segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Hashem AL-ghaili

SCITECH

https://youtu.be/zpZHUjKnDpE

http://goo.gl/qJtBHB
http://goo.gl/rJfXH8
http://goo.gl/XDOiHj

https://www.youtube.com/user/hashemalghaili
https://www.facebook.com/ScienceNaturePage/videos/855183117947281/?pnref=story
https://plus.google.com/u/0/+hashemalghaili

quarta-feira, 8 de junho de 2016

sábado, 2 de abril de 2016

ASTRO ALADO


Controversial, heavily censored, planetary system just revealed to public for fist time

niburi




amargedon






http://www.worldwidetelescope.org/
https://pole.uchicago.edu/index.php





sábado, 20 de fevereiro de 2016

H.A.A.R.P. - Project Stormfury



HAARP: o Projeto militar dos EUA Que PODE Ser Uma arma geofísica
                
http://www.tecmundo.com.br









Projeto Stormfury  foi hum ambicioso experimental Programa de Pesquisas Sobre furacões modificação realizada Entre 1962 e 1983.  A Técnica Proposta de modificação envolveu a Estimulação da artificial convecção fora da Parede do Olho atraves de semeadura com iodeto de prata.  A Técnica Proposta de modificação envolvido Estimulação artificial de convecção fora da Parede NÃO Olho atraves de semeadura com iodeto de prata.  hum revigorado convecção, argumentou-se, Iria competir com Uma Parede fazer Originais Olho, LeVar Uma reforma da Parede do olho de raio maior, e ASSIM, POR Meio da Conservação parcial de momento angular, produzem uma diminuição na Mais forte ventos.  a convecção revigorado, argumentou-se, Iria competir com uma Parede fazer Originais Olho, LeVar uma reforma da Parede do olho de raio maior, e ASSIM, atraves da Conservação do momento angular parciais, Produzir UMA diminuição Nos Ventos Mais Fortes.
Desde destrutivas aumenta o potencial de hum furacão Mais rápidamente SEUS ventos Mais fortes se tornam Mais fortes, Uma Redução Tão Pequena Quanto 10% Terios valido a pena.  Uma vez Que aumenta de hum furacão potencial destrutivo rapidez que SEUS ventos Mais fortes se tornam Mais Fortes , uma Redução Tão Pequena Quanto 10% Terios valido a pena.  a modificação foi tentada em Quatro furacões em Oito dias Diferentes.  modificação tentada eM furacões Quatro estava em Oito Dias Diferentes.  eM Dias Quatro Desses, Os ventos diminuíram Entre 10 e 30%, a falta de RESPOSTA nsa Outros dias foi Interpretado Como o resultado de má execução da semeadura OU assuntos de mal selecionados dos dos dos dos dos dos dos.  em Quatro destes dias, Os ventos diminuíram Entre 10 e 30%, a falta de RESPOSTA Sobre os Outros Dias foi Interpretado Pará Ser o resultado de má execução da semeadura Ou de Sujeitos pobremente selecionados dos dos dos dos dos dos dos dos.
Estes Resultados promissores vieram em causa, em meados da Década de 1980 Porque Como OBSERVAÇÕES em furacões indicados NÃO Modificados:  promissores Estes Resultados vieram em causa EM meados de dos ANO 1980 porqué Como indicados OBSERVAÇÕES de furacões NÃO Modificados:
1.  Que a semeação de Nuvens tinha poucas Perspectivas de Sucesso, Porque furacões continha Muito gelo Naturais e Água Muito POUCO super-resfriado.  Que a semeação de Nuvens tinha poucas Perspectivas de Sucesso, furacões Porque OS continha gelo Muito natural, E MUITO POUCO de Água arrefecida.
2.  Que OS Resultados Positivos inferido a Partir dos Experimentos de semeadura na Década de 1960 furacões resultou da incapacidade de distinguir esperados Entre OS Resultados da Intervenção EO humana Comportamento DOS Naturais.  Que OS Resultados Positivos inferidas a Partir dos Experimentos de semeadura na Década de 1960 resultou esperados da incapacidade de distinguir Entre OS Resultados da Intervenção e humana Fazer Comportamento de dos furacões Naturais.
Referência  Referência 
Willoughby, HE, DP Jorgensen, RA Preto e SL Rosenthal, 1985: Projeto Stormfury, A Crônica Scientific, 1962-1983, um touro.  Willoughby, HE, DP Jorgensen, RA Preto, e SL Rosenthal, 1985: Projeto Stormfury, Uma Crônica Científica, 1962-1983, um touro.  Amer.  Amer.  Meteor.  Meteor.  Soc., 66, 505-514.  Soc., 66, 505-514. )
Office of Oceanic and Atmospheric Research  Escritório de Pesquisa Atmosférica e Oceânica Atlântico Laboratório Oceanográfico e Meteorológico (AOML)  Atlântico Laboratório Oceanográfico e Meteorológico (AOML)
FONTE:  http://www.aoml.noaa.gov/hrd/hrd_sub/sfury.html                



Sirius, o filme. Legendado. Português.

quinta-feira, 30 de julho de 2015

"Future Earth 2050" #Mind Blow [Full Documentary]

(HD) Inside America's Top Secret Weapons Lab DARPA #Mind Blow (Full Docu...

US Navy's New Killer Laser Gun: LaWS Laser Weapon System Live-fire

Laser Weapon System (LaWS)

Third Reich - Operation UFO (Nazi Base In Antarctica) Complete Documentary

5 Most Top Secret Military Locations

US Military WORLDS LARGEST m1 Abrams Tank Graveyard

ONU questiona uso de 'robôs assassinos' em guerras

domingo, 18 de agosto de 2013

CROMOSSOMOS VIVOS FUNCIONAM COMO COMPUTADORES SOLITÔNICOS-HOLOGRÁFICOS QUE USAM A IRRADIAÇÃO A LASER DO DNA ENDÓGENO

A HIPER COMUNICAÇÃO DO DNA: A “INTERNET VIVA” DENTRO DE NÓS


 O DNA humano é uma Internet biológica e superior em contraste com a artificial em muitos aspectos.
As últimas pesquisas científicas na Rússia explicam direta ou indiretamente o fenômeno como por exemplo a clarividência, a intuição, os atos de cura espontâneos ou à distancia, a auto-cura, as técnicas de afirmação, a luz de auras extraordinárias em volta das pessoas (especialmente de mestres espirituais), influência da mente nos padrões do clima e muito mais. Além disto, há evidência de um tipo de medicina totalmente novo no qual o DNA pode ser influenciado e reprogramado por palavras e freqüências SEM remover e sem substituir um único gene.
Somente 10% de nosso DNA estão sendo usados para formar proteínas. É este subconjunto do DNA que é do interesse dos pesquisadores ocidentais e está sendo examinado e categorizado. Os outros 90% do DNA são considerados “DNA lixo”. Os pesquisadores Russos, entretanto, convenceram-se de que a natureza não era estúpida, juntando-se lingüistas e geneticistas em uma aventura para explorar estes 90% de “DNA lixo”.
Seus resultados, descobertas e conclusões são simplesmente revolucionários! De acordo com eles, o nosso DNA não somente é responsável pela construção de nosso corpo, mas também serve como armazenamento de dados e na comunicação. Os lingüistas Russos compreenderam que o código genético, especialmente nos 90% aparentemente inúteis segue as mesmas regras como todas as nossas linguagens humanas.
Para este fim, eles compararam as regras da sintaxe (a forma nas quais as palavras são unidas para formar frases e sentenças), a semântica (o estudo do significado nas formas de linguagem) e as regras básicas da gramática. Eles perceberam que os alcalinos de nosso DNA seguem uma gramática regular e têm conjuntos de regras como as nossas linguagens. Assim as linguagens humanas não surgiram coincidentemente, sendo um reflexo do nosso DNA inerente.
Pjotr Gargajev, biofísico e biólogo molecular Russo e seus colegas exploraram também o comportamento vibracional do DNA. (Para se breve, eu darei somente aqui um resumo. Para uma maior investigação, queiram recorrer ao apêndice no final deste artigo.) A linha básica era: “Cromossomos vivos funcionam como computadores solitônico-holográficos que usam a irradiação a Laser do DNA endógeno”.
Isto significa que eles orientaram, por exemplo, para modular determinados padrões de freqüência sobre um raio Laser e com isto influenciaram a freqüência do DNA e assim, a própria informação genética. Desde que a estrutura básica dos pares alcalinos do DNA e da linguagem (como explicado anteriormente), é da mesma estrutura, nenhuma decodificação do DNA é necessária. Pode-se simplesmente usar palavras e sentenças da linguagem humana! Isto, também, foi provado experimentalmente! A substância do DNA vivo (no tecido vivo, não in vitro), sempre reagirá aos raios laser modulados na linguagem e até às ondas do rádio, se as freqüências apropriadas estiverem sendo usadas. Isto explica finalmente e cientificamente por que as afirmações, o treinamento autógeno, a hipnose e a vontade podem ter efeitos tão fortes nos humanos e em seus corpos. É inteiramente normal e natural para o nosso DNA reagir à linguagem. Enquanto os pesquisadores ocidentais cortam genes simples das fibras do DNA e as inserem em outra parte, os Russos trabalharam entusiasticamente nos artifícios que podem influenciar o metabolismo celular através das freqüências de rádio moduladas apropriadas e das freqüências de luz e assim reparar defeitos genéticos.
O grupo de pesquisa de Garjajev conseguiu provar que com este método, os cromossomos danificados por raios-X, por exemplo, podem ser reparados. Eles até capturaram padrões de informação de um DNA particular e os transmitiram para outro, reprogramando assim as células para outro genoma. Assim eles transformaram com êxito, por exemplo, embriões da rã em embriões da salamandra, simplesmente ao transmitirem os padrões de informação do DNA! Desta forma toda a informação foi  transmitida sem quaisquer dos efeitos secundários ou desarmonias encontrados quando se extrai e se reintroduz genes simples do DNA. Isto representa uma revolução e uma sensação inacreditável e uma transformação mundial! Tudo isto simplesmente pela aplicação da vibração e da linguagem, ao invés do procedimento de corte arcaico! Este experimento demonstra o poder imenso da genética, que obviamente tem uma influência maior na formação dos organismos do que nos processos bioquímicos das seqüências alcalinas.
Os professores esotéricos e espirituais conheceram por eras que o nosso corpo é programável pela linguagem, pelas palavras e pelo pensamento. Isto foi agora provado e explicado cientificamente. Naturalmente a freqüência tem que ser correta. E é por isso que nem todos são igualmente bem sucedidos ou que possam fazer isto sempre com o mesmo poder. A pessoa individual deve trabalhar nos processos internos e na maturidade, a fim de estabelecer uma comunicação consciente com o DNA. Os pesquisadores Russos trabalham em um método que não depende destes fatores, mas que SEMPRE funcionará desde que se use a freqüência correta. Mas quanto mais desenvolvida for a consciência de um indivíduo, menos necessidade haverá para qualquer tipo de artifício! Pode-se conquistar estes resultados por si mesmo, e a ciência finalmente deixará de desprezar tais idéias, confirmará e explicará os resultados.
E isto não termina aí. Os cientistas Russos descobriram também que o nosso DNA pode causar padrões perturbadores no vácuo, produzindo assim buracos de minhoca magnetizados! Os buracos de minhoca são os equivalentes microscópicos das assim chamadas Pontes de Einstein-Rosen na vizinhança dos buracos negros (deixados pelas estrelas extintas). Estes são conexões subterrâneas entre áreas totalmente diferentes no universo através das quais a informação pode ser transmitida fora do espaço e do tempo. O DNA atrai estas unidades de informação e as passa para a nossa consciência. Este processo de hipercomunicação é mais eficaz em um estado de relaxamento. Stress, preocupações ou um intelecto hiperativo  impede que a hipercomunicação seja bem sucedida ou a informação será totalmente distorcida e inútil. Na natureza, a hipercomunicação foi aplicada com sucesso por milhões de anos. O organizado fluxo de vida nos reinos dos insetos prova isto dramaticamente.
O homem moderno conhece isto somente a um nível um pouco mais sutil, como “intuição”. Mas nós, também, podemos reconquistar o uso pleno disto. Um exemplo da Natureza: Quando uma formiga rainha está separada espacialmente de sua colônia, a formação ainda continua fervorosamente e de acordo com o plano. Se a rainha for morta, entretanto, todo o trabalho na colônia se interrompe. Nenhuma formiga sabe o que fazer. Aparentemente, a rainha envia os “planos de formação” também por via distante da consciência de grupo de seus assuntos. Ela poderá estar tão afastada quanto queira, contanto que esteja viva. No homem, a hipercomunicação é mais freqüentemente encontrada quando subitamente se conquista o acesso à informação que está fora da base do seu conhecimento. Tal hipercomunicação é então experienciada como inspiração ou intuição.
O compositor italiano Giuseppe Tartini, por exemplo, sonhou em uma noite que um demônio sentou-se ao lado da cama tocando o violino. Na manhã seguinte Tartini foi capaz de anotar a peça exatamente de memória, a qual ele chamou de Sonata do Trino do Demônio.
Durante anos, um enfermeiro de 42 anos sonhou com uma situação na qual ele estava conectado com um tipo de CD-Rom de conhecimento. O conhecimento verificável de todos os campos imagináveis foi então transmitido a ele que era capaz de se lembrar de tudo pela manhã. Houve tal fluxo de informação que parecia que toda uma enciclopédia era transmitida à noite. A maioria dos fatos eram exteriores ao seu conhecimento básico pessoal e alcançou detalhes técnicos dos quais ele não conhecia absolutamente nada.
Quando ocorre a hipercomunicação, pode-se observar no DNA, tanto quanto no ser humano, fenômenos especiais. Os cientistas Russos irradiaram amostras do DNA com raio laser. Era formado na tela um padrão de onda típica. Quando eles removeram a amostra do DNA, o padrão de onda não desapareceu, ele permaneceu. Muitos experimentos controlados mostraram que o padrão ainda vinha da amostra removida, cujo campo de energia permaneceu aparentemente por si mesmo. Este efeito é chamado agora de efeito ilusório do DNA. Supõe-se que a energia de fora do tempo e espaço flui ainda através dos buracos ativados depois que o DNA foi removido.
O efeito secundário encontrado muito freqüentemente na hipercomunicação também nos seres humanos são campos eletromagnéticos inexplicáveis na adjacência das pessoas interessadas. Os aparelhos eletrônicos como CD players e similares podem ser estimulados e parar de funcionar por horas. Quando o campo eletromagnético se dissipa vagarosamente, os aparelhos funcionam normalmente novamente. Muitos curadores e sensitivos conhecem este efeito de seu trabalho. Quanto melhor for a atmosfera e a energia, mais difícil será para o aparelho de gravação parar de funcionar e de gravar exatamente neste momento. E o ligar e desligar contínuo após a sessão não restaura ainda a função, mas na manhã seguinte tudo volta ao normal. Talvez isto seja tranqüilizador para muitos que lêem, como se isto não tivesse nada a ver com eles, sendo tecnicamente absurdo, o que significa que eles são bons na hipercomunicação.
Em seu livro Vernetzte Intelligenz (Transmissão de Inteligência), Grazyna Gosar e Franz Bludorf explicam estas conexões precisa e claramente. Os autores também citam fontes presumindo que a humanidade tenha estado, nos tempos primitivos, como os animais, intensamente conectada com a consciência de grupo, agindo como um grupo. Para desenvolvermos e experienciarmos a individualidade, nós humanos, entretanto, tínhamos que esquecer a hipercomunicação quase que completamente. Agora que estamos absolutamente estáveis em nossa consciência individual, podemos criar uma nova forma de consciência de grupo, na qual chegamos a acessar toda a informação por meio de nosso DNA, sem sermos forçados ou remotamente controlados sobre o que fazer com esta informação. Sabemos agora que assim como na Internet, o nosso DNA pode alimentar seus dados apropriados para a rede, podemos instruir dados da rede e podemos estabelecer contato com outros participantes da rede. A cura à distância, telepatia ou “sensibilidade à distância” sobre o estado de parentes, etc., pode assim ser explicada. Alguns animais sabem também à distância quando os seus donos planejam voltar para casa. Isto pode ser interpretado recentemente e explicado por meio de conceitos da consciência de grupo e da hipercomunicação.
Nenhuma consciência coletiva pode ser sensivelmente usada em qualquer período de tempo sem uma individualidade distinta. De outro modo, reverteríamos a um instinto de grupo primitivo que é facilmente manipulado. A hipercomunicação no novo milênio significa algo muito diferente.
Os pesquisadores acham que se os humanos com plena individualidade reconquistassem a consciência de grupo, eles teriam um poder divino para criar, alterar e formar coisas na Terra! (Eu estou muito satisfeito. Finalmente as normas do Universo são cientificamente explicadas!!!) E a humanidade está se movendo coletivamente em direção a uma consciência de grupo de novo tipo. Cinqüenta por cento das crianças de hoje serão crianças problema assim que forem para a escola. O sistema trata a todos globalmente e exige um ajuste. Mas a individualidade das crianças de hoje é tão forte que elas se recusam a este ajuste e desistem de suas idiossincrasias na maior parte dos modos diversos. Ao mesmo tempo nascem mais e mais crianças clarividentes (vejam o livro “Crianças Índigo da China”, por Paul Dong ou o capítulo sobre os Índigos em meu livro “Nutze die täglichen Wunder” (Façam Uso dos Milagres Diários - Baerbel Mohr).
Algo nestas crianças está se esforçando mais e mais em direção à consciência de grupo de um novo tipo, e isto não mais será eliminado. Como regra, o tempo, por exemplo, é mais difícil de influenciar por um simples indivíduo. Mas ele pode ser influenciado por uma consciência de grupo (nada de novo para algumas tribos que fazem isto em suas danças da chuva). O tempo é fortemente influenciado pelas freqüências da ressonância da Terra, as assim chamadas freqüências Schumann. Mas estas mesmas freqüências são também produzidas em nossos cérebros, e quando muitas pessoas sintonizam o seu pensamento, ou os indivíduos (os mestres espirituais, por exemplo), focalizam os seus pensamentos de um modo como o laser, então cientificamente falando, não é nada surpreendente que eles possam influenciar o tempo desta maneira.
Os pesquisadores da consciência de grupo formularam a teoria das civilizações do Tipo 1. Uma humanidade que desenvolveu uma consciência de grupo de um novo tipo não teria nem problemas ambientais nem carência de energia. Pois se ela fosse usar o seu poder mental como uma civilização unida, teria o controle das energias de seu planeta natal como uma conseqüência natural. E isto inclui todas as catástrofes naturais!!! Uma civilização teórica do Tipo 1 seria até capaz de controlar todas as energias de sua galáxia natal. Em meu livro “Nutze die täglichen Wunder”, eu descrevi um exemplo disto: Sempre que muitas pessoas focalizam a sua atenção ou consciência em algo semelhante, como a época do Natal, o campeonato mundial de futebol ou o funeral de Lady Di na Inglaterra, então determinados geradores de números ao acaso nos computadores começam a liberar números ordenados ao invés de números ao acaso. Uma consciência de grupo ordenada cria a ordem em todas as suas adjacências!!!
Quando um grande número de pessoas se reúne muito intimamente, os potenciais de violência também se dissolvem. Parece também, como se aqui fosse criado um tipo de consciência humanitária. Na Parada do Amor, por exemplo, onde a cada ano cerca de um milhão de jovens se reúnem, nunca houve quaisquer tumultos brutais, como eles ocorrem, por exemplo, nos eventos esportivos. Só o nome do evento não é visto como a causa aqui. O resultado de uma análise indicou que o número de pessoas era MUITO GRANDE para permitir uma indicação para a violência.
Retornando ao DNA: Aparentemente ele é também um supercondutor que pode funcionar na temperatura normal do corpo. Os supercondutores artificiais requerem extremamente temperaturas abaixo entre 200 e 140° C para funcionar. Como recentemente se aprendeu, todos os supercondutores são capazes de armazenar luz e assim, informação. Esta é uma informação adicional de como o DNA pode armazenar informação. Há um outro fenômeno ligado ao DNA e aos buracos. Normalmente estes buracos mínimos são intensamente instáveis e são mantidos somente por frações mínimas de um segundo. Sob certas condições (leiam sobre isto no livro citado de Fosar/Bludorf), buracos estáveis podem se organizar, os quais formam então domínios distintos do vácuo, nos quais, por exemplo, a gravidade pode se transformar em eletricidade. Os domínios do vácuo são bolas com brilho próprio de gás ionizado que contêm quantidades consideráveis de energia. Há regiões na Rússia onde tais bolas brilhantes aparecem muito freqüentemente. Seguindo a confusão resultante, os Russos começaram os programas maciços de pesquisa, que conduziram finalmente a algumas das descobertas mencionadas acima. Muitas pessoas conhecem os domínios do vácuo, como estrelas brilhantes no céu. Com o olhar atento nelas eles imaginam e se perguntam o que elas poderiam ser. Eu pensei uma vez: “Olá, aí em cima. Se acontecer de vocês serem discos voadores, voem em um triângulo”.E subitamente, as bolas de luz se moveram em um triângulo. Oh, elas se projetaram pelo céu como discos de hóquei sobre o gelo. Isto foi feito simploriamente e eu tenho, como muitos outros, também, pensado neles como discos voadores. Amistosos, aparentemente, já que eles voaram em triângulos apenas para me agradar.
Agora os Russos acharam nas regiões, onde os domínios do vácuo aparecem freqüentemente e que algumas vezes voam como bolas de luz do chão para o céu acima, que estas bolas podem ser guiadas pelo pensamento. Descobriu-se desde então, que os domínios do vácuo emitem ondas de baixa freqüência enquanto eles são também produzidos em nossos cérebros. E devido a esta similaridade de ondas, eles são capazes de reagir aos nossos pensamentos. Entrar ansiosamente em um que esteja ao nível do solo poderia não ser uma grande idéia, porque estas bolas de luz podem conter energias imensas e serem capazes de produzir mutações em nossos genes. Elas podem, e não necessariamente têm que, tem que se dizer. Pois muitos professores espirituais produzem também tais bolas ou colunas de luz visíveis na meditação profunda ou durante o trabalho de energia que estimulam decididamente sentimentos agradáveis e não causam qualquer prejuízo. Aparentemente isto depende também de algum comando interno e da qualidade e da origem do domínio do vácuo. Há alguns professores espirituais (o jovem inglês Ananda, por exemplo), com quem nada é visto primeiro, mas quando se tenta tirar uma fotografia enquanto ele se senta, fala ou medita na hipercomunicação, se consegue somente uma foto de uma névoa branca em uma cadeira. Em alguns projetos de cura na Terra, tais efeitos de luz aparecem também nas fotografias. Simplesmente exposto, estes fenômenos têm a ver com as forças da gravidade e da antigravidade que estão também exatamente descritas no livro, e com os sempre estáveis buracos e a hipercomunicação, e assim com as energias fora de nossa estrutura de tempo e espaço.
As gerações anteriores que entraram em contato com tais experiências de hipercomunicação e com os domínios visíveis do vácuo estavam convencidas de que um anjo tinha aparecido diante delas. E não podemos estar muito seguros a que formas de consciência nós podemos conseguir o acesso quando usamos a hipercomunicação.
Não ter provas científicas para a sua verdadeira existência (as pessoas que têm tido tais experiências, NÂO são todas que sofrem de alucinações), não significa que não haja uma base metafísica para isto. Nós temos simplesmente dado outro passo gigantesco em direção à compreensão de nossa realidade. A  ciência oficial também conhece as anomalias da gravidade na Terra (que contribuem para a formação dos domínios do vácuo), mas somente daqueles abaixo de um por cento. Mas recentemente as anomalias da gravidade foram encontradas entre três a quatro por cento. Um destes lugares é Rocca di Papa, sul de Roma (local exato no livro Vernetzte Intelligenz mais vários outros). Objetos redondos de todos os tipos, desde bolas até ônibus lotados rolam em direção acima. Mas o alcance em Rocca di Papa é um tanto pequeno, e se opondo abertamente a isto os céticos lógicos ainda escapam para a teoria da ilusão ótica (a qual não pode ser, por causa das várias características do local).
Todas as informações são do livro  “Vernetzte Intelligenz”  von Grazyna Fosar und Franz Bludorf ISBN 3930243237, resumidos e comentados aqui por Baerbel Mohr. O livro infelizmente somente está disponível em Alemão até agora. Podem se conectar com os autores aqui:
    http://www.fosar-bludorf.com                  mail@fosar-bludorf.com

