também se deslocaram em direção a uma interpretação dos fenômenos em termos de hábitos. O mais interessante destes teóricos foi o escritor inglês Samuel Butler, cujos livros mais importantes sobre este tema foram “Vida e Hábito” [1878] “Memória Inconsciente” (1881). Butler afirmava que o todo da vida envolvia uma memória inconsciente inerente; os hábitos, os instintos dos animais, o modo pelo qual os embriões se desenvolvem, tudo refletia um princípio básico de uma memória inerente de dentro da vida. Ele chegou a propor que deveria haver uma memória inerente aos átomos, moléculas e cristais. Assim houve este período de tempo no final do século XIX quando a biologia foi vista em termos evolutivos. É somente a partir de 1920 que o pensar mecanicista passou a ter um domínio sobre o pensamento biológico.

COMO SURGE A FORMA?

A hipótese da causação formativa, que é a base do meu trabalho, parte do problema da forma biológica. Dentro da biologia tem havido uma prolongada discussão a respeito da compreensão de como os embriões e organismos se desenvolvem. Como é que as plantas crescem a partir das sementes? Como é que os embriões se desenvolvem a partir de ovos fertilizados? Este é um problema para os biólogos; não é bem um problema para embriões e árvores, que apenas o fazem! No entanto os biólogos têm dificuldade de encontrar uma explanação causal para a forma. Na física, de certo modo a causa se iguala ao efeito. A quantidade de energia, matéria, e ‘momentum’ antes de uma dada mudança se igualam à quantia encontrada depois da mudança. A causa é contida no efeito e o efeito na causa. No entanto quando consideramos o crescimento de um carvalho a partir de uma ‘bolota’, parece não existir tal equivalência entre causa e efeito.

No século XVII a teoria mecanicista principal da embriologia era simplesmente que o carvalho estava contido na ‘bolota’: dentro de cada ‘bolota’ existia um carvalho em miniatura que inflava à medida que a árvore crescia. Esta teoria foi amplamente aceita, e foi a mais consistente com a abordagem mecanicista, como era compreendida naquela época. No entanto, como indicaram os críticos, se o carvalho é inflado e aquele carvalho por si mesmo produz ‘bolotas’, a árvore inflável deve conter ‘bolotas’ infláveis, que contêm carvalhos infláveis, ad infinito.

Se, por outro lado, mais forma vier de menos forma (cujo nome técnico é epigênese), então de onde é que vem mais forma?

Como aparecem as estruturas que não estavam ali antes? Nem platônicos nem aristotelianos tinham qualquer problema com esta questão. Os platônicos diziam que a forma vinha do arquétipo platônico: se existe um carvalho, então existe uma forma arquetípica de uma árvore de carvalho, e todos os carvalhos reais são simplesmente reflexos deste arquétipo. Uma vez que este arquétipo está além do espaço e do tempo, não existe necessidade de tê-lo acomodado sob a forma física de uma ‘bolota’. Os aristolelianos diziam que cada espécie tem a seu próprio tipo de alma, e a alma é a forma do corpo. O corpo está na alma, e não a alma no corpo. A alma é a forma do corpo e se encontra em volta do corpo e contém a meta do desenvolvimento (o que formalmente é chamado de intelequia). A alma de um carvalho contém o carvalho eventual.

O DNA É UM PROGRAMA GENÉTICO?

No entanto, uma visão mecanicista do mundo nega o animismo em todas as suas formas; ela nega a existência da alma e de qualquer princípio organizador não-material. Portanto, os mecanicistas têm de possuir algum tipo de pré-formação. No final do século XIX, a teoria do biólogo alemão August Weismann sobre o plasma germe fez reviver a idéia da pré-formação; a teoria de Weismann colocou “determinantes”, os quais supostamente faziam crescer o organismo, dentro do embrião. Esta idéia é a antecessora da idéia atual da programação genética, a qual constitui uma outra ressurgência do pré-formação de uma maneira moderna.