“A Grade e o DNA”  Kryon
Tradução: Regina Drumond reginamadrumond@yahoo.com.br 
Revisão:  Silvia Tognato Magini silvia.tm@uol.com.br
http://www.novasenergias.net/artigos/baerbelmohr1

terça-feira, 18 de junho de 2013

domingo, 24 de março de 2013

WARP DRIVE


MOTOR DE DOBRA

Por: Luciano Infanti de Paula

Em 05/01/2013

 

Recentemente a notícia de que a NASA iniciará testes com motores de dobra, objetos oriundos da ficção científica que possibilitam viagens superluminais, surgiu na internet e junto com ela, muitas dúvidas em relação a esse conceito. Procuraremos aqui esclarecer a notícia assim como os conceitos da dobra espacial.

Como os motores de dobra e todos os conceitos que os cercam são frutos da literatura pseudocientífica é natural que estejam cobertos de especulação. Contudo nem tudo a cerca deles é falso. Existem pesquisas importantes e reveladoras sobre a física que permite o funcionamento de tais equipamentos.

 

Warp Drive: a física da Dobra Espacial

A relatividade especial é uma belíssima teoria, mas ela trás consigo algo que não pode ser ignorado: ela estabelece um limite universal de velocidade. Nada pode passar da velocidade da luz. Esse limite se aplica a tudo que esteja presente no universo, inclusive nossas atuais (e futuras) naves e sondas. Essa limitação frustrante tornou-se razão primária para a criação de inúmeras teorias que buscam permitir viagens à velocidade superluminal, ou, ao menos, permitir que viagens interestelares se tornem viáveis.. É sob esse contexto que surge a dobra espacial, ou warp drive. Ela é uma teoria que fornece o mecanismo teórico para uma propulsão capaz de superar o limite imposto pela relatividade especial.

Leia também:

·         Usina nuclear como que funciona?

·         O que é antimatéria?

·         Entenda as estrelas

Contudo a dobra espacial não uma teoria qualquer. Ela é elegante, simples e estudos recentes levantaram a possibilidade dela ser mais real do que previamente imaginávamos. Mas afinal, o que é a dobra espacial? Ela é um mecanismo teórico de propulsão gerado por um equipamento (conhecido como motor de dobra) que fica instalado em uma espaçonave e destorce o espaço-tempo “empurre” a espaçonave para frente. Além disso, uma região especial conhecida como bolha de dobra é criada. Nessa bolha as características normais do espaço-tempo são preservadas. Assim, a teoria da dobra espacial prevê que uma manipulação estratégica do espaço-tempo é capaz de propulsionar objetos sem os paradoxos usuais.

A distorção do espaço-tempo necessária para criar a dobra também é crítica para o funcionamento do mecanismo. Não basta apenas entortar o espaço-tempo de forma aleatória em volta da espaçonave. É necessário que o espaço-tempo logo à frente da espaçonave seja contraído (ou abaixado) enquanto o espaço-tempo atrás da espaçonave deve ser esticado (ou levantado). Nesse cenário a espaçonave está para o espaço-tempo assim como um surfista está para uma onda. Dessa forma a espaçonave “surfa” em uma onda de espaço-tempo. Contudo um ponto importante deve ser notado. A espaçonave, apesar de se encontrar em uma espécie de onda, ainda está parada em um pedaço de espaço-tempo “plano” que é a bolha de dobra.

Os modelos matemáticos desenvolvidos para abordar a teoria da dobra espacial provam que, apesar de se mover a velocidades maiores que a da luz, a espaçonave não teria nenhum problema em relação à medição de tempo, pois o tempo dentro da bolha é equivalente ao tempo de um observador estacionário fora da bolha. Assim paradoxos temporais são evitados. Esse resultado surge naturalmente nas estruturas matemáticas que regem a propulsão de dobra espacial. Então, apesar dos enormes problemas de engenharia que teriam que ser obrigatoriamente enfrentados para a criação de um motor de dobra bem sucedido, os problemas físicos e matemáticos parece que podem ser resolvidos com relativa facilidade.

O mecanismo de propulsão da dobra espacial é também conhecido como propulsão de Alcubierre. Em 1994 o físico mexicano Miguel Alcubierre propôs um modelo matemático para a dobra espacial que hoje é conhecida como métrica de Alcubierre. Com esse modelo, Alcubierre mostrou pela primeira vez os conceitos físicos e matemáticos da dobra espacial, abrindo espaço para que outros trabalhos surgissem. Contudo em seus trabalhos a conclusão é de que um motor de dobra é impraticável devido a quantidade de energia que deveria ser expendida na realização da dobra em si. Isso fez com que muitas pessoas abandonassem a ideia do motor de dobra e partissem para outras teorias.

Recentemente o Dr. Harold “Sonny” White, chefe do Tema de Propulsão Avançada do Engineering Directorate da NASA, justamente com sua equipe foi capaz de encontrar uma nova solução matemática para a dobra espacial. Essa solução mostrou que o consumo de energia necessário para realizar a dobra é muito menor do que anteriormente postulado. Assim, o Dr. White atraiu atenção da NASA, que iniciará estudos sobre a criação de um possível motor de dobra. Os testes já começaram a ser realizados. Eles iniciaram um teste com interferômetro que tentará gerar e detectar uma instância microscópica de uma pequena bolha de dobra. Nas palavras do Dr. White “ Talvez uma experiência Star Trek antes de nós morrermos não seja uma possibilidade remota ”.

 

sábado, 27 de outubro de 2012

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

DNA - ONDA





DNA-Onda (DNA-Wave)

 


 

O DNA biocomputador Wave-por Peter P. Gariaev *, Boris I. Birshtein *, Alexander M. Iarochenko *, Peter J. Marcer **, George G. Tertishny *, Katherine A. Leonova *, Uwe *** Kaempf.

* Instituto de Controle de Ciências da Academia Russa de Ciências, Moscou, Rússia gariaev@aha.ru, http://www.aha.ru/ ~ Gariaev, e Wave Genetics Inc. 87 Scollard Street, Toronto, Ontário, Canadá, M5R 1G4,  gariaev@wavegenetics.com, ** 53 Old Vicarage Verde, Keynsham, Bristol, BS31 2DH, Reino Unido, petermarcer@aikido.freeserve.co.uk,


Institut f ***. Klinische,  Diagnostische und Differentielle Psychologie-Am Falkenbrunnen - D-01062 TU Dresden, Dresden, Alemanha, uwe@psy1.psych.tu-dresden.de

Resumo
Este artigo relata o trabalho experimental realizado em Moscou, no Instituto de Ciências de Controle, Wave Genética Inc. e trabalhos teóricos de várias fontes. Este trabalho muda a noção sobre o código genético essencialmente. Ele afirma:-

1) Que a evolução da biossistemas criou genéticos "textos", semelhantes aos textos contexto natural dependentes em línguas humanas, moldando o texto desses padrões de fala como.


2) que o aparelho cromossomo age simultaneamente como uma fonte e receptor de textos genéticos, respectivamente de descodificação e codificá-los, e


3) Que o continuum cromossoma de organismos multicelulares é análogo a um estático-dinâmico multiplex grade espaço-tempo holográfico, que compreende o espaço de tempo de um organismo numa forma convoluta .
Ou seja, a acção do ADN, e que a teoria prevê experiência confirma,
i) é o de um "gene de sessão" laser e suas solitonic electro-acústicos campos, de modo que o gene biocomputador "lê e compreende textos" de um modo semelhante ao pensamento humano, mas em seu próprio nível genómico de "raciocínio". Ela afirma que os textos naturais humanos (independentemente da linguagem utilizada) e genéticos "textos" têm características semelhantes matemático-estatística linguísticas e entrópica, onde dizem respeito à fractalidade da distribuição da densidade de freqüência nos textos de caráter naturais e genéticos, e onde em caso de "textos genéticos", os personagens são identificados com os nucleotídeos, e ii) que as moléculas de DNA, concebida como um continuum gene sinal de qualquer biossistema, são capazes de formar holográficas pré-imagens de biostructures e do organismo como um todo, como um registro de dinâmicas "cópias onda" ou "matrizes", sucedendo o outro Este continuum é a medição, calibração de campo para a construção de seu biossistema..