Como veremos, esse modelo não funciona muito bem. Presume-se que o programa genético seja idêntico com o DNA, a química genética. A informação genética está codificada no DNA e este código forma o programa genético. Mas tal salto exige que sejam projetadas no DNA propriedades que este não possui de fato. Nós sabemos o que o DNA faz: ele codifica para criar proteínas; ele codifica a seqüência de aminoácidos que forma proteínas. No entanto, existe uma grande diferença entre a codificação para a estrutura de uma proteína – um constituinte químico do organismo – e a programação do desenvolvimento de um organismo total esta é a diferença entre fazer tijolos e construir uma casa a partir dos tijolos. Os tijolos são necessários para construir a casa. Se você tem tijolos defeituosos, a casa será defeituosa. Mas o planejamento da casa não está contido nos tijolos, ou nos fios, ou nas pilastras, ou no cimento.

Por analogia, o DNA somente codifica para materiais dos quais o corpo é construído: as enzimas, as proteínas estruturais e assim por diante. Não existe evidência que ele também codifique para o planejamento, a forma, a morfologia do corpo. A fim de ver isto mais claramente, pense nos seus braços e pernas. A forma dos braços e das pernas é diferente; é óbvio que eles têm um formato diferente. Mesmo assim a química dos braços e das pernas é idêntica. Os músculos são os mesmos, as células nervosas são as mesmas, as células da pele são as mesmas e o DNA é o mesmo em todas as células dos braços e das pernas. De fato, o DNA é o mesmo em todas as células do corpo. O DNA sozinho não pode explicar a diferença na forma; algo mais é necessário para explicar a forma.

Na biologia mecanicista atual, se assume que isto é geralmente dependente dos chamados “padrões complexos de interação físico-químicos ainda não inteiramente compreendidos”. Assim a teoria mecanicista atual não é uma explicação, mas sim uma mera promessa de explicação. Isto é o que Sir Karl Popper tem chamado de “mecanicismo promissor”; Isto envolve listar notas promissoras contra explicações futuras que ainda não existem. Deste modo, não se trata de um argumento objetivo; é meramente uma afirmação baseada em fé.

O QUE SÃO CAMPOS MÓRFICOS?

A questão do desenvolvimento biológico, da morfogênese, está de fato bastante aberta e é matéria de muito debate dentro da biologia. Uma alternativa para a abordagem mecanicista/reducionista, a qual está em voga desde 1920, é a idéia dos campos morfogenéticos (modeladores da forma). Neste modelo, organismo que estão crescendo são moldados por campos que estão tanto dentro como em volta deles, campos que contém a forma do organismo. Isto está mais próximo da tradição aristotélica do que de qualquer uma das outras abordagens tradicionais. À medida que a árvore do carvalho se desenvolve, a ‘bolota’ está associada com um campo do carvalho, uma estrutura organizadora invisível que organiza o desenvolvimento do carvalho; se parece com um molde do carvalho, dentro do qual o organismo que está se desenvolvendo cresce.

Um fato que levou ao desenvolvimento desta teoria é a notável habilidade que os organismos têm para reparar danos. Se você cortar um carvalho em pedacinhos, cada pequeno pedaço, tratado de maneira apropriada, poderá crescer até se tornar uma nova árvore. Portanto a partir de um pequeno fragmento, você pode obter um inteiro. Máquinas não fazem assim; elas não têm este poder de permanecer inteiras se você remover partes delas. Esquarteje um computador e tudo o que você terá é um computador quebrado. Ele não se regenera em uma porção de computadorezinhos. Mas se você picar uma planária em pequenos pedaços, cada pedaço poderá crescer como nova planária. Uma outra analogia é a do magneto (imã). Se você cortar um imã em pedacinhos você com certeza terá uma porção de pequenos imãs, cada um com um campo magnético completo. Esta é uma propriedade holística que os campos têm que os sistemas mecânicos não têm a menos que estes estejam associados com campos. Um outro exemplo é o holograma, no qual qualquer parte contém o todo. Um holograma é baseado em padrões de interferência dentro do campo eletromagnético. Os campos assim têm uma propriedade holística a qual foi muito atraente para os biólogos que desenvolveram este conceito dos campos morfogenéticos.

Cada espécie tem os seus próprios campos, e dentro de cada organismo existem campos dentro de campos. Dentro de cada um de nós está o campo do corpo como um todo; campos para os braços e pernas e campos para rins e fígado; dentro estão campos para os diferentes tecidos dentro destes órgãos, e então campos para as células, e campos para as estruturas subcelulares, e campos para as moléculas e assim por diante. Existe uma série inteira de campos dentro de campos. A essência da hipótese que eu estou propondo é a que estes campos, os quais já estão amplamente aceitos dentro da biologia, têm uma espécie de memória embutida que deriva de formas prévias de uma espécie similar. O campo do fígado é moldado pelas formas de fígados anteriores e o campo do carvalho pelas formas e organização de árvores de carvalho anteriores. Através dos campos, por um processo chamado de ressonância mórfica, a influência de semelhante sobre o semelhante, existe uma conexão entre campos similares. O que significa que a estrutura do campo tem uma memória cumulativa, baseada naquilo que aconteceu às espécies no passado. Essa idéia se aplica não somente aos organismos vivos, mas também a moléculas de proteína, cristais, e mesmo átomos. No reino dos cristais, por exemplo, a teoria diria que a forma que um cristal toma depende do seu campo mórfico característico. Campo mórfico é um termo mais abrangente o qual inclui os campos tanto de forma como de comportamento; daqui por diante, eu deverei usar o termo campo mórfico ao invés de morfogenéticos.

QUÍMICOS BARBUDOS MIGRANTES

Se você fabrica um novo componente e o cristaliza, não haverá um campo mórfico para ele de uma primeira vez. Portanto, pode ser muito difícil cristalizar; você tem que esperar para que um campo mórfico emergia. Na segunda vez, entretanto, mesmo que você faça isto em algum outro lugar no mundo, haverá uma influência da primeira cristalização, e a cristalização deverá ser um pouco mais fácil. Na terceira vez haverá uma influência da primeira e da segunda, e assim por diante. Haverá uma influência cumulativa a partir de cristais prévios, portanto deverá se tornar cada vez mais fácil à cristalização conforme você cristaliza mais freqüentemente. E de fato, é isto precisamente o que ocorre. Químicos (que trabalham com materiais) sintéticos descobrem que novos componentes são geralmente muito difíceis de cristalizar. À medida que o tempo passa, tais componentes geralmente se tornam mais fáceis de cristalizar em todas as partes do mundo. A explicação convencional é que isto ocorre devido a fragmentos de cristais prévios que são carregados de laboratório em laboratório nas barbas dos químicos migrantes. Quando nenhum químico migrante esteve presente, supõe-se que os fragmentos se dispersaram pela atmosfera como se fossem partículas microscópicas de poeira.

Talvez os químicos migrantes realmente carreguem fragmentos nas suas barbas, e talvez partículas de poeira realmente sejam sopradas pela atmosfera. Entretanto, se a taxa de cristalização for mensurada sob condições rigorosamente controladas em vasos selados em diferentes partes do mundo, ainda deverá ser observado uma taxa acelerada de cristalização. Este experimento ainda não foi feito. Mas uma experiência relacionada a isto envolvendo taxas de reações químicas de novos processos sintéticos está sendo considerada no momento por uma empresa química importante na Grã-Bretanha porque, se tais coisas acontecem, devem ter implicações bastante importantes para a indústria química.

UMA NOVA CIÊNCIA DA VIDA

Existe um bom número de experimentos que podem ser feitos na esfera da forma biológica e do desenvolvimento da forma. Correspondentemente, os mesmos princípios se aplicam ao comportamento, formas de comportamento e padrões de comportamento. Considerem a hipótese de que se você treinar ratos para que aprendam um novo truque em Santa Bárbara, daí ratos de todo o mundo deverão estar aptos para aprender a fazer o mesmo truque mais rapidamente, somente porque os ratos de Santa Bárbara o aprenderam. Este novo padrão de aprendizado estará, como esteve, na memória coletiva dos ratos – no campo mórfico dos ratos, ao quais outros ratos podem sintonizar, somente porque eles são ratos e somente porque estão em circunstâncias semelhantes, por ressonância mórfica. Isto pode parecer um tanto improvável, mais este tipo de coisa pode tanto acontecer como não.

Dentre o vasto número de documentos nos arquivos sobre experimentos na psicologia dos ratos, existe um número de exemplos de experiências nas quais pessoas de fato monitorizaram taxas de aprendizado em função do tempo e descobriram aumentos misteriosos. No meu livro, Uma Nova Ciência da Vida, eu descrevo uma destas séries de experiências que se estenderam por um período de cinqüenta anos. Iniciada em Harvard e conduzida na Escócia e na Austrália, a experiência demonstrou que ratos aumentaram a sua taxa de aprendizado em mais de dez vezes. Este foi um efeito em massa – e não somente um resultado estatisticamente significante periférico. Esta taxa melhorada de aprendizado ocorreu em situações de aprendizado idênticas ocorridas nestes três locais separados e em todos os ratos da cepa, não somente nos ratos descendentes de genitores treinados.