Palavras-chave: DNA, onda biocomputador, código genético, a linguagem humana, quantum holografia . . 1 O que a teoria prevê. 1.1 Introdução. Como essa nova teoria tomar forma o principal problema da criação do código genético, como visto em todas as abordagens [Gariaev 1994; Fatmi et al 1990; Perez 1991:?. Clement et al, 1993;. Marcer, Schempp 1996; Patel, 2000] foi de explicar o mecanismo por meio do qual um terceiro nucleótido que codifica um tripleto, é seleccionada para compreender, que tipo de mecanismo resolve este problema geralmente linguística de remover indefinição homónimo,. é necessário, em primeiro lugar para um mecanismo postulado para as orientações contexto de onda de ribossomas, a fim de resolver o problema de uma selecção exacta de ácido amino durante a síntese de proteínas [Maslow, Gariaev 1994]. Isto requer que alguma função intermediário geral informativo com uma muito pequena capacidade, dentro do processo de convolução versus desenvolvimento de sinal padrões reguladores do genoma-biocomputador endógenos campos físicos. Ele levar à conceituação de memória do genoma associativo-holográfica e sua não-localidade quântica. Estes pressupostos produzir um aparelho cromossomo e onda rápida genética canais de informação de ligação nos cromossomas das células separadas de um organismo de um contínuo integral, funcionando como o biocomputador, em que um dos tipos de campo produzidos pelos cromossomas, são as suas radiações. Esta capacidade postulado de tais "radiações laser" de cromossomas e ADN , como será mostrado, já foi demonstrado experimentalmente, em Moscou, pelo Grupo Gariaev. Assim, parece que as noções aceitas sobre o código genético deve mudar fundamentalmente e, ao fazê-lo não será apenas ser possível criar e entender o DNA como um biocomputador onda, mas a ganhar com a natureza de uma compreensão mais fundamental do que a informação [Marcer na imprensa] é realmente! Para experiências do Grupo Gariaev em Moscou e Toronto dizer que a compreensão atual de informação genômica ou seja, o código genético, é apenas a metade história [Marcer este volume]. 1.2 O que experiência confirma, uma parte. Estes onda aborda todos exigem que a propriedade fundamental do aparelho cromossomo é a não-localidade da informação genética. Nos não-localidade, em particular quântica / teletransporte no âmbito de conceitos introduzidos por Einstein, Podolsky e Rosen (EPR) [Sudbery 1997; Bouwmeester et al.1997]. Este não-localidade quântica tem agora, com o trabalho experimental do Grupo Gariaev, esteve diretamente relacionada com (i) a radiações laser de cromossomos, (ii) a capacidade do cromossoma para girar o plano de polarização da radiação e por sua própria fotões oclusas e (iii) com a capacidade de suspeita de cromossomas, para transformar os seus próprios radiações genético-sinal de laser de banda larga em ondas genético-sinal de rádio. Neste último caso, as polarizações dos fótons do laser de cromossomos estão ligados não-localmente e de forma coerente para polarizações de ondas de rádio. Parcialmente, isso foi provado durante as experiências in vitro, quando as preparações de DNA interagindo com um feixe de laser (= 632,8 nm), organizado de uma certa maneira, polarizar e converter o feixe simultaneamente em uma gama de radiofrequência Nestas experiências, um outro fenómeno extremamente relevante foi detectado:.. fotões modulados, dentro de sua polarização por moléculas de DNA a preparação Estas encontram-se a ser localizada (ou "gravado"), sob a forma . de um sistema de espelhos heterogeneidades de laser 'Além disso, este sinal pode ser "lidas", sem qualquer perda essencial da informação (como a teoria prevê [Gariaev 1994; Marcer, Schempp 1996]), sob a forma de isomorphously (em relação ao fótons) ondas de rádio polarizadas. tanto da pesquisa teórica e experimental sobre a condição complicada de fótons localizadas, portanto, testemunha em favor dessas proposições. Estes pesquisa independente abordagens também levar ao postulado, que as fases líquidas cristalinas do aparelho cromossomo (o espelho do laser análogos) pode ser considerada como um ambiente fractal para armazenar os fotões localizadas, de modo a criar uma continuidade coerente de quantum-não-localmente distribuído polarizada rádio informação genómica onda. Em certa medida, isto corresponde com a ideia de não-localidade quântico do genoma, . postulado anterior, ou para ser mais preciso, com uma variação dela Essa variação diz que a informação genética do DNA onda, gravado dentro as polarizações dos fótons conectados, sendo quântica não-local, constitui um espectro de ondas de rádio de banda larga correlacionados - por meio de polarizações -. os fotões Aqui, o canal de informação principal, pelo menos no que se refere ao ADN, é o parâmetro de polarização, que é não-local e é o mesmo para ambos os fotões e as ondas de rádio é uma característica, que theFourier-imagem. os espectros de rádio é dinâmico, dependendo essencialmente do tipo de matéria interrogado. Ele pode, pois, ser afirmado, que este fenómeno diz respeito a um novo tipo de um computador (e biocomputador) de memória, e também um novo tipo de EPR espectroscopia, a saber, um fotão caracterizam-laser-radiowave polarização noção spectroscopy.The fundamental é que as características de fótons de laser de onda de rádio de diferentes objetos (ou seja, o espectro de Fourier de as ondas de rádio de cristais, água, metais, DNA, etc) são armazenados por vezes definitivas mas variando por meio de espelhos de laser, de tal forma que o "espelho espectros" atratores caóticos preocupação com um complexo dinâmico dinâmica fractal, recorrentes no tempo. Os experimentos do grupo Gariaev são, portanto, não só única em si mesmos, são um primeiro exemplo, que um romance de armazenamento estática / ambiente de gravação (espelhos laser) existe, capaz de gravar diretamente o espaço-tempo atômica / molecular comportamento dinâmico rotativo de objetos. ainda os fenômenos, detectados por estes experimentos descritos na segunda parte, estabelecer a existência de um tipo essencialmente novo de sinal de rádio , em que a informação é codificada por polarizações dos vectores electromagnéticos. Isto irá ser a base de um novo tipo de gravação de vídeo, e vai criar uma nova forma de cinema também. pesquisa experimental adicional revelou a alta actividade (genético) biológico de tais ondas de rádio, quando gerados sob as condições apropriadas de DNA. Por exemplo, por meio de tais radiações de DNA produzidos artificialmente, o crescimento rápido super de batata (de até 1 cm por dia) foi conseguida, em conjunto com as alterações drásticas de morfogénese resultando a formação de tubérculos pequenos não sobre porta-enxertos, mas em hastes. As radiações mesmos também acabou por ser capaz de causar um aumento estatisticamente autêntico "ressuscitação" de sementes mortas da planta Arabidopsis thaliana, que foram tomadas a partir da área de Chernobyl em 1987. Em contraste , o controlo das irradiações por ondas de rádio polarizadas, que não transportam informação a partir do ADN, é observada como sendo biologicamente inactivas. Nesta sequência de experiências, evidência adicional foi também obtido a favor da possibilidade de existência de informação genética em forma de a polarização de um campo de ondas de rádio física. Isso apóia a suposição de que o canal de informação principal nesses experimentos é as modulações biosign de polarizações mediadas por alguma versão da não-localidade quântica. Um fato bem conhecido pode, portanto, ser visto com uma nova luz, ou seja, , que as informações biomacromoléculas - DNA, RNA e proteínas - ter uma capacidade de dispersão outspoken rotatório óptico da luz visível e de dicroísmo circular Da mesma forma, os componentes de baixo peso molecular de biossistemas, tais como sacáridos, nucleótidos, aminoácidos, porfirinas e biosubstances outros. têm a mesma capacidade;. uma capacidade, que até agora fazia sentido biológico pouco Agora, no entanto, ele suporta, a afirmação de que este fenômeno recém-detectados de quantizada atividade óptica pode ser considerada como o meio pelo qual o organismo obtém informação ilimitada por conta própria metabolismo. Isto é, tal informação é lida por radiações de laser endógenos de cromossomas, as quais, por sua vez, produzem a emissão de rádio regulador ("semântica") do genoma biocomputador. Além disso, a aparente inconsistência entre os comprimentos de onda da radiação, bem como às tamanhos de microrganismos, células e estruturas subcell é anulada, uma vez que as ressonâncias semânticas no espaço do biosystems 'não são realizados no nível de comprimento de onda, mas a nível das frequências e ângulos de torção dos modos de polarização. Este mecanismo é a base para o vitro-in laser de ondas de rádio artificial vivo digitalização do organismo e seus componentes. entanto, não-localidade quântica cromossomo como um fenômeno da informação genética é visto como particularmente importante nos organismos multicelulares e como aplicar em vários níveis. O nível 1-st é que o organismo como um todo. Aqui não-localidade é reflectido na capacidade de regeneração, de tal modo que nenhuma parte do corpo recria todo o organismo, como, por exemplo, no caso de o Planaria verme. Ou seja, qualquer local de limitação da informação genética para qualquer parte de um biossistema está totalmente ausente. As mesmas preocupações a reprodução vegetativa de plantas. O nível 2 é ao nível celular. Aqui, é possível cultivar um organismo inteiro a partir de uma única célula. No entanto, com evoluída animais biossistemas, este será um assunto complexo. O nível 3 é o nível celular nuclear. A enucleação dos núcleos de células somáticas e sexuais e da introdução subsequente neles de outros núcleos não impeça o desenvolvimento de um organismo normal. Clonagem de deste tipo já foi realizado em maior de biossistemas, por exemplo, ovelhas. O nível 4 é o nível molecular: aqui, o ribossoma "lia" mRNA não só sobre os codões diferentes, mas também de um modo geral e, em consideração do contexto . O nível 5 é o cromossoma holográfico:. a este nível, um gene tem uma memória holográfica, a qual é normalmente distribuída, associativa, e não local, em que os hologramas "são lidos" por campos electromagnéticos ou acústicos Estes carregam o gene de onda . informação para fora para além dos limites da estrutura dos cromossomas Assim, a níveis deste e subsequente, a não-localidade leva sobre a sua natureza de material de onda dual, como também pode ser verdadeiro para a memória holográfica do córtex cerebral [Pribram 1991; Schempp 1992; 1993 , Marcer, Schempp 1997; 1998] . O nível 6 se refere a não-localidade quântica do genoma até o nível 6, a não-localidade da bio-informação é realizado no espaço de um organismo O nível 6, no entanto, uma natureza especial;. não só porque é realizada a um nível quântico, mas também porque ele funciona tanto em todo o espaço de um biossistema e num período de tempo de biossistemas próprio. Os bilhões de células de um organismo, por conseguinte, "sabem" sobre o outro instantaneamente, permitindo que o conjunto da célula é de regular e coordenar o seu metabolismo e suas próprias funções. Assim, não-localidade pode ser postulada a ser o fator chave que explica a realização surpreendente evolutiva de biossistemas multicelular. Este fator diz que os eventos de bioinformática, podem ser instantaneamente coordenado, a ter lugar "aqui e ali simultaneamente ", e que, em tais situações, o conceito de" causa e efeito "perde qualquer sentido. Isto é de grande importância! A difusão intercelular de substâncias de sinal e dos processos nervosos é demasiado inercial para esta finalidade. Mesmo que se admita intercelulares que as transmissões ocorrem eletro-magneticamente em velocidades de luz, este ainda seria insuficiente para explicar como altamente evoluída, altamente complexo trabalho de biossistemas em tempo real [Gariaev 1994; Ho 1993]. Os aparelhos de não-localidade quântica e holografia está em vista dos autores , indispensável para uma explicação adequada de tempo real, tais trabalho. O nível 6, portanto, diz, os genes podem atuar como objetos quânticos, e que, é o fenômeno da non-locality/teleportation quântica, que assegura a coerência de super do organismo, informação super redundância, super conhecimento, a coesão e, como uma totalidade ou na totalidade, integridade do organismo (viabilidade). Na verdade, pode-se dizer que essa nova compreensão da biocomputadores, constitui mais um passo em um desenvolvimento da tecnologia informática em geral. Uma compreensão que vai trazer uma mudança total da base constituinte de que a tecnologia, na história do analógico> para> digital> a> agora, o computador onda figurativa semântica (não-local) ou biocomputador. Este biocomputador será baseado em uma nova compreensão das formas superiores da memória de DNA, e o aparelho de cromossomas, tal como a gravação, storaging, transdução e transmissão de sistema de informação genética, que devem ser considerados simultaneamente, tanto a nível de matéria e ao nível dos campos físicos. Os campos último, depois de ter sido apenas estudados, como mostrou experimentalmente nesta pesquisa, são portadores de genética e informações gerais sobre o regulador, operando em um continuum de moléculas genéticas (DNA, RNA, proteínas, etc.) Aqui, os tipos previamente desconhecida de memória (soliton, holográfico, polarização) e também a molécula de DNA, funcionar tanto como biolasers e como um meio de gravação para estes sinais de laser. O código genético, considerado a partir de um tal ponto de vista, será essencialmente diferente de hoje é geralmente aceite mas modelo incompleto. Isto, o modelo de onda biocomputador afirma, só começa a explicar o aparelho de biossíntese de proteínas de organismos vivos, fornecendo uma interpretação importante para as fases iniciais dentro desta nova cadeia compósito proposto hierárquica de material e de campo, sinal, holográfica, semiótico-semântico e, no caso geral, de codificação figurativa e funções cromossomo decifrar. Aqui as moléculas de DNA, concebida como um continuum gene sinal de qualquer biossistema, são capazes de formar pré-imagens de biostructures e do organismo como um todo, como um registro de dinâmicas "cópias" ou "onda matrizes ", sucedendo o outro. Este contínuo é a medição, a calibração de campo para a construção de qualquer biossistema. 1,3 Características do modelo de onda Adleman [1994], por exemplo, tem utilizado o mecanismo para rápida e precisa do reconhecimento mútuo entre o DNA anti-paralelos meias cadeias de resolver o " o problema do caixeiro viajante de ". No entanto, no modelo de ondas de biossistemas, este é apenas um aspecto do lugar obtenção auto-organização. Por aqui, como a evidência experimental confirma agora, o reconhecimento mútuo de uma cadeia de DNA meia anti paralelo (+) por outro (-),diz respeito super especial persistentes / ressonância acústica-ondas eletromagnéticas ou sólitons. Sólitons DNA tais têm dois tipos de memória conectados. O primeiro é típica do fenómeno descoberto por Fermi-Massa-Ulam (FPU) [Fermi, 1972]. Trata-se da capacidade de sistemas não-lineares para lembrar modos iniciais de energização e repetir periodicamente os [Dubois 1992]. Os cristais líquidos de ADN no interior da estrutura dos cromossomas formar um tal sistema não-linear. A segunda é que o DNA-contínuo de um organismo. Tal memória é um aspecto de não-localidade do genoma. É quasi-holographic/fractal, e refere-se, como é o caso de qualquer holograma ou fractal, à propriedade fundamental de biossistemas ou seja, para a sua capacidade para restaurar a totalidade de uma peça. Esta propriedade é bem conhecido (enxerto de plantas, regeneração da cauda de um lagarto, a regeneração de um organismo inteiro do oócito). E uma forma superior de uma memória biológica seria uma memória (associativa) holográfica do córtex cerebral, ou seja, da rede neural [Pribram 1991; Schempp 1992; Marcer Schempp 1997, 1998; Sutherland 1999]. Codificação de sinal tal onda / decodificação, portanto, como a habilidade de DNA para resolver "o problema do caixeiro viajante de", é, pode-se supor, uma parte integrante da biofuncionalidade computacional do DNA. Com efeito ondas solitárias (solitons ADN) e, em particular, as ondas de nucleótidos de rotação oscilatório, "ler" os padrões do genoma do sinal, de modo que a dinâmica de sinal tais vibratórios podem ser considerados como um dos muitos genómicos não lineares dinâmicos processos semióticos. A expressão "textos do DNA", emprestado anteriormente como uma metáfora dos lingüistas, é ele sair, portanto, diretamente relacionado com a fala humana real. Porque, como matemático-lingüístico pesquisa em DNA e padrões de fala humanos textuais, shows [Maslow, Gariaev 1994] o parâmetro-chave de ambos os tais padrões é fractalidade. Portanto, pode-se supor que a gramática dos textos genéticos é um caso especial da gramática geral de todas as línguas humanas. Voltando, no entanto, a computação baseada em DNA funções questão onda sinal com vista à realização a sua onda de codificação das capacidades, como aqueles utilizados por Adleman distinta, o que pode ser denominado suas capacidades de matéria. Tais capacidades de onda de controlo verdadeiras do DNA ou cromossomas são isto é, se a hipótese de, nessas condições que se aplicam no interior da célula viva, em uma solução aquosa, mas o que corresponde a uma condição de cristal líquido também. Por sob tais condições, nas circunstâncias específicas da divisão celular, a célula viva tem a capacidade de se replicar, e tem a propriedade de que, em relação a um auto-replicante autómato, von Neumann [1966] chamou de "construção computador universal", de modo que podemos dizer que a célula viva é tal computador baseado em DNA [Marcer Schempp 1997a]. Enquanto a clonagem artificial de uma única célula ainda não é viável, o que temos sido capazes a fazer, é para gravar a informação do DNA de onda adequado, a estas condições de onda do sinal de DNA numa célula de espelhos de laser, e de utilizar, por exemplo, a informação gravada DNA de onda a partir de sementes vivas sob a forma de ondas de rádio para reanimar os correspondentes "mortas" sementes danificadas por radioactividade. O próximo passo é, por conseguinte, pôr em uso geral, a informação de onda, tais como memória e agora recentemente identificado em relação ao DNA e estrutura do gene. Tais aplicações podem ser, com base, por exemplo, i) O fenómeno FPU de recidiva, e / ou, ii) a capacidade de gravar hologramas, bem como, iii) A gravação de informação no DNA de polarização da onda do sobre fótons localizadas. Relativamente volume e velocidade, tal memória pode ultrapassar muitas vezes ao longo dos discos agora disponíveis magnéticos e ópticos, bem como os actuais sistemas clássicos holográficas. Mas, em particular, tais aplicações podem empregar os princípios da não-localidade quântica. Por DNA do genoma e foram agora identificados como activos "laser", como os ambientes, em que, como mostrado experimentalmente, preparações cromossómicas pode agir como uma memória e como "lasers", com as capacidades de i), ii) e iii) acima. E finalmente, há os recursos de voz quasi-do DNA, uma vez que estas dizem respeito tanto naturais textos de genes e artificiais seqüências (sintetizada) sinal de polinucleotídeos, que emulam naturais programas de fala quase-gene. entanto, acreditamos que este talvez um caminho bastante perigoso, onde um sistema de regulação de genes proibições de ondas artificiais é indispensável. A razão é que tal abordagem ao DNA onda Biocomputação significa entrar em novas áreas semióticos do genoma humano e da biosfera em geral;. áreas, que são usados ​​pela natureza para criar a humanidade Este pensamento segue a partir dos estudos teóricos sobre uma simetria coletiva do código genético como realizado pelo laboratório da Eigen [Scherbak, 1988] no Instituto Max Planck, na Alemanha. Isso mostra a pesquisa, que a parte fundamental da informação, já gravou e ainda está sendo gravado como quase-discurso nos cromossomos de todos os organismos em nosso planeta, pode dizer respeito a semântica influências exobiológica, uma vez que no que diz respeito ao ADN de onda Biocomputação, ADN actua como um tipo de abertura da antena para a recepção de não só as influências internas e modificações dentro do organismo, mas para aqueles que estão fora também. Realmente consideramos este é um dos nossos resultados preliminares, que, na opinião do quantum não-localidade de organismos estende-se não só ao ambiente local do organismo, mas também para além dela para a extensão de todo o universo. Com referência ao que se disse já, é possível oferecer as seguintes perspectivas sobre as manipulações sinal com estruturas genéticas. 1.Creation de memória artificial em moléculas genéticas, que de fato possuem tanto o volume fantástico e velocidade. 2.Creation de biocomputadores, com base nestes princípios totalmente novas de DNA onda Biocomputação, que o uso teletransporte quântico [Sudbury 1997] e pode ser comparado ao cérebro humano em relação aos métodos de processamento de dados e as capacidades funcionais. 3.A implementação de um controlo remoto de processos-chave de informação dentro de biossistemas por meio de tais biocomputadores artificiais, o que resulta em tratamentos para câncer, AIDS, deformidades genéticas, o controle sobre os processos sócio-genéticas e, eventualmente, prolongamento do tempo de vida humana. proteção contra os efeitos de ondas 4.Active destrutivos, graças a detectores de ondas-informação do canal. 5.Establishing contatos exobiológica. 