Existem outros exemplos de distribuição espontânea de novos hábitos em animais e em pássaros que proporcionam no mínimo evidência circunstancial para a teoria da ressonância mórfica. A mais bem documentada de todas é o comportamento de uma espécie de azulão, um pássaro que é comum em toda a Grã-Bretanha. O leite fresco ainda é fornecido à porta das residências toda manhã no país. Até cerca de 1950 as tampas das garrafas de leite eram feitas de papelão. Em 1921, em South Ampton, um fenômeno estranho foi observado. De manhã, quando as pessoas saíam para pegar suas garrafas de leite, elas encontravam papeizinhos picotados em torno fundo da garrafa, e a nata de cima da garrafa havia desaparecido. Uma observação mais detalhada revelou que isto estava sendo feito pelos azulões, que pousavam no topo da garrafa, retiravam o papelão com seus bicos e então bebiam a nata. Muitos casos trágicos foram encontrados, nos quais muitos azulões foram descobertos com suas cabeças afogadas no leite! Este incidente causou um interesse considerável; que tal evento acontecesse em outros lugares do país, 50 algumas vezes 100 milhas de distância. Sempre que o fenômeno do azulão aparecia, começava a se espalhar localmente, supostamente por imitação. No entanto, os azulões são criaturas muito caseiras e normalmente não viajam mais do que quatro ou cinco milhas. Portanto, a disseminação do comportamento por distâncias maiores poderia somente ser contabilizada em termos de uma descoberta independente do hábito. O hábito do azulão foi mapeado por toda a Grã-Bretanha até 1947, época em que se tornou mais ou menos universalizado. As pessoas que fizeram o estudo chegaram a conclusão de que o hábito deveria ter sido “inventado” independentemente em pelo menos umas cinqüenta vezes. Mais do que isso, a taxa de distribuição do hábito se acelerou à medida que o tempo passava. Em outras partes da Europa a onde as garrafas de leite são distribuídas na soleira da porta, tais como na Escandinávia e na Holanda, o hábito também se construiu durante a década de trinta e se espalhou de modo semelhante. Aqui está um exemplo de um padrão de comportamento que foi espalhado de uma maneira que parecia se acelerar com o tempo, e que poderia proporcionar um exemplo de ressonância mórfica.

Mas existe uma evidência ainda mais forte para a ressonância mórfica. Devido à ocupação Alemã na Holanda, a distribuição de leite foi interrompida nos anos de 1939-40. A distribuição do leite não foi retomada até 1948. Uma vez que azulões geralmente vivem apenas de 2 a 3 anos, provavelmente não havia azulões vivos em 1948 que tivessem estados vivos na última vez que o leite fora distribuído. Mesmo assim quando a distribuição de leite foi reiniciada em 1948, a abertura das garrafas de leite pelos azulões se espalhou rapidamente em localidades bastante distantes na Holanda, e de modo extremamente rápido até que, em um ano ou dois, o hábito era uma vez mais universal. O comportamento se espalhou muito mais rapidamente e sobreveio independentemente muito mais freqüentemente da segunda vez do que da primeira. Este exemplo demonstra a distribuição evolutiva de um novo hábito que provavelmente não é genético, mas sim dependente de uma espécie de memória coletiva que se deve à ressonância mórfica.

O que eu estou sugerindo é que hereditariedade não depende somente do DNA, que habilita os organismos a construir os materiais de construção químicos corretos – as proteínas – mas também da ressonância mórfica. A hereditariedade tem, portanto dois aspectos: um é a hereditariedade genética, que é responsável pela herança de proteínas através do controle do DNA na síntese protéica; a segunda é uma forma de hereditariedade baseada em campos mórficos e em ressonância mórfica, que é não genética e que é herdada dos membros anteriores (passados) das espécies. Esta última forma de hereditariedade lida com a organização da forma e do comportamento.

A ALEGORIA DO APARELHO DE TELEVISÃO

As diferenças e conexões entre estas duas formas de hereditariedade tornam-se mais fácil de compreender se considerarmos uma analogia com a televisão. Pense sobre as figuras na tela como a forma na qual nós estamos interessados. Se você não soubesse como a forma surgiu, a explicação mais óbvia seria que haveria pequenas pessoas dentro do aparelho cujas sombras você estaria vendo na tela. Crianças pensam dessa maneira algumas vezes. Se você, no entanto afasta o aparelho e olha dentro, você descobre que não existem pessoas pequenas. Aí você poderia se tornar mais sutil e especular que as pequenas pessoas são microscópicas e estão na verdade por dentro dos cabos do aparelho de TV. Mas se você der uma olhada nos fios através de um microscópio, você também não encontrará nenhum pequenino.

Você poderia se tornar ainda mais sutil e propor que as pequenas pessoas na tela na verdade apareceram através de “interações complexas entre as partes do aparelho as quais ainda não estão inteiramente compreendidas”. Você poderia pensar que esta teoria seria comprovada se você cortasse alguns transistores do aparelho. As pessoas desapareceriam. Se você colocasse os transistores de volta, elas reapareceriam. Isto poderia prover evidências convincentes que elas surgiram a partir do interior do aparelho inteiramente sobre uma base de interação interna.

Suponha que alguém tenha sugerido que as figuras dos pequeninos venham de fora do aparelho, e que o aparelho captura as imagens como um resultado de vibrações invisíveis às quais o aparelho está sintonizado. Isto provavelmente soaria como uma explicação bastante oculta e mística. Você poderia negar que qualquer coisa esteja vindo para o aparelho. Você poderia até mesmo “prova-lo” ao pesar o aparelho ligado e desligado; pesaria o mesmo. Portanto, você poderia concluir que nada está entrando no aparelho.

Eu penso que esta é a posição da biologia moderna, tentando explicar cada coisa em termos do que ocorre dentro. Quanto mais explicações para a forma são procuradas dentro, mais enganosas se provam as explicações, e mais elas são atribuídas a ainda maiores interações sutis e complexas, as quais sempre desviam a investigação. Como eu estou sugerindo, as formas e padrões de comportamento estão na verdade sendo sintonizadas através de conexões invisíveis que surgem de fora do organismo. O desenvolvimento da forma é o resultado tanto da organização interna do organismo quanto da interação dos campos mórficos aos quais ele está sintonizado.

Mutações genéticas podem afetar este desenvolvimento. Mais uma vez pense no aparelho de TV. Se nós provocarmos uma mutação em um transistor ou um condensador dentro do aparelho, você pode obter imagens ou som distorcidos. Mais isto não prova que as imagens e o som são programados por estes componentes. E nem isto prova que a forma e comportamento são programados pelos genes, se acharmos que existem alterações na forma e no comportamento como um resultado de mutação genética.

Existe uma outra espécie de mutação que é particularmente interessante. Imagine uma mutação no circuito de sintonização do seu aparelho, de modo que ela altera a freqüência ressonante do circuito de sintonização. Sintonizar a sua TV depende de um fenômeno ressonante; o sintonizador ressona à mesma freqüência da freqüência do sinal transmitido pelas diferentes estações. Assim, os mostradores da sintonização são medidos em hertz, que é uma medida de freqüência. Imagine uma mutação no sistema de sintonização de maneira que você sintoniza um canal e um canal diferente aparece. Você pode rastrear isto de volta a um único condensador ou resistor que havia sofrido uma mutação. Mas não seria válido concluir que os novos programas que você está assistindo, as diferentes pessoas, os diferentes filmes e propagandas, são programados dentro do componente que foi mudado. E nem isto prova que a forma e o comportamento são programados no DNA quando mutações genéticas levam a mudanças na forma e no comportamento. A conclusão usual é que se você pode mostrar que alguma coisa se altera como um resultado de uma mutação, então aquilo deve estar programado, ou controlado, ou determinado pelo gene. Eu espero que esta analogia com a TV torne claro que esta não é a única conclusão. Poderia ser que ela esteja apenas afetando o sistema de sintonização.