2. Que experiência confirma , a segunda parte, os experimentos Alguns dos experimentos e simulações de computador realizadas em Moscou são agora descritos. Eles partiram com mais detalhes como o entendimento nas seções 1. foi determinado. Estas descrições dizem respeito a aparelhos específicos utilizados e os resultados obtidos, juntamente com as simulações de computador realizado para validar aspectos específicos do desenvolvimento de compreensão, Photograph 1. Esta primeira imagem mostra uma fotografia da montagem experimental. Os elementos principais são um laser, cuja luz é dirigida através de um sistema de lentes, e uma amostra de ADN sanduíche como mostrado esquematicamente abaixo Diagrama 1. Ilustra o funcionamento do ensaio, que emprega um sistema de espalhamento dinâmico da luz Malvern tipo. Este entendimento é então comparado na secção 3, com um potencial de forma totalmente independente pesquisado obtido por Marcer e Schempp [1996]. Isto mostra o espalhamento por a amostra de ADN da luz do laser, o qual é depois guiado através de um outro sistema de lente para dentro do dispositivo analisando tipo Malvern, que conta os fotões registadas em diferentes seriais channels.The resultados de duas experiências estão indicados no fim do papel: o primeiro, intitulado "Fundo - espaço vazio", feito sem uma amostra de DNA, e o segundo, com o no lugar, com o título "DNA físico em SSC Solution". Este último tem a forma típica de um padrão reoccurring periodicamente, que é da mesma tipo funcional como os encontrados em uma autocorrelação. Tais padrões periódicos que ocorrem regularmente têm uma interpretação em termos do fenômeno da chamada recorrência de Fermi-Pasta-Ulam, que diz respeito ondas solitonic. Ou seja, essa interpretação afirma que a grosso modo, o DNA, considerada como um estado de cristal líquido do tipo gel, atua sobre a luz que entra na forma de uma estrutura de Fermi-Massa-Ulam solitonic, como ilustrado aqui: *** A questão principal, se este for o caso, o que é tal acção poderia alcançar? A ideia inicial era de que ele deve estar preocupado com a leitura de textos genéticas codificadas no ADN, no entanto, onde a metáfora idioma é agora aplicado directamente a estes textos. Ou seja, em vez da habitual analogia tomando textos como uma linguagem de computador digital ou código de instrução simbólica, textos tais são considerados como tendo, em vez das características semânticas e generativo gramaticais de uma escrita ou falada contexto linguagem humana dependente. Isto é, nós concebido do DNA actuar da mesma maneira como o humano faria, quando apresentados com um texto de um bom livro sobre um tema fascinante, que, como se lê, invoca reais 3 imagens tridimensionais / imagens no olho da mente. A razão para esta escolha em causa o problema no DNA que codifica levantada pelo questão de sinonímia e homonímia como ele se aplica ao terceiro elemento / códon dos trigêmeos códon. Por enquanto, veja a figura abaixo, sinonímia até parece fornecer um tipo de redundância, homonímia constitui uma dificuldade grave, conforme a proposta, muitas vezes postulado de que apenas o primeiro dois elementos do trio códon de DNA (em pé para uma determinada imagem proteína-o no olho da mente, por assim dizer) são os mais significativos. Ou seja, como o ribossomo lê sabe que a proteína tem de ser gerada, se o nucleotídeo terceiro trio códon de não de si mesmo dar a resposta com total certeza da resposta proposta era que essa ambigüidade pode ser resolvida por algum tipo de leitura dependente do contexto semelhante ao inerente a fala humana e compreensão da linguagem?. Figura: Sinonímia contra homonímia satisfatoriamente, esta necessidade de explicar como leitura dependente do contexto tal pode ser implementado no DNA processo reduplicação / leitura, como será mostrado, conduzido de volta para a evidência experimental, tal como apresentado acima, para que suporta o postulado de que a leitura desse contexto dependente do O DNA é na verdade melhor compreendida no contexto de um modelo de processo biosolitonic. soliton A é um trem de ondas ultra-estável, muitas vezes com um formato simples seemly fechado, que pode surgir no contexto de oscilações não-lineares de onda. Ela consiste na realidade de uma vez complexamente montagem de estruturas interligadas onda sub, que mantêm o processo inteiro solitonic em estado estacionário ao longo de um período de tempo relativamente longo. Na literatura, um soliton é frequentemente descrita como uma entidade, que não é nem uma partícula nem uma onda em muito da mesma maneira como é um quantum, por isso, também tem de onda / dualidade partícula. Ele também pode ser um meio para transportar a informação. Solitonic processamento em DNA, por conseguinte, se a hipótese de, se relacionam, em um dos seus aspectos, a leitura dos codões, para a computação quântica [Patel 2000], e isso poderia, portanto, diz respeito ao soliton visto como o de viajar "janela", que abre na estrutura de dupla hélice como a leitura tem lugar, como é ilustrado abaixo: Assim, foi decidido para modelar este processo de leitura como um oscilador mecânico complexo [Gariaev 1994], capaz de produzir transmissões de onda solitonic, que toma a forma de umsistema de pêndulos rotativos, como os de um certo tipo de relógio de pêndulo, como ilustrado, para ver se as simulações de computador poderia lançar mais luz sobre o que pode acontecer no DNA. No modelo de base, ilustrado e mostrado a seguir, cada um dos movimentos oscilatórios de cada elemento da cadeia encadeada de osciladores depende fortemente do movimento dos seus vizinhos, e sobre as diferenças na pesos específicos dos elementos. Imagine agora que o DNA constitui um tal tipo de pêndulo, enquanto a. entrelaçados hélices / correntes são abertas, uma secção especial para proporcionar a janela de viagens, como na figura anterior Ou seja, o modelo de ser simulada é uma cadeia de osciladores não lineares, os quatro tipos dos quais podem ser identificadas com a adenina (A), citosina (C), guanina (G) e timina (T) ou uracilo (C) do ADN componentes, todos tendo diferentes estruturas espaciais e das massas, e onde existe uma janela aberta para viajar na dupla hélice. Tal modelo permite um padrão bastante complexo de oscilação na cadeia de DNA de elementos, de acordo com a disposição real dos elementos, tal como especificado pelo real . sequência do código genético envolvido A janela enquanto viaja, é, portanto, altamente dependente do contexto. Começando na seguinte seqüência: de Resumo Este artigo relata o trabalho experimental realizado em Moscou no Instituto de Controle de Ciências, Genética Onda Inc. e trabalhos teóricos de várias fontes. Este trabalho muda a noção sobre o código genético essencialmente. Ele afirma: - 1) Que a evolução da biossistemas criou genéticos "textos", semelhantes aos textos contexto natural dependentes em línguas humanas, moldando o texto desses padrões de fala como. 2) que o aparelho cromossomo age simultaneamente como uma fonte e receptor de textos genéticos, respectivamente de descodificação e codificá-los, e 3) Que o continuum cromossoma de organismos multicelulares é análogo a um estático-dinâmico multiplex grade espaço-tempo holográfico, que compreende o espaço de tempo de um organismo numa forma convoluta . Ou seja, a acção do ADN, e que a teoria prevê experiência confirma, i) é o de um "gene de sessão" laser e suas solitonic electro-acústicos campos, de modo que o gene biocomputador "lê e compreende textos" de um modo semelhante ao pensamento humano, mas em seu próprio nível genómico de "raciocínio". Ela afirma que os textos naturais humanos (independentemente da linguagem utilizada) e genéticos "textos" têm características semelhantes matemático-estatística linguísticas e entrópica, onde dizem respeito à fractalidade da distribuição da densidade de freqüência nos textos de caráter naturais e genéticos, e onde em caso de "textos genéticos", os personagens são identificados com os nucleotídeos, e ii) que as moléculas de DNA, concebida como um continuum gene sinal de qualquer biossistema, são capazes de formar holográficas pré-imagens de biostructures e do organismo como um todo, como um registro de dinâmicas "cópias onda" ou "matrizes", sucedendo o outro Este continuum é a medição, calibração de campo para a construção de seu biossistema.. Palavras-chave: DNA, onda biocomputador, código genético, a linguagem humana, quantum holografia . . 1 O que a teoria prevê. 1.1 Introdução. Como essa nova teoria tomar forma o principal problema da criação do código genético, como visto em todas as abordagens [Gariaev 1994; Fatmi et al 1990; Perez 1991:?. Clement et al, 1993;. Marcer, Schempp 1996; Patel, 2000] foi de explicar o mecanismo por meio do qual um terceiro nucleótido que codifica um tripleto, é seleccionada para compreender, que tipo de mecanismo resolve este problema geralmente linguística de remover indefinição homónimo,. é necessário, em primeiro lugar para um mecanismo postulado para as orientações contexto de onda de ribossomas, a fim de resolver o problema de uma selecção exacta de ácido amino durante a síntese de proteínas [Maslow, Gariaev 1994]. Isto requer que alguma função intermediário geral informativo com uma muito pequena capacidade, dentro do processo de convolução versus desenvolvimento de sinal padrões reguladores do genoma-biocomputador endógenos campos físicos. Ele levar à conceituação de memória do genoma associativo-holográfica e sua não-localidade quântica. Estes pressupostos produzir um aparelho cromossomo e onda rápida genética canais de informação de ligação nos cromossomas das células separadas de um organismo de um contínuo integral, funcionando como o biocomputador, em que um dos tipos de campo produzidos pelos cromossomas, são as suas radiações. Esta capacidade postulado de tais "radiações laser" de cromossomas e ADN , como será mostrado, já foi demonstrado experimentalmente, em Moscou, pelo Grupo Gariaev. Assim, parece que as noções aceitas sobre o código genético deve mudar fundamentalmente e, ao fazê-lo não será apenas ser possível criar e entender o DNA como um biocomputador onda, mas a ganhar com a natureza de uma compreensão mais fundamental do que a informação [Marcer na imprensa] é realmente! Para experiências do Grupo Gariaev em Moscou e Toronto dizer que a compreensão atual de informação genômica ou seja, o código genético, é apenas a metade história [Marcer este volume]. 1.2 O que experiência confirma, uma parte. Estes onda aborda todos exigem que a propriedade fundamental do aparelho cromossomo é a não-localidade da informação genética. Nos não-localidade, em particular quântica / teletransporte no âmbito de conceitos introduzidos por Einstein, Podolsky e Rosen (EPR) [Sudbery 1997; Bouwmeester et al.1997]. Este não-localidade quântica tem agora, com o trabalho experimental do Grupo Gariaev, esteve diretamente relacionada com (i) a radiações laser de cromossomos, (ii) a capacidade do cromossoma para girar o plano de polarização da radiação e por sua própria fotões oclusas e (iii) com a capacidade de suspeita de cromossomas, para transformar os seus próprios radiações genético-sinal de laser de banda larga em ondas genético-sinal de rádio. Neste último caso, as polarizações dos fótons do laser de cromossomos estão ligados não-localmente e de forma coerente para polarizações de ondas de rádio. Parcialmente, isso foi provado durante as experiências in vitro, quando as preparações de DNA interagindo com um feixe de laser (= 632,8 nm), organizado de uma certa maneira, polarizar e converter o feixe simultaneamente em uma gama de radiofrequência Nestas experiências, um outro fenómeno extremamente relevante foi detectado:.. fotões modulados, dentro de sua polarização por moléculas de DNA a preparação Estas encontram-se a ser localizada (ou "gravado"), sob a forma . de um sistema de espelhos heterogeneidades de laser 'Além disso, este sinal pode ser "lidas", sem qualquer perda essencial da informação (como a teoria prevê [Gariaev 1994; Marcer, Schempp 1996]), sob a forma de isomorphously (em relação ao fótons) ondas de rádio polarizadas. tanto da pesquisa teórica e experimental sobre a condição complicada de fótons localizadas, portanto, testemunha em favor dessas proposições. Estes pesquisa independente abordagens também levar ao postulado, que as fases líquidas cristalinas do aparelho cromossomo (o espelho do laser análogos) pode ser considerada como um ambiente fractal para armazenar os fotões localizadas, de modo a criar uma continuidade coerente de quantum-não-localmente distribuído polarizada rádio informação genómica onda. Em certa medida, isto corresponde com a ideia de não-localidade quântico do genoma, . postulado anterior, ou para ser mais preciso, com uma variação dela Essa variação diz que a informação genética do DNA onda, gravado dentro as polarizações dos fótons conectados, sendo quântica não-local, constitui um espectro de ondas de rádio de banda larga correlacionados - por meio de polarizações -. os fotões Aqui, o canal de informação principal, pelo menos no que se refere ao ADN, é o parâmetro de polarização, que é não-local e é o mesmo para ambos os fotões e as ondas de rádio é uma característica, que theFourier-imagem. os espectros de rádio é dinâmico, dependendo essencialmente do tipo de matéria interrogado. Ele pode, pois, ser afirmado, que este fenómeno diz respeito a um novo tipo de um computador (e biocomputador) de memória, e também um novo tipo de EPR espectroscopia, a saber, um fotão caracterizam -laser-radiowave polarização noção spectroscopy.The fundamental é que as características de fótons de laser de onda de rádio de diferentes objetos (ou seja, o espectro de Fourier de as ondas de rádio de cristais, água, metais, DNA, etc) são armazenados por vezes definitivas mas variando por meio de espelhos de laser, de tal forma que o "espelho espectros" atratores caóticos preocupação com um complexo dinâmico dinâmica fractal, recorrentes no tempo. Os experimentos do grupo Gariaev são, portanto, não só única em si mesmos, são um primeiro exemplo, que um romance de armazenamento estática / ambiente de gravação (espelhos laser) existe, capaz de gravar diretamente o espaço-tempo atômica / molecular comportamento dinâmico rotativo de objetos. ainda os fenômenos, detectados por estes experimentos descritos na segunda parte, estabelecer a existência de um tipo essencialmente novo de sinal de rádio , em que a informação é codificada por polarizações dos vectores electromagnéticos. Isto irá ser a base de um novo tipo de gravação de vídeo, e vai criar uma nova forma de cinema também. pesquisa experimental adicional revelou a alta actividade (genético) biológico de tais ondas de rádio, quando gerados sob as condições apropriadas de DNA. Por exemplo, por meio de tais radiações de DNA produzidos artificialmente, o crescimento rápido super de batata (de até 1 cm por dia) foi conseguida, em conjunto com as alterações drásticas de morfogénese resultando a formação de tubérculos pequenos não sobre porta-enxertos, mas em hastes. As radiações mesmos também acabou por ser capaz de causar um aumento estatisticamente autêntico "ressuscitação" de sementes mortas da planta Arabidopsis thaliana, que foram tomadas a partir da área de Chernobyl em 1987. Em contraste , o controlo das irradiações por ondas de rádio polarizadas, que não transportam informação a partir do ADN, é observada como sendo biologicamente inactivas. Nesta sequência de experiências, evidência adicional foi também obtido a favor da possibilidade de existência de informação genética em forma de a polarização de um campo de ondas de rádio física. Isso apóia a suposição de que o canal de informação principal nesses experimentos é as modulações biosign de polarizações mediadas por alguma versão da não-localidade quântica. Um fato bem conhecido pode, portanto, ser visto com uma nova luz, ou seja, , que as informações biomacromoléculas - DNA, RNA e proteínas - ter uma capacidade de dispersão outspoken rotatório óptico da luz visível e de dicroísmo circular Da mesma forma, os componentes de baixo peso molecular de biossistemas, tais como sacáridos, nucleótidos, aminoácidos, porfirinas e biosubstances outros. têm a mesma capacidade;. uma capacidade, que até agora fazia sentido biológico pouco Agora, no entanto, ele suporta, a afirmação de que este fenômeno recém-detectados de quantizada atividade óptica pode ser considerada como o meio pelo qual o organismo obtém informação ilimitada por conta própria metabolismo. Isto é, tal informação é lida por radiações de laser endógenos de cromossomas, as quais, por sua vez, produzem a emissão de rádio regulador ("semântica") do genoma biocomputador. Além disso, a aparente inconsistência entre os comprimentos de onda da radiação, bem como às tamanhos de microrganismos, células e estruturas subcell é anulada, uma vez que as ressonâncias semânticas no espaço do biosystems 'não são realizados no nível de comprimento de onda, mas a nível das frequências e ângulos de torção dos modos de polarização. Este mecanismo é a base para o vitro-in laser de ondas de rádio artificial vivo digitalização do organismo e seus componentes. entanto, não-localidade quântica cromossomo como um fenômeno da informação genética é visto como particularmente importante nos organismos multicelulares e como aplicar em vários níveis. O nível 1-st é que o organismo como um todo. Aqui não-localidade é reflectido na capacidade de regeneração, de tal modo que nenhuma parte do corpo recria todo o organismo, como, por exemplo, no caso de o Planaria verme. Ou seja, qualquer local de limitação da informação genética para qualquer parte de um biossistema está totalmente ausente. As mesmas preocupações a reprodução vegetativa de plantas. O nível 2 é ao nível celular. Aqui, é possível cultivar um organismo inteiro a partir de uma única célula. No entanto, com evoluída animais biossistemas, este será um assunto complexo. O nível 3 é o nível celular nuclear. A enucleação dos núcleos de células somáticas e sexuais e da introdução subsequente neles de outros núcleos não impeça o desenvolvimento de um organismo normal. Clonagem de deste tipo já foi realizado em maior de biossistemas, por exemplo, ovelhas. O nível 4 é o nível molecular: aqui, o ribossoma "lia" mRNA não só sobre os codões diferentes, mas também de um modo geral e, em consideração do contexto . O nível 5 é o cromossoma holográfico:. a este nível, um gene tem uma memória holográfica, a qual é normalmente distribuída, associativa, e não local, em que os hologramas "são lidos" por campos electromagnéticos ou acústicos Estes carregam o gene de onda . informação para fora para além dos limites da estrutura dos cromossomas Assim, a níveis deste e subsequente, a não-localidade leva sobre a sua natureza de material de onda dual, como também pode ser verdadeiro para a memória holográfica do córtex cerebral [Pribram 1991; Schempp 1992; 1993 , Marcer, Schempp 1997; 1998] . O nível 6 se refere a não-localidade quântica do genoma até o nível 6, a não-localidade da bio-informação é realizado no espaço de um organismo O nível 6, no entanto, uma natureza especial;. não só porque é realizada a um nível quântico, mas também porque ele funciona tanto em todo o espaço de um biossistema e num período de tempo de biossistemas próprio. Os bilhões de células de um organismo, por conseguinte, "sabem" sobre o outro instantaneamente, permitindo que o conjunto da célula é de regular e coordenar o seu metabolismo e suas próprias funções. Assim, não-localidade pode ser postulada a ser o fator chave que explica a realização surpreendente evolutiva de biossistemas multicelular. Este fator diz que os eventos de bioinformática, podem ser instantaneamente coordenado, a ter lugar "aqui e ali simultaneamente ", e que, em tais situações, o conceito de" causa e efeito "perde qualquer sentido. Isto é de grande importância! A difusão intercelular de substâncias de sinal e dos processos nervosos é demasiado inercial para esta finalidade. Mesmo que se admita intercelulares que as transmissões ocorrem eletro-magneticamente em velocidades de luz, este ainda seria insuficiente para explicar como altamente evoluída, altamente complexo trabalho de biossistemas em tempo real [Gariaev 1994; Ho 1993]. Os aparelhos de não-localidade quântica e holografia está em vista dos autores , indispensável para uma explicação adequada de tempo real, tais trabalho. O nível 6, portanto, diz, os genes podem atuar como objetos quânticos, e que, é o fenômeno da non-locality/teleportation quântica, que assegura a coerência de super do organismo, informação super redundância, super conhecimento, a coesão e, como uma totalidade ou na totalidade, integridade do organismo (viabilidade). Na verdade, pode-se dizer que essa nova compreensão da biocomputadores, constitui mais um passo em um desenvolvimento da tecnologia informática em geral. Uma compreensão que vai trazer uma mudança total da base constituinte de que a tecnologia, na história do analógico> para> digital> a> agora, o computador onda figurativa semântica (não-local) ou biocomputador. Este biocomputador será baseado em uma nova compreensão das formas superiores da memória de DNA, e o aparelho de cromossomas, tal como a gravação, storaging, transdução e transmissão de sistema de informação genética, que devem ser considerados simultaneamente, tanto a nível de matéria e ao nível dos campos físicos. Os campos último, depois de ter sido apenas estudados, como mostrou experimentalmente nesta pesquisa, são portadores de genética e informações gerais sobre o regulador, operando em um continuum de moléculas genéticas (DNA, RNA, proteínas, etc.) Aqui, os tipos previamente desconhecida de memória (soliton, holográfico, polarização) e também a molécula de DNA, funcionar tanto como biolasers e como um meio de gravação para estes sinais de laser. O código genético, considerado a partir de um tal ponto de vista, será essencialmente diferente de hoje é geralmente aceite mas modelo incompleto. Isto, o modelo de onda biocomputador afirma, só começa a explicar o aparelho de biossíntese de proteínas de organismos vivos, fornecendo uma interpretação importante para as fases iniciais dentro desta nova cadeia compósito proposto hierárquica de material e de campo, sinal, holográfica, semiótico-semântico e, no caso geral, de codificação figurativa e funções cromossomo decifrar. Aqui as moléculas de DNA, concebida como um continuum gene sinal de qualquer biossistema, são capazes de formar pré-imagens de biostructures e do organismo como um todo, como um registro de dinâmicas "cópias" ou "onda matrizes ", sucedendo o outro. Este contínuo é a medição, a calibração de campo para a construção de qualquer biossistema. 1,3 Características do modelo de onda Adleman [1994], por exemplo, tem utilizado o mecanismo para rápida e precisa do reconhecimento mútuo entre o DNA anti-paralelos meias cadeias de resolver o " o problema do caixeiro viajante de ". No entanto, no modelo de ondas de biossistemas, este é apenas um aspecto do lugar obtenção auto-organização. Por aqui, como a evidência experimental confirma agora, o reconhecimento mútuo de uma cadeia de DNA meia anti paralelo (+) por outro (-), diz respeito super especial persistentes / ressonância acústica-ondas eletromagnéticas ou sólitons. Sólitons DNA tais têm dois tipos de memória conectados. O primeiro é típica do fenómeno descoberto por Fermi-Massa-Ulam (FPU) [Fermi, 1972]. Trata-se da capacidade de sistemas não-lineares para lembrar modos iniciais de energização e repetir periodicamente os [Dubois 1992]. Os cristais líquidos de ADN no interior da estrutura dos cromossomas formar um tal sistema não-linear. A segunda é que o DNA-contínuo de um organismo. Tal memória é um aspecto de não-localidade do genoma. É quasi-holographic/fractal, e refere-se, como é o caso de qualquer holograma ou fractal, à propriedade fundamental de biossistemas ou seja, para a sua capacidade para restaurar a totalidade de uma peça. Esta propriedade é bem conhecido (enxerto de plantas, regeneração da cauda de um lagarto, a regeneração de um organismo inteiro do oócito). E uma forma superior de uma memória biológica seria uma memória (associativa) holográfica do córtex cerebral, ou seja, da rede neural [Pribram 1991; Schempp 1992; Marcer Schempp 1997, 1998; Sutherland 1999]. Codificação de sinal tal onda / decodificação, portanto, como a habilidade de DNA para resolver "o problema do caixeiro viajante de", é, pode-se supor, uma parte integrante da biofuncionalidade computacional do DNA. Com efeito ondas solitárias (solitons ADN) e, em particular, as ondas de nucleótidos de rotação oscilatório, "ler" os padrões do genoma do sinal, de modo que a dinâmica de sinal tais vibratórios podem ser considerados como um dos muitos genómicos não lineares dinâmicos processos semióticos. A expressão "textos do DNA", emprestado anteriormente como uma metáfora dos lingüistas, é ele sair, portanto, diretamente relacionado com a fala humana real. Porque, como matemático-lingüístico pesquisa em DNA e padrões de fala humanos textuais, shows [Maslow, Gariaev 1994] o parâmetro-chave de ambos os tais padrões é fractalidade. Portanto, pode-se supor que a gramática dos textos genéticos é um caso especial da gramática geral de todas as línguas humanas. Voltando, no entanto, a computação baseada em DNA funções questão onda sinal com vista à realização a sua onda de codificação das capacidades, como aqueles utilizados por Adleman distinta, o que pode ser denominado suas capacidades de matéria. Tais capacidades de onda de controlo verdadeiras do DNA ou cromossomas são isto é, se a hipótese de, nessas condições que se aplicam no interior da célula viva, em uma solução aquosa, mas o que corresponde a uma condição de cristal líquido também. Por sob tais condições, nas circunstâncias específicas da divisão celular, a célula viva tem a capacidade de se replicar, e tem a propriedade de que, em relação a um auto-replicante autómato, von Neumann [1966] chamou de "construção computador universal", de modo que podemos dizer que a célula viva é tal computador baseado em DNA [Marcer Schempp 1997a]. Enquanto a clonagem artificial de uma única célula ainda não é viável, o que temos sido capazes a fazer, é para gravar a informação do DNA de onda adequado, a estas condições de onda do sinal de DNA numa célula de espelhos de laser, e de utilizar, por exemplo, a informação gravada DNA de onda a partir de sementes vivas sob a forma de ondas de rádio para reanimar os correspondentes "mortas" sementes danificadas por radioactividade. O próximo passo é, por conseguinte, pôr em uso geral, a informação de onda, tais como memória e agora recentemente identificado em relação ao DNA e estrutura do gene. Tais aplicações podem ser, com base, por exemplo, i) O fenómeno FPU de recidiva, e / ou, ii) a capacidade de gravar hologramas, bem como, iii) A gravação de informação no DNA de polarização da onda do sobre fótons localizadas. Relativamente volume e velocidade, tal memória pode ultrapassar muitas vezes ao longo dos discos agora disponíveis magnéticos e ópticos, bem como os actuais sistemas clássicos holográficas. Mas, em particular, tais aplicações podem empregar os princípios da não-localidade quântica. Por DNA do genoma e foram agora identificados como activos "laser", como os ambientes, em que, como mostrado experimentalmente, preparações cromossómicas pode agir como uma memória e como "lasers", com as capacidades de i), ii) e iii) acima. E finalmente, há os recursos de voz quasi-do DNA, uma vez que estas dizem respeito tanto naturais textos de genes e artificiais seqüências (sintetizada) sinal de polinucleotídeos, que emulam naturais programas de fala quase-gene. entanto, acreditamos que este talvez um caminho bastante perigoso, onde um sistema de regulação de genes proibições de ondas artificiais é indispensável. A razão é que tal abordagem ao DNA onda Biocomputação significa entrar em novas áreas semióticos do genoma humano e da biosfera em geral;. áreas, que são usados ​​pela natureza para criar a humanidade Este pensamento segue a partir dos estudos teóricos sobre uma simetria coletiva do código genético como realizado pelo laboratório da Eigen [Scherbak, 1988] no Instituto Max Planck, na Alemanha. Isso mostra a pesquisa, que a parte fundamental da informação, já gravou e ainda está sendo gravado como quase-discurso nos cromossomos de todos os organismos em nosso planeta, pode dizer respeito a semântica influências exobiológica, uma vez que no que diz respeito ao ADN de onda Biocomputação, ADN actua como um tipo de abertura da antena para a recepção de não só as influências internas e modificações dentro do organismo, mas para aqueles que estão fora também. Realmente consideramos este é um dos nossos resultados preliminares, que, na opinião do quantum não-localidade de organismos estende-se não só ao ambiente local do organismo, mas também para além dela para a extensão de todo o universo. Com referência ao que se disse já, é possível oferecer as seguintes perspectivas sobre as manipulações sinal com estruturas genéticas. 