UMA NOVA TEORIA DA EVOLUÇÃO

Uma grande quantidade de trabalhos está sendo efetuada pela pesquisa biológica contemporânea a respeito de tais mutações “sintônicas” (formalmente chamadas de mutações homeóticas). O animal mais utilizado nas investigações é a drosófila, a mosca da fruta. Uma extensão inteira destas mutações, que produzem diversos tipos de monstruosidades tem sido descobertas. Uma espécie, denominada antennapedia, se destaca por ter suas antenas transformadas em pernas. Estas infelizes moscas, que contém apenas um único gene alterado, produzem pernas que crescem a partir de suas cabeças, ao invés de antenas. Existe uma outra mutação que conduz o segundo par, dos três pares de pernas da drosófila, a ser transformados em antenas. Normalmente as moscas têm um par de asas e, no seguimento por detrás das asas, existem pequenos órgãos que oscilam chamados halteres. Uma outra mutação ainda, leva á transformação do seguimento que normalmente contém os halteres, para uma duplicação do primeiro seguimento, de maneira que tais moscas têm quatro asas ao invés de duas. Estas são chamadas de mutantes bitoráxicas.

Todas estas mutações são dependentes de genes únicos. Eu proponho que de alguma maneira estas mutações de genes únicos são mudanças na sintonia de uma parte do tecido embrionário, de modo que ele se sintoniza com um campo mórfico diferente do que aquele o qual normalmente o faz, e assim uma diferente combinação de estruturas surge, exatamente como quando sintonizamos em um canal de TV diferente.

Podemos observar a partir destas analogias, como tanto a genética como a ressonância mórfica estão envolvidas na hereditariedade. È claro, uma nova teoria de hereditariedade conduz a uma nova teoria da evolução. A teoria evolutiva de hoje está baseada na suposição de que virtualmente toda a hereditariedade é genética. A sociobiologia e o neodarwinismo em todas as suas diversas formas baseiam-se na seleção dos genes, freqüência dos genes e assim por diante. A teoria da ressonância mórfica conduz a uma visão muito mais ampla que permite que uma das maiores heresias da biologia uma vez mais seja levada a sério: a idéia da herança de características adquiridas. Comportamentos aprendidos por organismos, ou formas desenvolvidas por eles, pode ser herdada por outros mesmo que não sejam descendentes dos organismos originais – por ressonância mórfica.

UM NOVO CONCEITO DE MEMÓRIA

Quando consideramos a memória, esta hipótese conduz a uma abordagem muito diferente da abordagem tradicional. O conceito chave da ressonância mórfica é que coisas semelhantes influenciam coisas semelhantes através do espaço e do tempo. A quantidade de influência depende do grau de similitude. A maioria dos organismos é mais semelhante a si mesmos no passado do que o são em relação a qualquer outro organismo. Eu me pareço mais comigo mesmo há cinco minutos atrás do que eu me pareço com qualquer um de vocês; todos nós somos mais parecidos com nós mesmos no passado do que com qualquer outra pessoa. É a mesma coisa com qualquer outro organismo. Esta auto-ressonância com estados passados daquele mesmo organismo, no seio da forma, ajuda a estabilizar os campos morfogenéticos, a estabilizar a forma do organismo, mesmo que os constituintes químicos nas células estejam se transformando e mudando. Padrões habituais de comportamento também são sintonizáveis a partir do processo de auto-ressonância. Se eu começo a andar de bicicleta, por exemplo, o padrão de atividade do meu sistema nervoso e dos meus músculos, em resposta ao equilíbrio sobre a bicicleta, imediatamente me sintoniza por similaridade a todas as ocasiões anteriores nas quais eu andei de bicicleta. A experiência de andar de bicicleta é dada por ressonância mórfica cumulativa a todas aquelas ocasiões passadas. Não é uma memória verbal ou intelectual; é uma memória corporal do andar de bicicleta.

Isso também se aplicaria à memória de eventos reais: aquilo o que eu fiz ontem em Los Angeles ou no ano passado, na Inglaterra. Quando eu penso sobre estes eventos em particular, eu estou me sintonizando às ocasiões nas quais estes eventos ocorreram. Existe uma conexão causal direta através de um processo de sintonização. Se essa hipótese for correta, não é necessário admitir que memórias são armazenadas dentro do cérebro.

O MISTÉRIO DA MENTE

Todos nós fomos conduzidos à idéia de que as memórias estão armazenadas no cérebro; usamos a palavra cérebro de forma intercambiável com mente ou memória. Eu estou sugerindo que o cérebro se parece mais como um sistema de sintonização do que com um aparelho de armazenamento de memória. Um dos principais argumentos para a localização da memória no cérebro é o fato de que certos tipos de lesão cerebral podem levar a perda de memória. Se o cérebro é lesado em um acidente de carro e alguém perde a memória, a suposição óbvia é que o tecido da memória deva ter sido destruído. Mas não é necessariamente assim.