1.Creation de memória artificial em moléculas genéticas, que de fato possuem tanto o volume fantástico e velocidade. 2.Creation de biocomputadores, com base nestes princípios totalmente novas de DNA onda Biocomputação, que o uso teletransporte quântico [Sudbury 1997] e pode ser comparado ao cérebro humano em relação aos métodos de processamento de dados e as capacidades funcionais. 3.A implementação de um controlo remoto de processos-chave de informação dentro de biossistemas por meio de tais biocomputadores artificiais, o que resulta em tratamentos para câncer, AIDS, deformidades genéticas, o controle sobre os processos sócio-genéticas e, eventualmente, prolongamento do tempo de vida humana. proteção contra os efeitos de ondas 4.Active destrutivos, graças a detectores de ondas-informação do canal. 5.Establishing contatos exobiológica. 2. Que experiência confirma , a segunda parte, os experimentos Alguns dos experimentos e simulações de computador realizadas em Moscou são agora descritos. Eles partiram com mais detalhes como o entendimento nas seções 1. foi determinado. Estas descrições dizem respeito a aparelhos específicos utilizados e os resultados obtidos, juntamente com as simulações de computador realizado para validar aspectos específicos do desenvolvimento de compreensão, Photograph 1. Esta primeira imagem mostra uma fotografia da montagem experimental. Os elementos principais são um laser, cuja luz é dirigida através de um sistema de lentes, e uma amostra de ADN sanduíche como mostrado esquematicamente abaixo Diagrama 1. Ilustra o funcionamento do ensaio, que emprega um sistema de espalhamento dinâmico da luz Malvern tipo. Este entendimento é então comparado na secção 3, com um potencial de forma totalmente independente pesquisado obtido por Marcer e Schempp [1996]. Isto mostra o espalhamento por a amostra de ADN da luz do laser, o qual é depois guiado através de um outro sistema de lente para dentro do dispositivo analisando tipo Malvern, que conta os fotões registadas em diferentes seriais channels.The resultados de duas experiências estão indicados no fim do papel: o primeiro, intitulado "Fundo - espaço vazio", feito sem uma amostra de DNA, e o segundo, com o no lugar, com o título "DNA físico em SSC Solution". Este último tem a forma típica de um padrão reoccurring periodicamente, que é da mesma tipo funcional como os encontrados em uma autocorrelação. Tais padrões periódicos que ocorrem regularmente têm uma interpretação em termos do fenômeno da chamada recorrência de Fermi-Pasta-Ulam, que diz respeito ondas solitonic. Ou seja, essa interpretação afirma que a grosso modo, o DNA, considerada como um estado de cristal líquido do tipo gel, atua sobre a luz que entra na forma de uma estrutura de Fermi-Massa-Ulam solitonic, como ilustrado aqui: *** A questão principal, se este for o caso, o que é tal acção poderia alcançar? A ideia inicial era de que ele deve estar preocupado com a leitura de textos genéticas codificadas no ADN, no entanto, onde a metáfora idioma é agora aplicado directamente a estes textos. Ou seja, em vez da habitual analogia tomando textos como uma linguagem de computador digital ou código de instrução simbólica, textos tais são considerados como tendo, em vez das características semânticas e generativo gramaticais de uma escrita ou falada contexto linguagem humana dependente. Isto é, nós concebido do DNA actuar da mesma maneira como o humano faria, quando apresentados com um texto de um bom livro sobre um tema fascinante, que, como se lê, invoca reais 3 imagens tridimensionais / imagens no olho da mente. A razão para esta escolha em causa o problema no DNA que codifica levantada pelo questão de sinonímia e homonímia como ele se aplica ao terceiro elemento / códon dos trigêmeos códon. Por enquanto, veja a figura abaixo, sinonímia até parece fornecer um tipo de redundância, homonímia constitui uma dificuldade grave, conforme a proposta, muitas vezes postulado de que apenas o primeiro dois elementos do trio códon de DNA (em pé para uma determinada imagem proteína-o no olho da mente, por assim dizer) são os mais significativos. Ou seja, como o ribossomo lê sabe que a proteína tem de ser gerada, se o nucleotídeo terceiro trio códon de não de si mesmo dar a resposta com total certeza da resposta proposta era que essa ambigüidade pode ser resolvida por algum tipo de leitura dependente do contexto semelhante ao inerente a fala humana e compreensão da linguagem?. Figura: Sinonímia contra homonímia satisfatoriamente, esta necessidade de explicar como leitura dependente do contexto tal pode ser implementado no DNA processo reduplicação / leitura, como será mostrado, conduzido de volta para a evidência experimental, tal como apresentado acima, para que suporta o postulado de que a leitura desse contexto dependente do O DNA é na verdade melhor compreendida no contexto de um modelo de processo biosolitonic. soliton A é um trem de ondas ultra-estável, muitas vezes com um formato simples seemly fechado, que pode surgir no contexto de oscilações não-lineares de onda. Ela consiste na realidade de uma vez complexamente montagem de estruturas interligadas onda sub, que mantêm o processo inteiro solitonic em estado estacionário ao longo de um período de tempo relativamente longo. Na literatura, um soliton é frequentemente descrita como uma entidade, que não é nem uma partícula nem uma onda em muito da mesma maneira como é um quantum, por isso, também tem de onda / dualidade partícula. Ele também pode ser um meio para transportar a informação. Solitonic processamento em DNA, por conseguinte, se a hipótese de, se relacionam, em um dos seus aspectos, a leitura dos codões, para a computação quântica [Patel 2000], e isso poderia, portanto, diz respeito ao soliton visto como o de viajar "janela", que abre na estrutura de dupla hélice como a leitura tem lugar, como é ilustrado abaixo: Assim, foi decidido para modelar este processo de leitura como um oscilador mecânico complexo [Gariaev 1994], capaz de produzir transmissões de onda solitonic, que toma a forma de umsistema de pêndulos rotativos, como os de um certo tipo de relógio de pêndulo, como ilustrado, para ver se as simulações de computador poderia lançar mais luz sobre o que pode acontecer no DNA. No modelo de base, ilustrado e mostrado a seguir, cada um dos movimentos oscilatórios de cada elemento da cadeia encadeada de osciladores depende fortemente do movimento dos seus vizinhos, e sobre as diferenças na pesos específicos dos elementos. Imagine agora que o DNA constitui um tal tipo de pêndulo, enquanto a. entrelaçados hélices / correntes são abertas, uma secção especial para proporcionar a janela de viagens, como na figura anterior Ou seja, o modelo de ser simulada é uma cadeia de osciladores não lineares, os quatro tipos dos quais podem ser identificadas com a adenina (A), citosina (C), guanina (G) e timina (T) ou uracilo (C) do ADN componentes, todos tendo diferentes estruturas espaciais e das massas, e onde existe uma janela aberta para viajar na dupla hélice. Tal modelo permite um padrão bastante complexo de oscilação na cadeia de DNA de elementos, de acordo com a disposição real dos elementos, tal como especificado pelo real . sequência do código genético envolvido A janela enquanto viaja, é, portanto, altamente dependente do contexto. Começando na seguinte seqüência: de Resumo Este artigo relata o trabalho experimental realizado em Moscou no Instituto de Controle de Ciências, Genética Onda Inc. e trabalhos teóricos de várias fontes. Este trabalho muda a noção sobre o código genético essencialmente. Ele afirma: - 1) Que a evolução da biossistemas criou genéticos "textos", semelhantes aos textos contexto natural dependentes em línguas humanas, moldando o texto desses padrões de fala como. 2) que o aparelho cromossomo age simultaneamente como uma fonte e receptor de textos genéticos, respectivamente de descodificação e codificá-los, e 3) Que o continuum cromossoma de organismos multicelulares é análogo a um estático-dinâmico multiplex grade espaço-tempo holográfico, que compreende o espaço de tempo de um organismo numa forma convoluta . Ou seja, a acção do ADN, e que a teoria prevê experiência confirma, i) é o de um "gene de sessão" laser e suas solitonic electro-acústicos campos, de modo que o gene biocomputador "lê e compreende textos" de um modo semelhante ao pensamento humano, mas em seu próprio nível genómico de "raciocínio". Ela afirma que os textos naturais humanos (independentemente da linguagem utilizada) e genéticos "textos" têm características semelhantes matemático-estatística linguísticas e entrópica, onde dizem respeito à fractalidade da distribuição da densidade de freqüência nos textos de caráter naturais e genéticos, e onde em caso de "textos genéticos", os personagens são identificados com os nucleotídeos, e ii) que as moléculas de DNA, concebida como um continuum gene sinal de qualquer biossistema, são capazes de formar holográficas pré-imagens de biostructures e do organismo como um todo, como um registro de dinâmicas "cópias onda" ou "matrizes", sucedendo o outro Este continuum é a medição, calibração de campo para a construção de seu biossistema.. Palavras-chave: DNA, onda biocomputador, código genético, a linguagem humana, quantum holografia . . 1 O que a teoria prevê. 1.1 Introdução. Como essa nova teoria tomar forma o principal problema da criação do código genético, como visto em todas as abordagens [Gariaev 1994; Fatmi et al 1990; Perez 1991:?. Clement et al, 1993;. Marcer, Schempp 1996; Patel, 2000] foi de explicar o mecanismo por meio do qual um terceiro nucleótido que codifica um tripleto, é seleccionada para compreender, que tipo de mecanismo resolve este problema geralmente linguística de remover indefinição homónimo,. é necessário, em primeiro lugar para um mecanismo postulado para as orientações contexto de onda de ribossomas, a fim de resolver o problema de uma selecção exacta de ácido amino durante a síntese de proteínas [Maslow, Gariaev 1994]. Isto requer que alguma função intermediário geral informativo com uma muito pequena capacidade, dentro do processo de convolução versus desenvolvimento de sinal padrões reguladores do genoma-biocomputador endógenos campos físicos. Ele levar à conceituação de memória do genoma associativo-holográfica e sua não-localidade quântica. Estes pressupostos produzir um aparelho cromossomo e onda rápida genética canais de informação de ligação nos cromossomas das células separadas de um organismo de um contínuo integral, funcionando como o biocomputador, em que um dos tipos de campo produzidos pelos cromossomas, são as suas radiações. Esta capacidade postulado de tais "radiações laser" de cromossomas e ADN , como será mostrado, já foi demonstrado experimentalmente, em Moscou, pelo Grupo Gariaev. Assim, parece que as noções aceitas sobre o código genético deve mudar fundamentalmente e, ao fazê-lo não será apenas ser possível criar e entender o DNA como um biocomputador onda, mas a ganhar com a natureza de uma compreensão mais fundamental do que a informação [Marcer na imprensa] é realmente! Para experiências do Grupo Gariaev em Moscou e Toronto dizer que a compreensão atual de informação genômica ou seja, o código genético, é apenas a metade história [Marcer este volume]. 1.2 O que experiência confirma, uma parte. Estes onda aborda todos exigem que a propriedade fundamental do aparelho cromossomo é a não-localidade da informação genética. Nos não-localidade, em particular quântica / teletransporte no âmbito de conceitos introduzidos por Einstein, Podolsky e Rosen (EPR) [Sudbery 1997; Bouwmeester et al.1997]. Este não-localidade quântica tem agora, com o trabalho experimental do Grupo Gariaev, esteve diretamente relacionada com (i) a radiações laser de cromossomos, (ii) a capacidade do cromossoma para girar o plano de polarização da radiação e por sua própria fotões oclusas e (iii) com a capacidade de suspeita de cromossomas, para transformar os seus próprios radiações genético-sinal de laser de banda larga em ondas genético-sinal de rádio. Neste último caso, as polarizações dos fótons do laser de cromossomos estão ligados não-localmente e de forma coerente para polarizações de ondas de rádio. Parcialmente, isso foi provado durante as experiências in vitro, quando as preparações de DNA interagindo com um feixe de laser (= 632,8 nm), organizado de uma certa maneira, polarizar e converter o feixe simultaneamente em uma gama de radiofrequência Nestas experiências, um outro fenómeno extremamente relevante foi detectado:.. fotões modulados, dentro de sua polarização por moléculas de DNA a preparação Estas encontram-se a ser localizada (ou "gravado"), sob a forma . de um sistema de espelhos heterogeneidades de laser 'Além disso, este sinal pode ser "lidas", sem qualquer perda essencial da informação (como a teoria prevê [Gariaev 1994; Marcer, Schempp 1996]), sob a forma de isomorphously (em relação ao fótons) ondas de rádio polarizadas. tanto da pesquisa teórica e experimental sobre a condição complicada de fótons localizadas, portanto, testemunha em favor dessas proposições. Estes pesquisa independente abordagens também levar ao postulado, que as fases líquidas cristalinas do aparelho cromossomo (o espelho do laser análogos) pode ser considerada como um ambiente fractal para armazenar os fotões localizadas, de modo a criar uma continuidade coerente de quantum-não-localmente distribuído polarizada rádio informação genómica onda. Em certa medida, isto corresponde com a ideia de não-localidade quântico do genoma, . postulado anterior, ou para ser mais preciso, com uma variação dela Essa variação diz que a informação genética do DNA onda, gravado dentro as polarizações dos fótons conectados, sendo quântica não-local, constitui um espectro de ondas de rádio de banda larga correlacionados - por meio de polarizações -. os fotões Aqui, o canal de informação principal, pelo menos no que se refere ao ADN, é o parâmetro de polarização, que é não-local e é o mesmo para ambos os fotões e as ondas de rádio é uma característica, que theFourier-imagem. os espectros de rádio é dinâmico, dependendo essencialmente do tipo de matéria interrogado. Ele pode, pois, ser afirmado, que este fenómeno diz respeito a um novo tipo de um computador (e biocomputador) de memória, e também um novo tipo de EPR espectroscopia, a saber, um fotão caracterizam -laser-radiowave polarização noção spectroscopy.The fundamental é que as características de fótons de laser de onda de rádio de diferentes objetos (ou seja, o espectro de Fourier de as ondas de rádio de cristais, água, metais, DNA, etc) são armazenados por vezes definitivas mas variando por meio de espelhos de laser, de tal forma que o "espelho espectros" atratores caóticos preocupação com um complexo dinâmico dinâmica fractal, recorrentes no tempo. Os experimentos do grupo Gariaev são, portanto, não só única em si mesmos, são um primeiro exemplo, que um romance de armazenamento estática / ambiente de gravação (espelhos laser) existe, capaz de gravar diretamente o espaço-tempo atômica / molecular comportamento dinâmico rotativo de objetos. ainda os fenômenos, detectados por estes experimentos descritos na segunda parte, estabelecer a existência de um tipo essencialmente novo de sinal de rádio , em que a informação é codificada por polarizações dos vectores electromagnéticos. Isto irá ser a base de um novo tipo de gravação de vídeo, e vai criar uma nova forma de cinema também. pesquisa experimental adicional revelou a alta actividade (genético) biológico de tais ondas de rádio, quando gerados sob as condições apropriadas de DNA. Por exemplo, por meio de tais radiações de DNA produzidos artificialmente, o crescimento rápido super de batata (de até 1 cm por dia) foi conseguida, em conjunto com as alterações drásticas de morfogénese resultando a formação de tubérculos pequenos não sobre porta-enxertos, mas em hastes. As radiações mesmos também acabou por ser capaz de causar um aumento estatisticamente autêntico "ressuscitação" de sementes mortas da planta Arabidopsis thaliana, que foram tomadas a partir da área de Chernobyl em 1987. Em contraste , o controlo das irradiações por ondas de rádio polarizadas, que não transportam informação a partir do ADN, é observada como sendo biologicamente inactivas. Nesta sequência de experiências, evidência adicional foi também obtido a favor da possibilidade de existência de informação genética em forma de a polarização de um campo de ondas de rádio física. Isso apóia a suposição de que o canal de informação principal nesses experimentos é as modulações biosign de polarizações mediadas por alguma versão da não-localidade quântica. Um fato bem conhecido pode, portanto, ser visto com uma nova luz, ou seja, , que as informações biomacromoléculas - DNA, RNA e proteínas - ter uma capacidade de dispersão outspoken rotatório óptico da luz visível e de dicroísmo circular Da mesma forma, os componentes de baixo peso molecular de biossistemas, tais como sacáridos, nucleótidos, aminoácidos, porfirinas e biosubstances outros. têm a mesma capacidade;. uma capacidade, que até agora fazia sentido biológico pouco Agora, no entanto, ele suporta, a afirmação de que este fenômeno recém-detectados de quantizada atividade óptica pode ser considerada como o meio pelo qual o organismo obtém informação ilimitada por conta própria metabolismo. Isto é, tal informação é lida por radiações de laser endógenos de cromossomas, as quais, por sua vez, produzem a emissão de rádio regulador ("semântica") do genoma biocomputador. Além disso, a aparente inconsistência entre os comprimentos de onda da radiação, bem como às tamanhos de microrganismos, células e estruturas subcell é anulada, uma vez que as ressonâncias semânticas no espaço do biosystems 'não são realizados no nível de comprimento de onda, mas a nível das frequências e ângulos de torção dos modos de polarização. Este mecanismo é a base para o vitro-in laser de ondas de rádio artificial vivo digitalização do organismo e seus componentes. entanto, não-localidade quântica cromossomo como um fenômeno da informação genética é visto como particularmente importante nos organismos multicelulares e como aplicar em vários níveis. O nível 1-st é que o organismo como um todo. Aqui não-localidade é reflectido na capacidade de regeneração, de tal modo que nenhuma parte do corpo recria todo o organismo, como, por exemplo, no caso de o Planaria verme. Ou seja, qualquer local de limitação da informação genética para qualquer parte de um biossistema está totalmente ausente. As mesmas preocupações a reprodução vegetativa de plantas. O nível 2 é ao nível celular. Aqui, é possível cultivar um organismo inteiro a partir de uma única célula. No entanto, com evoluída animais biossistemas, este será um assunto complexo. O nível 3 é o nível celular nuclear. A enucleação dos núcleos de células somáticas e sexuais e da introdução subsequente neles de outros núcleos não impeça o desenvolvimento de um organismo normal. Clonagem de deste tipo já foi realizado em maior de biossistemas, por exemplo, ovelhas. O nível 4 é o nível molecular: aqui, o ribossoma "lia" mRNA não só sobre os codões diferentes, mas também de um modo geral e, em consideração do contexto . O nível 5 é o cromossoma holográfico:. a este nível, um gene tem uma memória holográfica, a qual é normalmente distribuída, associativa, e não local, em que os hologramas "são lidos" por campos electromagnéticos ou acústicos Estes carregam o gene de onda . informação para fora para além dos limites da estrutura dos cromossomas Assim, a níveis deste e subsequente, a não-localidade leva sobre a sua natureza de material de onda dual, como também pode ser verdadeiro para a memória holográfica do córtex cerebral [Pribram 1991; Schempp 1992; 1993 , Marcer, Schempp 1997; 1998] . O nível 6 se refere a não-localidade quântica do genoma até o nível 6, a não-localidade da bio-informação é realizado no espaço de um organismo O nível 6, no entanto, uma natureza especial;. não só porque é realizada a um nível quântico, mas também porque ele funciona tanto em todo o espaço de um biossistema e num período de tempo de biossistemas próprio. Os bilhões de células de um organismo, por conseguinte, "sabem" sobre o outro instantaneamente, permitindo que o conjunto da célula é de regular e coordenar o seu metabolismo e suas próprias funções. Assim, não-localidade pode ser postulada a ser o fator chave que explica a realização surpreendente evolutiva de biossistemas multicelular. Este fator diz que os eventos de bioinformática, podem ser instantaneamente coordenado, a ter lugar "aqui e ali simultaneamente ", e que, em tais situações, o conceito de" causa e efeito "perde qualquer sentido. Isto é de grande importância! A difusão intercelular de substâncias de sinal e dos processos nervosos é demasiado inercial para esta finalidade. Mesmo que se admita intercelulares que as transmissões ocorrem eletro-magneticamente em velocidades de luz, este ainda seria insuficiente para explicar como altamente evoluída, altamente complexo trabalho de biossistemas em tempo real [Gariaev 1994; Ho 1993]. Os aparelhos de não-localidade quântica e holografia está em vista dos autores , indispensável para uma explicação adequada de tempo real, tais trabalho. O nível 6, portanto, diz, os genes podem atuar como objetos quânticos, e que, é o fenômeno da non-locality/teleportation quântica, que assegura a coerência de super do organismo, informação super redundância, super conhecimento, a coesão e, como uma totalidade ou na totalidade, integridade do organismo (viabilidade). Na verdade, pode-se dizer que essa nova compreensão da biocomputadores, constitui mais um passo em um desenvolvimento da tecnologia informática em geral. Uma compreensão que vai trazer uma mudança total da base constituinte de que a tecnologia, na história do analógico> para> digital> a> agora, o computador onda figurativa semântica (não-local) ou biocomputador. Este biocomputador será baseado em uma nova compreensão das formas superiores da memória de DNA, e o aparelho de cromossomas, tal como a gravação, storaging, transdução e transmissão de sistema de informação genética, que devem ser considerados simultaneamente, tanto a nível de matéria e ao nível dos campos físicos. Os campos último, depois de ter sido apenas estudados, como mostrou experimentalmente nesta pesquisa, são portadores de genética e informações gerais sobre o regulador, operando em um continuum de moléculas genéticas (DNA, RNA, proteínas, etc.) Aqui, os tipos previamente desconhecida de memória (soliton, holográfico, polarização) e também a molécula de DNA, funcionar tanto como biolasers e como um meio de gravação para estes sinais de laser. O código genético, considerado a partir de um tal ponto de vista, será essencialmente diferente de hoje é geralmente aceite mas modelo incompleto. Isto, o modelo de onda biocomputador afirma, só começa a explicar o aparelho de biossíntese de proteínas de organismos vivos, fornecendo uma interpretação importante para as fases iniciais dentro desta nova cadeia compósito proposto hierárquica de material e de campo, sinal, holográfica, semiótico-semântico e, no caso geral, de codificação figurativa e funções cromossomo decifrar. Aqui as moléculas de DNA, concebida como um continuum gene sinal de qualquer biossistema, são capazes de formar pré-imagens de biostructures e do organismo como um todo, como um registro de dinâmicas "cópias" ou "onda matrizes ", sucedendo o outro. Este contínuo é a medição, a calibração de campo para a construção de qualquer biossistema. 1,3 Características do modelo de onda Adleman [1994], por exemplo, tem utilizado o mecanismo para rápida e precisa do reconhecimento mútuo entre o DNA anti-paralelos meias cadeias de resolver o " o problema do caixeiro viajante de ". No entanto, no modelo de ondas de biossistemas, este é apenas um aspecto do lugar obtenção auto-organização. Por aqui, como a evidência experimental confirma agora, o reconhecimento mútuo de uma cadeia de DNA meia anti paralelo (+) por outro (-), diz respeito super especial persistentes / ressonância acústica-ondas eletromagnéticas ou sólitons. Sólitons DNA tais têm dois tipos de memória conectados. O primeiro é típica do fenómeno descoberto por Fermi-Massa-Ulam (FPU) [Fermi, 1972]. Trata-se da capacidade de sistemas não-lineares para lembrar modos iniciais de energização e repetir periodicamente os [Dubois 1992]. Os cristais líquidos de ADN no interior da estrutura dos cromossomas formar um tal sistema não-linear. A segunda é que o DNA-contínuo de um organismo. Tal memória é um aspecto de não-localidade do genoma. É quasi-holographic/fractal, e refere-se, como é o caso de qualquer holograma ou fractal, à propriedade fundamental de biossistemas ou seja, para a sua capacidade para restaurar a totalidade de uma peça. Esta propriedade é bem conhecido (enxerto de plantas, regeneração da cauda de um lagarto, a regeneração de um organismo inteiro do oócito). E uma forma superior de uma memória biológica seria uma memória (associativa) holográfica do córtex cerebral, ou seja, da rede neural [Pribram 1991; Schempp 1992; Marcer Schempp 1997, 1998; Sutherland 1999]. Codificação de sinal tal onda / decodificação, portanto, como a habilidade de DNA para resolver "o problema do caixeiro viajante de", é, pode-se supor, uma parte integrante da biofuncionalidade computacional do DNA. Com efeito ondas solitárias (solitons ADN) e, em particular, as ondas de nucleótidos de rotação oscilatório, "ler" os padrões do genoma do sinal, de modo que a dinâmica de sinal tais vibratórios podem ser considerados como um dos muitos genómicos não lineares dinâmicos processos semióticos. A expressão "textos do DNA", emprestado anteriormente como uma metáfora dos lingüistas, é ele sair, portanto, diretamente relacionado com a fala humana real. Porque, como matemático-lingüístico pesquisa em DNA e padrões de fala humanos textuais, shows [Maslow, Gariaev 1994] o parâmetro-chave de ambos os tais padrões é fractalidade. Portanto, pode-se supor que a gramática dos textos genéticos é um caso especial da gramática geral de todas as línguas humanas. Voltando, no entanto, a computação baseada em DNA funções questão onda sinal com vista à realização a sua onda de codificação das capacidades, como aqueles utilizados por Adleman distinta, o que pode ser denominado suas capacidades de matéria. Tais capacidades de onda de controlo verdadeiras do DNA ou cromossomas são isto é, se a hipótese de, nessas condições que se aplicam no interior da célula viva, em uma solução aquosa, mas o que corresponde a uma condição de cristal líquido também. Por sob tais condições, nas circunstâncias específicas da divisão celular, a célula viva tem a capacidade de se replicar, e tem a propriedade de que, em relação a um auto-replicante autómato, von Neumann [1966] chamou de "construção computador universal", de modo que podemos dizer que a célula viva é tal computador baseado em DNA [Marcer Schempp 1997a]. Enquanto a clonagem artificial de uma única célula ainda não é viável, o que temos sido capazes a fazer, é para gravar a informação do DNA de onda adequado, a estas condições de onda do sinal de DNA numa célula de espelhos de laser, e de utilizar, por exemplo, a informação gravada DNA de onda a partir de sementes vivas sob a forma de ondas de rádio para reanimar os correspondentes "mortas" sementes danificadas por radioactividade. O próximo passo é, por conseguinte, pôr em uso geral, a informação de onda, tais como memória e agora recentemente identificado em relação ao DNA e estrutura do gene. Tais aplicações podem ser, com base, por exemplo, i) O fenómeno FPU de recidiva, e / ou, ii) a capacidade de gravar hologramas, bem como, iii) A gravação de informação no DNA de polarização da onda do sobre fótons localizadas. Relativamente volume e velocidade, tal memória pode ultrapassar muitas vezes ao longo dos discos agora disponíveis magnéticos e ópticos, bem como os actuais sistemas clássicos holográficas. Mas, em particular, tais aplicações podem empregar os princípios da não-localidade quântica. Por DNA do genoma e foram agora identificados como activos "laser", como os ambientes, em que, como mostrado experimentalmente, preparações cromossómicas pode agir como uma memória e como "lasers", com as capacidades de i), ii) e iii) acima. E finalmente, há os recursos de voz quasi-do DNA, uma vez que estas dizem respeito tanto naturais textos de genes e artificiais seqüências (sintetizada) sinal de polinucleotídeos, que emulam naturais programas de fala quase-gene. entanto, acreditamos que este talvez um caminho bastante perigoso, onde um sistema de regulação de genes proibições de ondas artificiais é indispensável. A razão é que tal abordagem ao DNA onda Biocomputação significa entrar em novas áreas semióticos do genoma humano e da biosfera em geral;. áreas, que são usados ​​pela natureza para criar a humanidade Este pensamento segue a partir dos estudos teóricos sobre uma simetria coletiva do código genético como realizado pelo laboratório da Eigen [Scherbak, 1988] no Instituto Max Planck, na Alemanha. Isso mostra a pesquisa, que a parte fundamental da informação, já gravou e ainda está sendo gravado como quase-discurso nos cromossomos de todos os organismos em nosso planeta, pode dizer respeito a semântica influências exobiológica, uma vez que no que diz respeito ao ADN de onda Biocomputação, ADN actua como um tipo de abertura da antena para a recepção de não só as influências internas e modificações dentro do organismo, mas para aqueles que estão fora também. Realmente consideramos este é um dos nossos resultados preliminares, que, na opinião do quantum não-localidade de organismos estende-se não só ao ambiente local do organismo, mas também para além dela para a extensão de todo o universo. Com referência ao que se disse já, é possível oferecer as seguintes perspectivas sobre as manipulações sinal com estruturas genéticas. 1.Creation de memória artificial em moléculas genéticas, que de fato possuem tanto o volume fantástico e velocidade. 2.Creation de biocomputadores, com base nestes princípios totalmente novas de DNA onda Biocomputação, que o uso teletransporte quântico [Sudbury 1997] e pode ser comparado ao cérebro humano em relação aos métodos de processamento de dados e as capacidades funcionais. 3.A implementação de um controlo remoto de processos-chave de informação dentro de biossistemas por meio de tais biocomputadores artificiais, o que resulta em tratamentos para câncer, AIDS, deformidades genéticas, o controle sobre os processos sócio-genéticas e, eventualmente, prolongamento do tempo de vida humana. proteção contra os efeitos de ondas 4.Active destrutivos, graças a detectores de ondas-informação do canal. 5.Establishing contatos exobiológica. 2. Que experiência confirma , a segunda parte, os experimentos Alguns dos experimentos e simulações de computador realizadas em Moscou são agora descritos. Eles partiram com mais detalhes como o entendimento nas seções 1. foi determinado. Estas descrições dizem respeito a aparelhos específicos utilizados e os resultados obtidos, juntamente com as simulações de computador realizado para validar aspectos específicos do desenvolvimento de compreensão, Photograph 1. Esta primeira imagem mostra uma fotografia da montagem experimental. Os elementos principais são um laser, cuja luz é dirigida através de um sistema de lentes, e uma amostra de ADN sanduíche como mostrado esquematicamente abaixo Diagrama 1. Ilustra o funcionamento do ensaio, que emprega um sistema de espalhamento dinâmico da luz Malvern tipo. Este entendimento é então comparado na secção 3, com um potencial de forma totalmente independente pesquisado obtido por Marcer e Schempp [1996]. Isto mostra o espalhamento por a amostra de ADN da luz do laser, o qual é depois guiado através de um outro sistema de lente para dentro do dispositivo analisando tipo Malvern, que conta os fotões registadas em diferentes seriais channels.The resultados de duas experiências estão indicados no fim do papel: o primeiro, intitulado "Fundo - espaço vazio", feito sem uma amostra de DNA, e o segundo, com o no lugar, com o título "DNA físico em SSC Solution". Este último tem a forma típica de um padrão reoccurring periodicamente, que é da mesma tipo funcional como os encontrados em uma autocorrelação. Tais padrões periódicos que ocorrem regularmente têm uma interpretação em termos do fenômeno da chamada recorrência de Fermi-Pasta-Ulam, que diz respeito ondas solitonic. Ou seja, essa interpretação afirma que a grosso modo, o DNA, considerada como um estado de cristal líquido do tipo gel, atua sobre a luz que entra na forma de uma estrutura de Fermi-Massa-Ulam solitonic, como ilustrado aqui: *** A questão principal, se este for o caso, o que é tal acção poderia alcançar? A ideia inicial era de que ele deve estar preocupado com a leitura de textos genéticas codificadas no ADN, no entanto, onde a metáfora idioma é agora aplicado directamente a estes textos. Ou seja, em vez da habitual analogia tomando textos como uma linguagem de computador digital ou código de instrução simbólica, textos tais são considerados como tendo, em vez das características semânticas e generativo gramaticais de uma escrita ou falada contexto linguagem humana dependente. Isto é, nós concebido do DNA actuar da mesma maneira como o humano faria, quando apresentados com um texto de um bom livro sobre um tema fascinante, que, como se lê, invoca reais 3 imagens tridimensionais / imagens no olho da mente. A razão para esta escolha em causa o problema no DNA que codifica levantada pelo questão de sinonímia e homonímia como ele se aplica ao terceiro elemento / códon dos trigêmeos códon. Por enquanto, veja a figura abaixo, sinonímia até parece fornecer um tipo de redundância, homonímia constitui uma dificuldade grave, conforme a proposta, muitas vezes postulado de que apenas o primeiro dois elementos do trio códon de DNA (em pé para uma determinada imagem proteína-o no olho da mente, por assim dizer) são os mais significativos. Ou seja, como o ribossomo lê sabe que a proteína tem de ser gerada, se o nucleotídeo terceiro trio códon de não de si mesmo dar a resposta com total certeza da resposta proposta era que essa ambigüidade pode ser resolvida por algum tipo de leitura dependente do contexto semelhante ao inerente a fala humana e compreensão da linguagem?. Figura: Sinonímia contra homonímia satisfatoriamente, esta necessidade de explicar como leitura dependente do contexto tal pode ser implementado no DNA processo reduplicação / leitura, como será mostrado, conduzido de volta para a evidência experimental, tal como apresentado acima, para que suporta o postulado de que a leitura desse contexto dependente do O DNA é na verdade melhor compreendida no contexto de um modelo de processo biosolitonic. soliton A é um trem de ondas ultra-estável, muitas vezes com um formato simples seemly fechado, que pode surgir no contexto de oscilações não-lineares de onda. Ela consiste na realidade de uma vez complexamente montagem de estruturas interligadas onda sub, que mantêm o processo inteiro solitonic em estado estacionário ao longo de um período de tempo relativamente longo. Na literatura, um soliton é frequentemente descrita como uma entidade, que não é nem uma partícula nem uma onda em muito da mesma maneira como é um quantum, por isso, também tem de onda / dualidade partícula. Ele também pode ser um meio para transportar a informação. Solitonic processamento em DNA, por conseguinte, se a hipótese de, se relacionam, em um dos seus aspectos, a leitura dos codões, para a computação quântica [Patel 2000], e isso poderia, portanto, diz respeito ao soliton visto como o de viajar "janela", que abre na estrutura de dupla hélice como a leitura tem lugar, como é ilustrado abaixo: Assim, foi decidido para modelar este processo de leitura como um oscilador mecânico complexo [Gariaev 1994], capaz de produzir transmissões de onda solitonic, que toma a forma de um sistema de pêndulos rotativos, como os de um certo tipo de relógio de pêndulo, como ilustrado, para ver se as simulações de computador poderia lançar mais luz sobre o que pode acontecer no DNA. No modelo de base, ilustrado e mostrado a seguir, cada um dos movimentos oscilatórios de cada elemento da cadeia encadeada de osciladores depende fortemente do movimento dos seus vizinhos, e sobre as diferenças na pesos específicos dos elementos. Imagine agora que o DNA constitui um tal tipo de pêndulo, enquanto a. entrelaçados hélices / correntes são abertas, uma secção especial para proporcionar a janela de viagens, como na figura anterior Ou seja, o modelo de ser simulada é uma cadeia de osciladores não lineares, os quatro tipos dos quais podem ser identificadas com a adenina (A), citosina (C), guanina (G) e timina (T) ou uracilo (C) do ADN componentes, todos tendo diferentes estruturas espaciais e das massas, e onde existe uma janela aberta para viajar na dupla hélice. Tal modelo permite um padrão bastante complexo de oscilação na cadeia de DNA de elementos, de acordo com a disposição real dos elementos, tal como especificado pelo real . sequência do código genético envolvido A janela enquanto viaja, é, portanto, altamente dependente do contexto. Começando na seguinte seqüência: de tal modo que o gene biocomputador-"lê e compreende" os textos de um modo semelhante ao pensamento humano, mas em seu próprio nível genómico de "raciocínio". Ela afirma que os textos naturais humanos (independentemente da linguagem utilizada) e genéticos "textos" têm características semelhantes matemático-estatística linguísticas e entrópica, onde dizem respeito à fractalidade da distribuição da densidade de freqüência nos textos de caráter naturais e genéticos, e onde em caso de "textos genéticos", os personagens são identificados com os nucleotídeos, e ii) que as moléculas de DNA, concebida como um continuum gene sinal de qualquer biossistema, são capazes de formar holográficas pré-imagens de biostructures e do organismo como um todo, como um registro de dinâmicas "cópias onda" ou "matrizes", sucedendo o outro Este continuum é a medição, calibração de campo para a construção de seu biossistema.. Palavras-chave: DNA, onda biocomputador, código genético, a linguagem humana, quantum holografia . . 1 O que a teoria prevê. 1.1 Introdução. Como essa nova teoria tomar forma o principal problema da criação do código genético, como visto em todas as abordagens [Gariaev 1994; Fatmi et al 1990; Perez 1991:?. Clement et al, 1993;. Marcer, Schempp 1996; Patel, 2000] foi de explicar o mecanismo por meio do qual um terceiro nucleótido que codifica um tripleto, é seleccionada para compreender, que tipo de mecanismo resolve este problema geralmente linguística de remover indefinição homónimo,. é necessário, em primeiro lugar para um mecanismo postulado para as orientações contexto de onda de ribossomas, a fim de resolver o problema de uma selecção exacta de ácido amino durante a síntese de proteínas [Maslow, Gariaev 1994]. Isto requer que alguma função intermediário geral informativo com uma muito pequena capacidade, dentro do processo de convolução versus desenvolvimento de sinal padrões reguladores do genoma-biocomputador endógenos campos físicos. Ele levar à conceituação de memória do genoma associativo-holográfica e sua não-localidade quântica. Estes pressupostos produzir um aparelho cromossomo e onda rápida genética canais de informação de ligação nos cromossomas das células separadas de um organismo de um contínuo integral, funcionando como o biocomputador, em que um dos tipos de campo produzidos pelos cromossomas, são as suas radiações. Esta capacidade postulado de tais "radiações laser" de cromossomas e ADN , como será mostrado, já foi demonstrado experimentalmente, em Moscou, pelo Grupo Gariaev. Assim, parece que as noções aceitas sobre o código genético deve mudar fundamentalmente e, ao fazê-lo não será apenas ser possível criar e entender o DNA como um biocomputador onda, mas a ganhar com a natureza de uma compreensão mais fundamental do que a informação [Marcer na imprensa] é realmente! Para experiências do Grupo Gariaev em Moscou e Toronto dizer que a compreensão atual de informação genômica ou seja, o código genético, é apenas a metade história [Marcer este volume]. 1.2 O que experiência confirma, uma parte. Estes onda aborda todos exigem que a propriedade fundamental do aparelho cromossomo é a não-localidade da informação genética. Nos não-localidade, em particular quântica / teletransporte no âmbito de conceitos introduzidos por Einstein, Podolsky e Rosen (EPR) [Sudbery 1997; Bouwmeester et al.1997]. Este não-localidade quântica tem agora, com o trabalho experimental do Grupo Gariaev, esteve diretamente relacionada com (i) a radiações laser de cromossomos, (ii) a capacidade do cromossoma para girar o plano de polarização da radiação e por sua própria fotões oclusas e (iii) com a capacidade de suspeita de cromossomas, para transformar os seus próprios radiações genético-sinal de laser de banda larga em ondas genético-sinal de rádio. Neste último caso, as polarizações dos fótons do laser de cromossomos estão ligados não-localmente e de forma coerente para polarizações de ondas de rádio. Parcialmente, isso foi provado durante as experiências in vitro, quando as preparações de DNA interagindo com um feixe de laser (= 632,8 nm), organizado de uma certa maneira, polarizar e converter o feixe simultaneamente em uma gama de radiofrequência Nestas experiências, um outro fenómeno extremamente relevante foi detectado:.. fotões modulados, dentro de sua polarização por moléculas de DNA a preparação Estas encontram-se a ser localizada (ou "gravado"), sob a forma . de um sistema de espelhos heterogeneidades de laser 'Além disso, este sinal pode ser "lidas", sem qualquer perda essencial da informação (como a teoria prevê [Gariaev 1994; Marcer, Schempp 1996]), sob a forma de isomorphously (em relação ao fótons) ondas de rádio polarizadas. tanto da pesquisa teórica e experimental sobre a condição complicada de fótons localizadas, portanto, testemunha em favor dessas proposições. Estes pesquisa independente abordagens também levar ao postulado, que as fases líquidas cristalinas do aparelho cromossomo (o espelho do laser análogos) pode ser considerada como um ambiente fractal para armazenar os fotões localizadas, de modo a criar uma continuidade coerente de quantum-não-localmente distribuído polarizada rádio informação genómica onda. Em certa medida, isto corresponde com a ideia de não-localidade quântico do genoma, . postulado anterior, ou para ser mais preciso, com uma variação dela Essa variação diz que a informação genética do DNA onda, gravado dentro as polarizações dos fótons conectados, sendo quântica não-local, constitui um espectro de ondas de rádio de banda larga correlacionados - por meio de polarizações -. os fotões Aqui, o canal de informação principal, pelo menos no que se refere ao ADN, é o parâmetro de polarização, que é não-local e é o mesmo para ambos os fotões e as ondas de rádio é uma característica, que theFourier-imagem. os espectros de rádio é dinâmico, dependendo essencialmente do tipo de matéria interrogado. Ele pode, pois, ser afirmado, que este fenómeno diz respeito a um novo tipo de um computador (e biocomputador) de memória, e também um novo tipo de EPR espectroscopia, a saber, um fotão caracterizam-laser-radiowave polarização noção spectroscopy.The fundamental é que as características de fótons de laser de onda de rádio de diferentes objetos (ou seja, o espectro de Fourier de as ondas de rádio de cristais, água, metais, DNA, etc) são armazenados por vezes definitivas mas variando por meio de espelhos de laser, de tal forma que o "espelho espectros" atratores caóticos preocupação com um complexo dinâmico dinâmica fractal, recorrentes no tempo. Os experimentos do grupo Gariaev são, portanto, não só única em si mesmos, são um primeiro exemplo, que um romance de armazenamento estática / ambiente de gravação (espelhos laser) existe, capaz de gravar diretamente o espaço-tempo atômica / molecular comportamento dinâmico rotativo de objetos. ainda os fenômenos, detectados por estes experimentos descritos na segunda parte, estabelecer a existência de um tipo essencialmente novo de sinal de rádio , em que a informação é codificada por polarizações dos vectores electromagnéticos. Isto irá ser a base de um novo tipo de gravação de vídeo, e vai criar uma nova forma de cinema também. pesquisa experimental adicional revelou a alta actividade (genético) biológico de tais ondas de rádio, quando gerados sob as condições apropriadas de DNA. Por exemplo, por meio de tais radiações de DNA produzidos artificialmente, o crescimento rápido super de batata (de até 1 cm por dia) foi conseguida, em conjunto com as alterações drásticas de morfogénese resultando a formação de tubérculos pequenos não sobre porta-enxertos, mas em hastes. As radiações mesmos também acabou por ser capaz de causar um aumento estatisticamente autêntico "ressuscitação" de sementes mortas da planta Arabidopsis thaliana, que foram tomadas a partir da área de Chernobyl em 1987. Em contraste , o controlo das irradiações por ondas de rádio polarizadas, que não transportam informação a partir do ADN, é observado para ser biologicamente inactivo. Nesta sequência de experiências, evidência adicional foi também obtido a favor da possibilidade de existência de informação genética em forma de a polarização de um campo de ondas de rádio física. Isso apóia a suposição de que o canal de informação principal nesses experimentos é as modulações biosign de polarizações mediadas por alguma versão da não-localidade quântica. Um