Considere novamente a analogia da TV. Se eu danificar o seu aparelho de TV de modo que você ficou incapacitado de receber determinados canais, ou se eu tornar o aparelho de TV afásico ao destruir a parte ligada à produção do som de modo que você ainda pudesse obter as imagens, mas não o som, isto não provaria que o som ou as imagens estaria armazenado dentro do aparelho de TV. Isso meramente mostraria que eu havia afetado o sistema de sintonização de maneira que você não poderia mais pegar o sinal correto. Nem a perda da memória devida a lesão cerebral prova que a memória se encontra armazenada dentro do cérebro. De fato, a maioria das perdas de memória é temporária: amnésia após uma concussão, por exemplo, é freqüentemente temporária. Esta recuperação da memória é muito difícil de explicar em termos das teorias convencionais: se as memórias foram destruídas por que o tecido de memória foi destruído, elas não deveriam voltar novamente; mesmo assim elas freqüentemente retornam.

Um outro argumento para a localização da memória dentro do cérebro é sugerido pelos experimentos sobre estimulação elétrica do cérebro feito por Wilder Penfield e colaboradores. Penfield estimulou os lobos temporais dos cérebros de pacientes epiléticos e descobriu que alguns destes estímulos podiam disparar respostas vívidas, as quais eram interpretadas pelos pacientes como memórias de coisas que eles haviam feito no passado. Penfield supôs que ele estava de fato estimulando memórias que estavam armazenadas no córtex. De volta a analogia da TV, se eu estimulasse o circuito de sintonização do seu aparelho de TV e ele pulasse para outro canal, isto não provaria que a informação estava armazenada dentro do circuito de sintonização. É interessante que, no seu último livro, “The Mystery of the Mind”, o próprio Penfield abandonou a idéia de que os experimentos provavam que a memória estava dentro do cérebro. Ele chegou à conclusão de que a memória não estava absolutamente armazenada dentro do córtex.

Tem havido muitas tentativas de localizar traços da memória dentro do cérebro, a mais conhecida delas foi a de Karl Lashley, o grande neuro-fisiologista americano. Ele treinou ratos para aprenderem truques, e então tirou pedaços dos cérebros dos ratos para determinar se eles ainda poderiam fazer os truques. Para seu espanto, ele descobriu que ele poderia remover até 50% do cérebro – qualquer 50% – e não haveria nenhum efeito na retenção do aprendizado. Quando ele removia todo o cérebro, os ratos não conseguiam fazer tais truques, portanto ele concluiu que o cérebro era de algum modo necessário para o desempenho da tarefa – o que dificilmente é uma conclusão surpreendente. O que era surpreendente era a quantidade de cérebro que ele podia remover sem afetar a memória.

Resultados semelhantes têm sido encontrados por outros investigadores, até mesmo com invertebrados como o polvo. Isso levou o investigador a especular que a memória estava em todos os lugares, mas também em nenhum lugar em particular. O próprio Lashley concluiu que memórias são armazenadas de uma forma distribuída por todo o cérebro, já que ele não pode encontrar os vestígios de memória que a teoria clássica exigia. O seu aluno, Karl Pribram, estendeu esta idéia com a teoria holográfica do armazenamento da memória: a memória é como uma imagem holográfica, armazenada como um padrão de interferência pelo cérebro.

O que Lashley e Pribram (pelo menos em uma parte dos seus escritos) parecem não ter considerado é a possibilidade de que memórias podem não estar de modo algum armazenadas dentro do cérebro. A idéia de que elas não estão armazenadas dentro cérebro é mais consistente com os dados disponíveis do que as teorias convencionais ou a teoria holográfica. Muitas dificuldades surgiram ao se tentar localizar o armazenamento da memória no cérebro, em parte porque o cérebro é muito mais dinâmico do que se pensava anteriormente. Se o cérebro fosse para servir como um armazém de memória, então o sistema de armazenamento teria que permanecer estável; e mais, é sabido hoje que as células nervosas são substituídas muito mais rapidamente do que se pensava anteriormente. Toda a química nas sinapses e estruturas nervosas e moléculas são trocadas e mudam o tempo todo. Com um cérebro muito dinâmico, é difícil visualizar como as memórias são armazenadas.