fato bem conhecido pode, portanto, ser visto com uma nova luz, ou seja, , que as informações biomacromoléculas - DNA, RNA e proteínas - ter uma capacidade de dispersão outspoken rotatório óptico da luz visível e de dicroísmo circular Da mesma forma, os componentes de baixo peso molecular de biossistemas, tais como sacáridos, nucleótidos, aminoácidos, porfirinas e biosubstances outros. têm a mesma capacidade;. uma capacidade, que até agora fazia sentido biológico pouco Agora, no entanto, ele suporta, a afirmação de que este fenômeno recém-detectados de quantizada atividade óptica pode ser considerada como o meio pelo qual o organismo obtém informação ilimitada por conta própria metabolismo. Isto é, tal informação é lida por radiações de laser endógenos de cromossomas, as quais, por sua vez, produzem a emissão de rádio regulador ("semântica") do genoma biocomputador. Além disso, a aparente inconsistência entre os comprimentos de onda da radiação, bem como às tamanhos de microrganismos, células e estruturas subcell é anulada, uma vez que as ressonâncias semânticas no espaço do biosystems 'não são realizados no nível de comprimento de onda, mas a nível das frequências e ângulos de torção dos modos de polarização. Este mecanismo é a base para o vitro-in laser de ondas de rádio artificial vivo digitalização do organismo e seus componentes. entanto, não-localidade quântica cromossomo como um fenômeno da informação genética é visto como particularmente importante nos organismos multicelulares e como aplicar em vários níveis. O nível 1-st é que o organismo como um todo. Aqui não-localidade é reflectido na capacidade de regeneração, de tal modo que nenhuma parte do corpo recria todo o organismo, como, por exemplo, no caso de o Planaria verme. Ou seja, qualquer local de limitação da informação genética para qualquer parte de um biossistema está totalmente ausente. As mesmas preocupações a reprodução vegetativa de plantas. O nível 2 é ao nível celular. Aqui, é possível cultivar um organismo inteiro a partir de uma única célula. No entanto, com evoluída animais biossistemas, este será um assunto complexo. O nível 3 é o nível celular nuclear. A enucleação dos núcleos de células somáticas e sexuais e da introdução subsequente neles de outros núcleos não impeça o desenvolvimento de um organismo normal. Clonagem de deste tipo já foi realizado em maior de biossistemas, por exemplo, ovelhas. O nível 4 é o nível molecular: aqui, o ribossoma "lia" mRNA não só sobre os codões diferentes, mas também de um modo geral e, em consideração do contexto . O nível 5 é o cromossoma holográfico:. a este nível, um gene tem uma memória holográfica, a qual é normalmente distribuída, associativa, e não local, em que os hologramas "são lidos" por campos electromagnéticos ou acústicos Estes carregam o gene de onda . informação para fora para além dos limites da estrutura dos cromossomas Assim, a níveis deste e subsequente, a não-localidade leva sobre a sua natureza de material de onda dual, como também pode ser verdadeiro para a memória holográfica do córtex cerebral [Pribram 1991; Schempp 1992; 1993 , Marcer, Schempp 1997; 1998] . O nível 6 se refere a não-localidade quântica do genoma até o nível 6, a não-localidade da bio-informação é realizado no espaço de um organismo O nível 6, no entanto, uma natureza especial;. não só porque é realizada a um nível quântico, mas também porque ele funciona tanto em todo o espaço de um biossistema e num período de tempo de biossistemas próprio. Os bilhões de células de um organismo, por conseguinte, "sabem" sobre o outro instantaneamente, permitindo que o conjunto da célula é de regular e coordenar o seu metabolismo e suas próprias funções. Assim, não-localidade pode ser postulada a ser o fator chave que explica a realização surpreendente evolutiva de biossistemas multicelular. Este fator diz que os eventos de bioinformática, podem ser instantaneamente coordenado, a ter lugar "aqui e ali simultaneamente ", e que, em tais situações, o conceito de" causa e efeito "perde qualquer sentido. Isto é de grande importância! A difusão intercelular de substâncias de sinal e dos processos nervosos é demasiado inercial para esta finalidade. Mesmo que se admita intercelulares que as transmissões ocorrem eletro-magneticamente em velocidades de luz, este ainda seria insuficiente para explicar como altamente evoluída, altamente complexo trabalho de biossistemas em tempo real [Gariaev 1994; Ho 1993]. Os aparelhos de não-localidade quântica e holografia está em vista dos autores , indispensável para uma explicação adequada de tempo real, tais trabalho. O nível 6, portanto, diz, os genes podem atuar como objetos quânticos, e que, é o fenômeno da non-locality/teleportation quântica, que assegura a coerência de super do organismo, informação super redundância, super conhecimento, a coesão e, como uma totalidade ou na totalidade, integridade do organismo (viabilidade). Na verdade, pode-se dizer que essa nova compreensão da biocomputadores, constitui mais um passo em um desenvolvimento da tecnologia informática em geral. Uma compreensão que vai trazer uma mudança total da base constituinte de que a tecnologia, na história do analógico> para> digital> a> agora, o computador onda figurativa semântica (não-local) ou biocomputador. Este biocomputador será baseado em uma nova compreensão das formas superiores da memória de DNA, e o aparelho de cromossomas, tal como a gravação, storaging, transdução e transmissão de sistema de informação genética, que devem ser considerados simultaneamente, tanto a nível de matéria e ao nível dos campos físicos. Os campos último, depois de ter sido apenas estudados, como mostrou experimentalmente nesta pesquisa, são portadores de genética e informações gerais sobre o regulador, operando em um continuum de moléculas genéticas (DNA, RNA, proteínas, etc.) Aqui, os tipos previamente desconhecida de memória (soliton, holográfico, polarização) e também a molécula de DNA, funcionar tanto como biolasers e como um meio de gravação para estes sinais de laser. O código genético, considerado a partir de um tal ponto de vista, será essencialmente diferente de hoje é geralmente aceite mas modelo incompleto. Isto, o modelo de onda biocomputador afirma, só começa a explicar o aparelho de biossíntese de proteínas de organismos vivos, fornecendo uma interpretação importante para as fases iniciais dentro desta nova cadeia compósito proposto hierárquica de material e de campo, sinal, holográfica, semiótico-semântico e, no caso geral, de codificação figurativa e funções cromossomo decifrar. Aqui as moléculas de DNA, concebida como um continuum gene sinal de qualquer biossistema, são capazes de formar pré-imagens de biostructures e do organismo como um todo, como um registro de dinâmicas "cópias" ou "onda matrizes ", sucedendo o outro. Este contínuo é a medição, a calibração de campo para a construção de qualquer biossistema. 1,3 Características do modelo de onda Adleman [1994], por exemplo, tem utilizado o mecanismo para rápida e precisa do reconhecimento mútuo entre o DNA anti-paralelos meias cadeias de resolver o " o problema do caixeiro viajante de ". No entanto, no modelo de ondas de biossistemas, este é apenas um aspecto do lugar obtenção auto-organização. Por aqui, como a evidência experimental confirma agora, o reconhecimento mútuo de uma cadeia de DNA meia anti paralelo (+) por outro (-), diz respeito super especial persistentes / ressonância acústica-ondas eletromagnéticas ou sólitons. Sólitons DNA tais têm dois tipos de memória conectados. O primeiro é típica do fenómeno descoberto por Fermi-Massa-Ulam (FPU) [Fermi, 1972]. Trata-se da capacidade de sistemas não-lineares para lembrar modos iniciais de energização e repetir periodicamente os [Dubois 1992]. Os cristais líquidos de ADN no interior da estrutura dos cromossomas formar um tal sistema não-linear. A segunda é que o DNA-contínuo de um organismo. Tal memória é um aspecto de não-localidade do genoma. É quasi-holographic/fractal, e refere-se, como é o caso de qualquer holograma ou fractal, à propriedade fundamental de biossistemas ou seja, para a sua capacidade para restaurar a totalidade de uma peça. Esta propriedade é bem conhecido (enxerto de plantas, regeneração da cauda de um lagarto, a regeneração de um organismo inteiro do oócito). E uma forma superior de uma memória biológica seria uma memória (associativa) holográfica do córtex cerebral, ou seja, da rede neural [Pribram 1991; Schempp 1992; Marcer Schempp 1997, 1998; Sutherland 1999]. Codificação de sinal tal onda / decodificação, portanto, como a habilidade de DNA para resolver "o problema do caixeiro viajante de", é, pode-se supor, uma parte integrante da biofuncionalidade computacional do DNA. Com efeito ondas solitárias (solitons ADN) e, em particular, as ondas de nucleótidos de rotação oscilatório, "ler" os padrões do genoma do sinal, de modo que a dinâmica de sinal tais vibratórios podem ser considerados como um dos muitos genómicos não lineares dinâmicos processos semióticos. A expressão "textos do DNA", emprestado anteriormente como uma metáfora dos lingüistas, é ele sair, portanto, diretamente relacionado com a fala humana real. Porque, como matemático-lingüístico pesquisa em DNA e padrões de fala humanos textuais, shows [Maslow, Gariaev 1994] o parâmetro-chave de ambos os tais padrões é fractalidade. Portanto, pode-se supor que a gramática dos textos genéticos é um caso especial da gramática geral de todas as línguas humanas. Voltando, no entanto, a computação baseada em DNA funções questão onda sinal com vista à realização a sua onda de codificação das capacidades, como aqueles utilizados por Adleman distinta, o que pode ser denominado suas capacidades de matéria. Tais capacidades de onda de controlo verdadeiras do DNA ou cromossomas são isto é, se a hipótese de, nessas condições que se aplicam no interior da célula viva, em uma solução aquosa, mas o que corresponde a uma condição de cristal líquido também. Por sob tais condições, nas circunstâncias específicas da divisão celular, a célula viva tem a capacidade de se replicar, e tem a propriedade de que, em relação a um auto-replicante autómato, von Neumann [1966] chamou de "construção computador universal", de modo que podemos dizer que a célula viva é tal computador baseado em DNA [Marcer Schempp 1997a]. Enquanto a clonagem artificial de uma única célula ainda não é viável, o que temos sido capazes a fazer, é para gravar a informação do DNA de onda adequado, a estas condições de onda do sinal de DNA numa célula de espelhos de laser, e de utilizar, por exemplo, a informação gravada DNA de onda a partir de sementes vivas sob a forma de ondas de rádio para reanimar os correspondentes "mortas" sementes danificadas por radioactividade. O próximo passo é, por conseguinte, pôr em uso geral, a informação de onda, tais como memória e agora recentemente identificado em relação ao DNA e estrutura do gene. Tais aplicações podem ser, com base, por exemplo, i) O fenómeno FPU de recidiva, e / ou, ii) a capacidade de gravar hologramas, bem como, iii) A gravação de informação no DNA de polarização da onda do sobre fótons localizadas. Relativamente volume e velocidade, tal memória pode ultrapassar muitas vezes ao longo dos discos agora disponíveis magnéticos e ópticos, bem como os actuais sistemas clássicos holográficas. Mas, em particular, tais aplicações podem empregar os princípios da não-localidade quântica. Por DNA do genoma e foram agora identificados como activos "laser", como os ambientes, em que, como mostrado experimentalmente, preparações cromossómicas pode agir como uma memória e como "lasers", com as capacidades de i), ii) e iii) acima. E finalmente, há os recursos de voz quasi-do DNA, uma vez que estas dizem respeito tanto naturais textos de genes e artificiais seqüências (sintetizada) sinal de polinucleotídeos, que emulam naturais programas de fala quase-gene. entanto, acreditamos que este talvez um caminho bastante perigoso, onde um sistema de regulação de genes proibições de ondas artificiais é indispensável. A razão é que tal abordagem ao DNA onda Biocomputação significa entrar em novas áreas semióticos do genoma humano e da biosfera em geral;. áreas, que são usados ​​pela natureza para criar a humanidade Este pensamento segue a partir dos estudos teóricos sobre uma simetria coletiva do código genético como realizado pelo laboratório da Eigen [Scherbak, 1988] no Instituto Max Planck, na Alemanha. Isso mostra a pesquisa, que a parte fundamental da informação, já gravou e ainda está sendo gravado como quase-discurso nos cromossomos de todos os organismos em nosso planeta, pode dizer respeito a semântica influências exobiológica, uma vez que no que diz respeito ao ADN de onda Biocomputação, ADN actua como um tipo de abertura da antena para a recepção de não só as influências internas e modificações dentro do organismo, mas para aqueles que estão fora também. Realmente consideramos este é um dos nossos resultados preliminares, que, na opinião do quantum não-localidade de organismos estende-se não só ao ambiente local do organismo, mas também para além dela para a extensão de todo o universo. Com referência ao que se disse já, é possível oferecer as seguintes perspectivas sobre as manipulações sinal com estruturas genéticas. 1.Creation de memória artificial em moléculas genéticas, que de fato possuem tanto o volume fantástico e velocidade. 2.Creation de biocomputadores, com base nestes princípios totalmente novas de DNA onda Biocomputação, que o uso teletransporte quântico [Sudbury 1997] e pode ser comparado ao cérebro humano em relação aos métodos de processamento de dados e as capacidades funcionais. 3.A implementação de um controlo remoto de processos-chave de informação dentro de biossistemas por meio de tais biocomputadores artificiais, o que resulta em tratamentos para câncer, AIDS, deformidades genéticas, o controle sobre os processos sócio-genéticas e, eventualmente, prolongamento do tempo de vida humana. proteção contra os efeitos de ondas 4.Active destrutivos, graças a detectores de ondas-informação do canal. 5.Establishing contatos exobiológica. 2. Que experiência confirma , a segunda parte, os experimentos Alguns dos experimentos e simulações de computador realizadas em Moscou são agora descritos. Eles partiram com mais detalhes como o entendimento nas seções 1. foi determinado. Estas descrições dizem respeito a aparelhos específicos utilizados e os resultados obtidos, juntamente com as simulações de computador realizado para validar aspectos específicos do desenvolvimento de compreensão, Photograph 1. Esta primeira imagem mostra uma fotografia da montagem experimental. Os elementos principais são um laser, cuja luz é dirigida através de um sistema de lentes, e uma amostra de ADN sanduíche como mostrado esquematicamente abaixo Diagrama 1. Ilustra o funcionamento do ensaio, que emprega um sistema de espalhamento dinâmico da luz Malvern tipo. Este entendimento é então comparado na secção 3, com um potencial de forma totalmente independente pesquisado obtido por Marcer e Schempp [1996]. Isto mostra o espalhamento por a amostra de ADN da luz do laser, o qual é depois guiado através de um outro sistema de lente para dentro do dispositivo analisando tipo Malvern, que conta os fotões registadas em diferentes seriais channels.The resultados de duas experiências estão indicados no fim do papel: o primeiro, intitulado "Fundo - espaço vazio", feito sem uma amostra de DNA, e o segundo, com o no lugar, com o título "DNA físico em SSC Solution". Este último tem a forma típica de um padrão reoccurring periodicamente, que é da mesma tipo funcional como os encontrados em uma autocorrelação. Tais padrões periódicos que ocorrem regularmente têm uma interpretação em termos do fenômeno da chamada recorrência de Fermi-Pasta-Ulam, que diz respeito ondas solitonic. Ou seja, essa interpretação afirma que a grosso modo, o DNA, considerada como um estado de cristal líquido do tipo gel, atua sobre a luz que entra na forma de uma estrutura de Fermi-Massa-Ulam solitonic, como ilustrado aqui: *** A questão principal, se este for o caso, o que é tal acção poderia alcançar? A ideia inicial era de que ele deve estar preocupado com a leitura de textos genéticas codificadas no ADN, no entanto, onde a metáfora idioma é agora aplicado directamente a estes textos. Ou seja, em vez da habitual analogia tomando textos como uma linguagem de computador digital ou código de instrução simbólica, textos tais são considerados como tendo, em vez das características semânticas e generativo gramaticais de uma escrita ou falada contexto linguagem humana dependente. Isto é, nós concebido do DNA actuar da mesma maneira como o humano faria, quando apresentados com um texto de um bom livro sobre um tema fascinante, que, como se lê, invoca reais 3 imagens tridimensionais / imagens no olho da mente. A razão para esta escolha em causa o problema no DNA que codifica levantada pelo questão de sinonímia e homonímia como ele se aplica ao terceiro elemento / códon dos trigêmeos códon. Por enquanto, veja a figura abaixo, sinonímia até parece fornecer um tipo de redundância, homonímia constitui uma dificuldade grave, conforme a proposta, muitas vezes postulado de que apenas o primeiro dois elementos do trio códon de DNA (em pé para uma determinada imagem proteína-o no olho da mente, por assim dizer) são os mais significativos. Ou seja, como o ribossomo lê sabe que a proteína tem de ser gerada, se o nucleotídeo terceiro trio códon de não de si mesmo dar a resposta com total certeza da resposta proposta era que essa ambigüidade pode ser resolvida por algum tipo de leitura dependente do contexto semelhante ao inerente a fala humana e compreensão da linguagem?. Figura: Sinonímia contra homonímia satisfatoriamente, esta necessidade de explicar como leitura dependente do contexto tal pode ser implementado no DNA processo reduplicação / leitura, como será mostrado, conduzido de volta para a evidência experimental, tal como apresentado acima, para que suporta o postulado de que a leitura desse contexto dependente do O DNA é na verdade melhor compreendida no contexto de um modelo de processo biosolitonic. soliton A é um trem de ondas ultra-estável, muitas vezes com um formato simples seemly fechado, que pode surgir no contexto de oscilações não-lineares de onda. Ela consiste na realidade de uma vez complexamente montagem de estruturas interligadas onda sub, que mantêm o processo inteiro solitonic em estado estacionário ao longo de um período de tempo relativamente longo. Na literatura, um soliton é frequentemente descrita como uma entidade, que não é nem uma partícula nem uma onda em muito da mesma maneira como é um quantum, por isso, também tem de onda / dualidade partícula. Ele também pode ser um meio para transportar a informação. Solitonic processamento em DNA, por conseguinte, se a hipótese de, se relacionam, em um dos seus aspectos, a leitura dos codões, para a computação quântica [Patel 2000], e isso poderia, portanto, diz respeito ao soliton visto como o de viajar "janela", que abre na estrutura de dupla hélice como a leitura tem lugar, como é ilustrado abaixo: Assim, foi decidido para modelar este processo de leitura como um oscilador mecânico complexo [Gariaev 1994], capaz de produzir transmissões de onda solitonic, que toma a forma de umsistema de pêndulos rotativos, como os de um certo tipo de relógio de pêndulo, como ilustrado, para ver se as simulações de computador poderia lançar mais luz sobre o que pode acontecer no DNA. No modelo de base, ilustrado e mostrado a seguir, cada um dos movimentos oscilatórios de cada elemento da cadeia encadeada de osciladores depende fortemente do movimento dos seus vizinhos, e sobre as diferenças na pesos específicos dos elementos. Imagine agora que o DNA constitui um tal tipo de pêndulo, enquanto a. entrelaçados hélices / correntes são abertas, uma secção especial para proporcionar a janela de viagens, como na figura anterior Ou seja, o modelo de ser simulada é uma cadeia de osciladores não lineares, os quatro tipos dos quais podem ser identificadas com a adenina (A), citosina (C), guanina (G) e timina (T) ou uracilo (C) do ADN componentes, todos tendo diferentes estruturas espaciais e das massas, e onde existe uma janela aberta para viajar na dupla hélice. Tal modelo permite um padrão bastante complexo de oscilação na cadeia de DNA de elementos, de acordo com a disposição real dos elementos, tal como especificado pelo real . sequência do código genético envolvido A janela enquanto viaja, é, portanto, altamente dependente do contexto. Começando na seguinte seqüência: de tal modo que o gene biocomputador-"lê e compreende" os textos de um modo semelhante ao pensamento humano, mas em seu próprio nível genómico de "raciocínio". Ela afirma que os textos naturais humanos (independentemente da linguagem utilizada) e genéticos "textos" têm características semelhantes matemático-estatística linguísticas e entrópica, onde dizem respeito à fractalidade da distribuição da densidade de freqüência nos textos de caráter naturais e genéticos, e onde em caso de "textos genéticos", os personagens são identificados com os nucleotídeos, e ii) que as moléculas de DNA, concebida como um continuum gene sinal de qualquer biossistema, são capazes de formar holográficas pré-imagens de biostructures e do organismo como um todo, como um registro de dinâmicas "cópias onda" ou "matrizes", sucedendo o outro Este continuum é a medição, calibração de campo para a construção de seu biossistema.. Palavras-chave: DNA, onda biocomputador, código genético, a linguagem humana, quantum holografia . . 1 O que a teoria prevê. 1.1 Introdução. Como essa nova teoria tomar forma o principal problema da criação do código genético, como visto em todas as abordagens [Gariaev 1994; Fatmi et al 1990; Perez 1991:?. Clement et al, 1993;. Marcer, Schempp 1996; Patel, 2000] foi de explicar o mecanismo por meio do qual um terceiro nucleótido que codifica um tripleto, é seleccionada para compreender, que tipo de mecanismo resolve este problema geralmente linguística de remover indefinição homónimo,. é necessário, em primeiro lugar para um mecanismo postulado para as orientações contexto de onda de ribossomas, a fim de resolver o problema de uma selecção exacta de ácido amino durante a síntese de proteínas [Maslow, Gariaev 1994]. Isto requer que alguma função intermediário geral informativo com uma muito pequena capacidade, dentro do processo de convolução versus desenvolvimento de sinal padrões reguladores do genoma-biocomputador endógenos campos físicos. Ele levar à conceituação de memória do genoma associativo-holográfica e sua não-localidade quântica. Estes pressupostos produzir um aparelho cromossomo e onda rápida genética canais de informação de ligação nos cromossomas das células separadas de um organismo de um contínuo integral, funcionando como o biocomputador, em que um dos tipos de campo produzidos pelos cromossomas, são as suas radiações. Esta capacidade postulado de tais "radiações laser" de cromossomas e ADN , como será mostrado, já foi demonstrado experimentalmente, em Moscou, pelo Grupo Gariaev. Assim, parece que as noções aceitas sobre o código genético deve mudar fundamentalmente e, ao fazê-lo não será apenas ser possível criar e entender o DNA como um biocomputador onda, mas a ganhar com a natureza de uma compreensão mais fundamental do que a informação [Marcer na imprensa] é realmente! Para experiências do Grupo Gariaev em Moscou e Toronto dizer que a compreensão atual de informação genômica ou seja, o código genético, é apenas a metade história [Marcer este volume]. 1.2 O que experiência confirma, uma parte. Estes onda aborda todos exigem que a propriedade fundamental do aparelho cromossomo é a não-localidade da informação genética. Nos não-localidade, em particular quântica / teletransporte no âmbito de conceitos introduzidos por Einstein, Podolsky e Rosen (EPR) [Sudbery 1997; Bouwmeester et al.1997]. Este não-localidade quântica tem agora, com o trabalho experimental do Grupo Gariaev, esteve diretamente relacionada com (i) a radiações laser de cromossomos, (ii) a capacidade do cromossoma para girar o plano de polarização da radiação e por sua própria fotões oclusas e (iii) com a capacidade de suspeita de cromossomas, para transformar os seus próprios radiações genético-sinal de laser de banda larga em ondas genético-sinal de rádio. Neste último caso, as polarizações dos fótons do laser de cromossomos estão ligados não-localmente e de forma coerente para polarizações de ondas de rádio. Parcialmente, isso foi provado durante as experiências in vitro, quando as preparações de DNA interagindo com um feixe de laser (= 632,8 nm), organizado de uma certa maneira, polarizar e converter o feixe simultaneamente em uma gama de radiofrequência Nestas experiências, um outro fenómeno extremamente relevante foi detectado:.. fotões modulados, dentro de sua polarização por moléculas de DNA a preparação Estas encontram-se a ser localizada (ou "gravado"), sob a forma de um sistema de espelhos heterogeneidades a laser.