Também existe um problema lógico a respeito das teorias convencionais de armazenamento da memória, para o qual diversos filósofos apontaram. Todas as teorias convencionais supõem que as memórias são, de algum modo, codificadas e localizadas em um depósito de memória no cérebro. Quando elas são necessárias, são recuperadas por um sistema de reparação. Este é o chamado modelo de codificação, armazenamento e recuperação. No entanto, para que um sistema de recuperação recupere qualquer coisa, ele deve saber o que é que quer recuperar; um sistema de recuperação de memória tem que saber qual memória procurar. Ele, portanto deve estar apto a reconhecer a memória a qual está tentando recuperar. A fim de reconhecê-la, o próprio sistema de recuperação deve ter algum tipo de memória. Portanto o sistema de recuperação deve ter um subsistema de recuperação para recuperar as suas memórias do seu depósito. Isso leva a uma regressão infinita. Diversos filósofos defendem que esta é uma falha lógica fatal em qualquer teoria convencional sobre armazenamento de memória. No entanto, no geral, os teóricos da memória não estão muito interessados naquilo o que os filósofos dizem, assim eles não se incomodam de se contrapor a este argumento. Mas este me parece ser de fato um argumento bastante poderoso.

Ao considerar a teoria de ressonância mórfica da memória, poderíamos perguntar: se nós nos sintonizamos com as nossas próprias memórias, então porque não nos sintonizamos também com as de outras pessoas? Eu penso que nós nos sintonizamos, e que toda a base da abordagem que eu estou sugerindo é a que existe uma memória coletiva à qual nós todos estamos sintonizados e que forma uma base contra a qual a nossa própria experiência se desenvolve e contra a qual as nossas próprias memórias individuais se desenvolvem. Esse conceito é muito semelhante à noção do inconsciente coletivo.

Jung pensava sobre o inconsciente coletivo como uma memória coletiva, a memória coletiva da humanidade. Ele pensava que as pessoas estariam mais sintonizadas aos membros da sua própria família e raça e grupo social e cultural, mas que não obstantemente, haveria uma ressonância de base a partir de toda a humanidade: uma experiência agrupada ou de uma média de coisas básicas as quais todas as pessoas vivenciam (e.é., comportamento materno, e diversos padrões sociais e estruturas da experiência e do pensamento). Não seria tanto uma memória de pessoas em particular no passado, mas uma média das formas básicas das estruturas de memórias; estes são os arquétipos. A noção de Jung sobre o inconsciente coletivo é de um bom senso extremo no contexto da abordagem geral que eu estou adiantando. A teoria de ressonância mórfica levaria a uma reafirmação radical do conceito de Jung a respeito do inconsciente coletivo.

A teoria necessita de reafirmação porque o contexto atual mecanicista da biologia, medicina e psicologia convencional nega que possa existir tal coisa como o inconsciente coletivo; o conceito de uma memória coletiva de uma raça ou espécie tem sido excluído até mesmo como uma possibilidade teórica. Você não pode ter qualquer herança de características adquiridas, de acordo com a teoria convencional; você somente pode ter uma herança de mutações genéticas. Sob as premissas da biologia convencional, não haveria nenhuma forma de que experiências e mitos de tribos africanas, por exemplo, terem qualquer influência sobre os sonhos de alguém na Suíça, de descendência não-africana, o que é o tipo de coisa que Jung pensava que realmente pode acontecer. Isto é bastante impossível do ponto de vista convencional, sendo por isso que a maioria dos biólogos da corrente principal da ciência não leve a idéia do inconsciente coletivo a sério. Ela é considerada uma idéia marginal, escamosa, que pode ter algum valor poético, como uma espécie de metáfora, mas não tem relevância para a ciência em si porque é um conceito completamente insustentável do ponto de vista da biologia normal.

A abordagem que eu estou passando adiante é bastante semelhante à idéia de Jung do inconsciente coletivo. A principal diferença é que a idéia de Jung foi aplicada primariamente à experiência humana e à memória coletiva humana. O que eu estou sugerindo é que um princípio semelhante opera por todo o universo, não apenas em seres humanos. Se a espécie de mudança do paradigma radical de que eu estou falando prosseguir dentro da biologia – se a hipótese da ressonância mórfica estiver até mesmo aproximadamente correta – então a idéia de Jung sobre o inconsciente coletivo tornar-se-ia uma idéia central para ser seguida: campos morfogênicos e o conceito do inconsciente coletivo mudariam completamente o contexto da psicologia moderna.