(5 '????) GGC CTA GAG GGA TGT GAT GAA CTA CGT GCA CCG AGA CCT GCG GGC GGC CAA CAT CCT GGT GGG GGA GAA CCT GGT GTG CAA GGC GGT TGA CTT TGG TCG GGC ACG CCT CAT CGA GGA CAA CGA GTA CAC AGC AGG ACG GCA AAG TGC TTC CCC ATC AAG TGG AGA GCC GAG CCC GCA GCC CTC TAT GGC CGG TTC ACC ATC AAG TCG GAT GTC TGG TCC TTC GGC ATC CTG CTG CTG GAG ACT ACC ACC AAG GGC CGG CCA GTG TAC CCA GGG ATG GGC AAC GAG GGG GTG CTG GAC CGG AGG GAG GTG GGC TAC CGC ATG TGC CCC CCG CCC GAG GAG TCG TGC CCC CTG CAT GAC CTT ATG TGC TGC CAG TGG CGG AGG GAC CCT GGA GGA GCC GCG TTT CAC TCG AGC TAC CTG CAG GCC CAG CTG CTC CCT GCT TGT GTG GTC TTG GAG GAG GCT TAG TGC AGT AAA GCG ATT TAA GCT ACA ACA AGG CAA GGC TTG ACC GAC AAT TGC ATG AAG CTG AAT CTT AGG AGG CGT TTT GTT GCG CTG CTT CGC GAT GTA CGG GCC AGA TAT ACG CGT ATC TGA GGG GAC TAG GGT GTG TTT AGG CGA AAA GCG GGG CTT CGG TAC TTG GCG GTT AGG AGT CCC CTC AGG ATA TAG TAG TTT CGC TTT TGC ATA GGG AGG GGG AAA TGT AGT CTT ATG CAA TAC TCT TGT AGT CTT GCA ACA TGG TAA CGA TGA TTG AGC AAC ATA CCT TAC GAG AAG AAA AGA AGC ACC GTG CAT GCC GAT TGG TGG AAG TAA GGT GTA CGA TCG TGC CTT ATT AGG GCA AAG ACA GAC CGG GTC TGA CAT GGA TTG GAC GAA CCA CTG AAT TCC GCA TCG CAG AGA TAT TGT ATT TAA GTG CCT AGC TCG ATA CAA TAA ACG CCA TTT GAC CAT TCA CCA CAT TGG TGT GCA CCT GGG TTG ATG GCT GGA CCG TCG ATT CCC TAA CGA TTG CGA ACA CCT GAA TGA AGC AGA AGG CTT CAT - - 1020 (3'-???)
os números, que se seguem, são os da simulação computacional do processo da janela de viajar, efectuada em relação a um fragmento específico de ADN viral. As duas primeiras figuras que diz respeito à simulação, em que o eixo vertical é o tempo, mostra o que aconteceria no caso de um início de leitura dependente do contexto a partir de dois nucleótidos diferentes da cadeia de ADN, ou seja, respectivamente a 400 e a 450. Em ambos os casos, estes actividade preocupação na forma de uma "dobra", que corre ao longo da cadeia de nucleótidos, A, C, G, T. O segundo dos dois tipos de dados mostram ainda mais sofisticados de efeitos dependentes do contexto. Estes referem-se aos padrões complexos dinâmicos, que surgem quando se também tendo em conta as ligações não-covalentes entre os lineares nucleótidos. Portanto, sujeito à suposição de que o DNA é um certo tipo de estrutura de cristal líquido com propriedades dinâmicas, em que as actividades interrelacionadas solitonic estão ligadas, como se pode supor, para formar uma estrutura de onda altamente coerente, então:
i) As massas dos nucleótidos e os outros parâmetros indicam que estas actividades oscilatórios deve ser localizada em algum ponto em conjunto no domínio da onda "acústica", e
ii) que, como um cristal líquido, o DNA pode influenciar a polarização da emissão de luz fraca conhecida por existir em células, os chamados "biofótons". Este tipo de luz emitida em células foi descoberto pela primeira vez pelo russo Alexander investigador Gurwitsch [1923], que a chamou de "radiação mitogênica". Hoje sabe-se a partir do trabalho de Fritz Albert Popp [Popp, 2000], que a luz biofotônica ou mitogénico tal, sendo ultraweak, é, no entanto, por outro lado, altamente coerente, de modo que tenha uma qualidade inerente laser como luz. A configuração experimental e as simulações resultantes, portanto, dizer que: -
iii) O feixe de laser experimental é simplesmente um substituto para a luz coerente intracelular endógena emitida pela molécula de DNA em si, e que
iv) As ondas sobrepostas coerentes de diferentes tipos em que as células estão a interagir de modo a formar padrões de difracção, em primeiro lugar, o domínio "acústica", e em segundo lugar no domínio electromagnética. Além disso estes padrões de difracção são, por definição (e, como é conhecido por exemplo a partir de imagens de ressonância magnética (MRI) [Binz, Schempp 2000a, b] um tipo de holograma quântico. Assim, parece que a imagem original seja confirmada e que a interacção considerado entre oscilações solitonic na estrutura de cristal líquido de DNA, e o vector de polarização da luz biofotônica ultraweak altamente coerente, hipoteticamente poderia de facto ser entendido como um mecanismo de tradução entre hologramas no domínio da frequência "acústica", que diz respeito a efeitos de gama curta e bastante aqueles no domínio electromagnética e vice-versa. A base de um tal mecanismo hipotético como um processo de tradução, entre hologramas acústicos e ópticos, podem ser facilmente ilustradas em laboratório, em que, como mostrado abaixo, há um peixe iluminado em água por meio da radiação acústica, de tal maneira que na superfície da água de um padrão de interferência ou de outras formas de holograma, tal que, quando este padrão de interferência é iluminado a partir de cima da forma correcta, por uma luz de um laser de alta qualidade, uma imagem virtual visual do peixe aparece acima da água. Isso mostra que o holograma em questão actua como um transdutor holográfico entre os domínios acústicos e electromagnéticos. Ilustração de um transdutor de laboratório holográfico entre os domínios acústicos e electromagnéticos. Este transdução ilustrado quando descrito em termos da formalização de princípio de Huygens de fontes secundárias [Jessel 1954], tem sido utilizada como a base de um novo princípio de computação topológica [Fatmi, Resconi 1988], que define as classes de estruturas inteiras não comutativos controle , Fatmi et al [1990]. Aplicou-se ao ADN. e, mais recentemente, para o cérebro [Clement et al. 1999].
3. Outra perspectiva teórica, mas validadas experimentalmente - Quantum Holografia Seções 1 e 2 estão em excelente acordo com o modelo pesquisada de forma independente do DNA produzido por Marcer e Schempp [1996]. Isso explica o funcionamento do DNA biocomputador onda em termos de uma teoria da mecânica quântica chamado quantum holografia [Schempp 1992] usado por Schempp [1998] e Binz e Schempp [2000a, b, 1999] para prever corretamente o funcionamento de ressonância magnética. Estes dois modelos de DNA de ondas biocomputador são também, como já referido, em boa concordância com a explicação qubit modelo de DNA mais recentemente publicada por Patel [2000], e os modelos anteriores independentes pesquisadas por Clement et al [1993] e Perez [1991]. O modelo holográfico quantum biocomputador DNA onda descreve a morfologia e dinâmica de DNA, como uma antena de auto-calibração de trabalho por ressonância fase adaptativa conjugado capaz de receber e transmitir tanto quantum informação holográfica armazenada sob a forma de padrões de difracção (que pode ser em MRI demonstrado ser hologramas quânticos). O modelo descreve como, durante o desenvolvimento do embrião do organismo do DNA, estes padrões holográficos contenham a informação essencial holográfica necessário para esse desenvolvimento. Isso explicaria a maneira quase milagrosa a montagem multiplicação de células individuais é coordenado em todo o organismo em todas as etapas de seu desenvolvimento - em completo acordo com a explicação chegou em Moscou por Gariaev e seus colegas de trabalho. A teoria quântica holográfico requer que o DNA é composto por duas antiparalelas (fase conjugado) hélices, entre os quais (em conformidade com a estrutura conhecida do DNA, ou seja, os planos em que o emparelhamento de bases ocorre) a teoria diz, estão localizados planos holograma / grades holográficas , em que as necessárias três dimensões espaciais dados de imagem holográfica do organismo é armazenada de acordo com a hipótese de o grupo de Gariaev. Ela diz, como descrito em relação à iluminação do laser de uma amostra de DNA, que tal iluminação pode ser esperado para ligar o DNA numa série de espelhos de conjugados activos adaptativos de fase (ver figura abaixo) / transdutores holográficos (ver figura ilustração de laboratório antes) , a partir do qual iria ressonantemente emergir um feixe de radiação, em que é realizada a informação holográfica como codificados no DNA. Como, aliás, é o caso nas experiências do grupo Gariaev já descritos. Estas experiências confirmam assim o quantum predição holográfica que funções de ADN por uma antena capaz de tanto a codificação e descodificação de informação holográfica. Esta funcionalidade também está em boa concordância com os resultados de Schempp [1986] que a holografia quântica é capaz de modelar, tais como antenas radares de abertura sintética, e que esta descrição matemática de radar pode ser aplicada [Marcer e Schempp 1997] para um modelo de trabalho pelo quantum holografia, do neurônio. Este modelo está em bom acordo com o neurônio biológico morfologia processamento de informações e dinâmica do sinal. Como, aliás, são os modelos quânticos holográficas do cérebro como um sistema consciente, e da célula procarionte [Marcer, Schempp 1996, 1997a]. É um ponto de vista originalmente dublado por de Broglie, que presciently imaginou o elétron como sendo guiado por sua onda próprio piloto ou radar! Estes exemplos, incluindo ressonância magnética tudo demonstrar que, de fato, holograma quântico incorporar a teoria sinal em física quântica e pode-se supor Biocomputação. Mecanismo fase conjugado ou espelho no laboratório. Ação de um espelho adaptativo fase ativa conjugado. Além disso, a holografia quântica prediz que os planos, em que o emparelhamento de bases ocorre, constituem uma "paginada" memória associativa holográfica e banco de filtros (carregando hologramas que podem ser escritos e lidos) e que não tem qualquer conversa cruzada entre as páginas. A ortogonalidade dos hologramas codificados nestas páginas, surge como resultado das condições de acoplamento de frequências agudas adaptativos (1), que especificam muito estreitas janelas espectrais, isto é, as "páginas". (1) = 0 quando a frequência v não é v igual ' = Quando v = v ' para não degenerada quatro wavelet mistura onde a, b, c, d são as funções de onda correspondentes da mistura; Hv (a, b, x, y) é a transformada de holográfico que em holografia quântica define a probabilidade de detectar uma onda quantum v frequência dentro de uma unidade de área ligada ao ponto (x, y) do plano do holograma, onde o AOB wavelet mistura tem lugar e é descrita em termos de uma multiplicação O. tensor condição A ortogonalidade (1) pode ser visto, por conseguinte, como especificando um conjunto de elementos diagonais ou Tr traço em uma matriz unitária no domínio da frequência. Isso implica, como pode ser demonstrado, que o esquema de codificação empregue Shannon no DNA é optimamente eficiente, que na sequência de um bilhão ou mais anos de evolução, no DNA pode ser esperado ser o caso. As condições de (1) são, portanto, em excelente concordância com a conclusão Gariaev grupo. Ela confirma que os aviões em que o emparelhamento de base realiza, dois hologramas quânticos preocupações, ou seja, a wavelet mixagens AOB e COD, onde cada especifica um "contexto", um para o outro. Holografia quântica prevê ainda, com base as simetrias da representação tridimensional 3 do Heisenberg Lie grupo G, que, em relação ao holograma quântico definido por uma wavelet AOB mistura, as densidades de pacotes coerentes wavelet um dt (t) e b (t ' ) dt 'são indistinguíveis por meio de tempo relativo e as correcções de fase aplicados aos respectivos percursos de wavelet (x, y) no plano do holograma. Isto é, quer dizer, o tensor de operação O, no caso de holografia quântica, descreve um entrelaçamento quântico, embora AOB define um holograma quântico, a partir do qual mostra holografia quântica e MRI prova, a informação holográfica tanto pode ser escrita / leitura e codificado / decodificado. Assim, matematicamente, o ADN pode, com base em holografia quântica ser pensado quantum representado mecanicamente muito simplesmente pelo traço Tr <a, b | c, d> tal que, quando a hélice dupla é aberta, de acordo com a descrição acima Gariaev, esta corresponde à representação <A, b |> <| c, d> O processo de duplicação completa do DNA pode, por conseguinte, como representado Tr <a, b | c, d> porque como ele é crucial para entender, no caso do DNA, os dois filamentos da dupla hélice são, mostra de holografia quântica, não a mesma, mas conjugado de fase, ou seja, o que os biólogos chamam de complementar / antiparalelo, e assim deve ser representado dentro do contexto de DNA-se por a, b e c, d respectivamente. Estes pares diferem holographyshows quântica, que constituem representações covariantes e contragrediant, que são essencialmente topologicamente cohomologous [Marcer 2000]. Isso pode explicar por que citar de Duve [1984], apenas os dois elementares de emparelhamento de bases {A, U / T} e {G, C} de, respectivamente, os nucleotídeos Adenina e Uracila / Timina juntamente com guanina e citosina, são necessários, "governar através das duas estruturas relativamente frágeis eles encarnam, toda a transferência de informação ao longo da biosfera". Isto quer dizer que, no DNA, estes dois pares de bases de nucleótidos estão os mecanismos químicos universais que produzem a mistura ó wavelet nos planos de holograma (que também define) que tal DNA pode, então, ser dada uma descrição abreviada em termos de contexto dependentes textos genéticos escrito nos quatro letras A, T, G, C. A diferenciação topológica acima referido decorre do facto de que, enquanto que na mecânica quântica, uma função de onda é determinado apenas até uma fase arbitrária, a diferença de fase é de importância física (como em holografia), porque existe uma classe de observáveis ​​quânticos, quais são as invariantes de calibre fases geométricas do vetor de estado ou função de onda [Resta 1997; Schempp 1992; Anandan 1992]. Estes observáveis ​​deve, portanto, ser distinguidas das que são os valores próprios de alguns operador, normalmente a função Hamiltoniana ou energia. Tal descrição vetor de estado (com bitola fases invariantes) por meio do qual cada molécula de ADN pode, claramente, ser esperados a ser descrito, poderia explicar a diferença entre a natureza do quantum interferências e interferências auto quântico, que o DNA a partir de sua estrutura de dupla hélice pode assim ser reconhecida a preocupação. Nos meios acima referidos de DNA representando, portanto, |>< | representa o princípio quantum correspondência, o controle soliton quântica [ver também, Denschlag et al, 2000] pacote de ondas actividade ou melhor do que a sua contraparte soliton clássico, que foi objecto do simulações de computador de Moscou. Todos estes confirmam as conclusões alcançadas Gariaev grupo, como resultado das suas experiências, que as funções de ADN como um sistema coerente quantum / montagem (de agora osciladores quânticos) ou na totalidade, por meio de entrelaçamento quântico. Um conjunto, enquanto que (1) mostra, este pode ser decomposta em uma família ortogonal de holograficamente codificados 3 espaciais imagens tridimensionais de acordo com a descrição usual de um diagonalização mecânico quântico. Diz também em conformidade com as conclusões do grupo Gariaev de que o DNA pode ser descrito como um "autocorrelação", em que, como mostrado aqui, esta é uma decomposição optimamente eficiente numa família decorrelated de primitivos códigos holográficos / hologramas, e que este, como Schempp [ 1992] mostra, decorre do facto de um oscilador mecânico quântico harmónico (neste caso, a molécula de DNA altamente complexo em si) é equivalente a um conjunto de bosões cada estado de polarização que tem uma. Esta última substancia a conclusão grupo Gariaev que eles realmente descobriram uma nova forma de vector electromagnética por meio da qual as imagens holográficas são realizadas sob a forma de um estado de polarização, adequado para uma nova forma de cinema de vídeo, e um computador. Quantum holografia diz que DNA satisfaz o princípio de computador construção [Von Neumann, 1966], uma vez que carrega uma cópia de si mesmo, e é (A) o seu próprio plano escrito nos textos genéticas, em que o mecanismo de engenharia da replicação do ADN é o campo electromagnético biofotônica, enquanto que as "letras" dos textos genéticas A, G, C, U são realizadas invariante, mas onde, (B) no caso de a replicação do organismo, pelo que o DNA é o modelo escrito na informação holográfica, o inverso é o caso. Ou seja, é o "campo acústico", neste caso, o qual mecanicamente constrói / engenheiros do organismo de a disponibilidade de matéria, de acordo com a informação contida nos hologramas de campo electromagnético (estes sendo mantido invariante, neste caso). Isto deve, por conseguinte, significa que uracilo, adenina, guanina, citosina e são invariantes estruturas / ponderações em ambos os domínios e acústico do campo electromagnético. Estes mecanismos correspondem, portanto, com o know características básicas de comunicação quântica / transferência de informação quântica conhecido como teletransporte, que consiste de dois processos de sinal inseparáveis ​​um clássico, uma quântica. O último é de transmissão instantânea de X para Y (em princípio, ilimitado como a distância), mas que não pode ser usado sem o outro, o que é a transmissão de X para Y, por meios convencionais à velocidade da luz ou inferior. No caso do ADN, portanto, é a existência de um texto genético do próprio organismo que constitui o processo de sinal clássico de teletransporte quântico, capaz de facilitar os processos de sinal quânticos mecânicos de ambos, a cópia do ADN como seu próprio plano, e de a construção do organismo (para o qual o DNA é o modelo) de um modo paralelo em grande escala por meio de teletransporte quântico.] Surpreendentemente, também, a holografia quântica também confirma e é confirmada por outro achado experimental surpreendente. Este é o chamado "DNA-Phantom-Effect" [Gariaev, Junin, 1989; Gariaev et al, 1991; Gariaev, 1994], um fenómeno muito intrigante, amplamente discutido, quando foi encontrado pela primeira vez por Peter Gariaev. Posteriormente fenómeno semelhante denominado «imita o efeito do pó '[Allison et al, 1990]. foi detectada por grupo de R.Pecora. Esta é a descoberta de que o padrão abaixo, encontrado na primeira experiência descrita, quando um laser de DNA iluminado, não é imediatamente eliminado se as amostras de DNA são removidos do aparelho. Ele continua em forma diferente por algum tempo. Uma explicação seria que a holografia quântica define um admitter / amortecedor modelo vácuo quântico da mecânica quântica em termos de aniquilação / criação operadores [Schempp 1993], o que implica que o DNA realmente se comportam como um único quantum, o que induz um "buraco" temporariamente na vácuo por sua remoção. Gráficos (a), (b) e (c): "Fundo - Espaço Vazio 'DNA Física no SSC Solução', e 'Phantom DNA', respectivamente Os gráficos (a), (b), e (c) do fundo- Espaço vazio DNA, o DNA em solução SSC física, e fantasma ", respectivamente
Referências
Adleman LM 1994, a computação molecular de soluções para problemas combinatórios, ciência, 266, 11 de novembro de 1021-1024.
Allison SA, Sorlie S., Pecora R., 1990, Macromolecules, v.23, 1110-1118.
Anandan J. 1992, A fase geométrica, Nature, 360, 26, 307-313
Binz E. Schempp W. 2000a Criação de imagens de ressonância magnética, Anais CASYS'99, International Journal of Computing Systems antecipatórias, 7, 223-232.
Binz E. Schempp W. 2000b, Uma Abordagem Banco Unitário Paralela Filtro para tomografia de ressonância magnética, American Institute of Physics 517 Anais da 3 ª Conferência Internacional sobre Computação sistema antecipatório, editor Dubois D. agosto 09-14, 1999, Liege, Bélgica, 406-416.
Binz E., Schempp W. 1999, Quantum Teletransporte e Echo Spin, Abordagem espinor Unitário Simplética. Em. Aspectos de Análise Complexa, Geometria Diferencial, Física Matemática e Aplicações, Dimiev S. editores Sekigawa K., World Scientific, 314-365.
Bouwmeester D. et al., 1997, teletransporte quântico Experimental, Nature, 390, 575-579 11 de dezembro
Clemente B.E.P. Coveney P.V. Marcer P. 1993, os números surreais e codificações ideais para computação universal como um processo físico: uma interpretação do código genético. ICIC Journal, 10, 1/2, 149-164.
Clemente B.E.P. Coveney PV, Jessel M. e Marcer P. 1999, o cérebro como uma máquina de Huygens. Informatica 23, 389-398.
Denschlag J. et al, 2000, Sólitons Geração de Engenharia Fase de um condensado de Bose-Einstein, Ciência, 287, 07 de janeiro, 97-101
Dubois D., 1992, A Máquina Fractal, Liege University Press, Liege.
de Duve, C. 1984 um guia turístico da célula viva, em dois volumes, Biblioteca Scientific American,
Fatmi H.A. e Resconi G. 1988, um princípio de Computação, Il Nuovo Cimento, 101B, 2, 239-242.
Fatmi HA, Jessel M., Marcer P.and Resconi G. 1990, Teoria da máquina cibernética e inteligente com base no comutador de Lie.
International Journal of General Systems, 16, 123-164.
Fermi E., 1972, Proceedings. Moscou. Ciência. v.11.
Gariaev PP, Junin AM, 1989, Energia, no10, 46-52. [Em russo]
Gariaev PP, Chudin VI, Komissarov GG, Berezin AA, AA Vasiliev, 1991, Proc. SPIE, v.1621, 280-291.
Gariaev P.P, 1994, Wave genoma, Lucro Pública. Moscou. 279 páginas [em russo].
Gurwitsch A., 1923, Versuch einer synthetishen Biologie. Schaxels Abh. Z. theor. Biol. H. 17.
Ho MW, de 1993, o arco-íris e do Worm: A Física de Organismos, World Scientific, Singapore.
Jessel M. 1954, Une formulação analytique du principe de Huygens, Rendus, 239, 1599-1601.
Marcer P. 1992, Projetando Novas máquinas inteligentes - Máquina Os Huygens, CCAI
Jornal para o Estudo Integrado de Inteligência Artificial Aplicada e Epistemologia, 9,4, 373-392. 4, 373-392.
Marcer P. 2000, Hypercomputation, Terceira Conferência Internacional sobre Sistemas de Informática antecipatória, CASYS '99, Liege, 9 Simpósio sobre processamento de informação quântica Neural, Jornal da Computação Sistemas antecipatórias, ed. D. Dubois, vol. 7, 288-312.
Marcer P. este volume, Quantum Millennium, Quantum Universo, da Biosfera Quantum, Quantum Man.Marcer P. (no prelo) Antecipação e Significado, CASYS 2000, a Conferência Internacional sobre Sistemas de Computação antecipatória, AIP Conference Proceedings, ed Dubois D.
Marcer P. e W. Schempp de 1996, um modelo Matematicamente especificado para DNA e do código genético, em termos de processos fisicamente de realização de Holografia Quantum, Anais do Simpósio de Greenwich em computadores vivos, editores Fedorec A. e P. Marcer, 45-62.
Marcer P., Schempp W. 1997, modelo do neurônio trabalhando por Quantum Holografia, Informatica 21, 5 19-534.
Marcer P e Schempp W., 1997a, o modelo da célula Prokaryote como um sistema antecipatório Trabalhar por Holografia Quantum, Anais do CASYS 97, 11-15, agosto, HEC-Liege, Bélgica, International Journal of Computing Systems antecipatórias, v 2, 307-315.
Marcer P., Schempp W. 1998, o cérebro como um sistema consciente, International Journal of General Systems, 27, 1/3, 231-248.
Maslow MU, Gariaev PP, Fractal Apresentação de Textos linguagem natural e código genético, 2 ª Conferência Internacional sobre Lingüística quantitativos ", QUALICO 94, Moscou, Setembro 20-24, 193-194, 1994
Patel A. 2000, algoritmos quânticos e do código genético, Anais do Instituto de Inverno de Teoria Quântica e Óptica Quântica, 01-13 janeiro, SN Bose Centro Nacional de Ciências Básicas, Calcutá, Índia.
Perez JC, 1991, De l'ordre et dans l'caos du ADN, Science et Tecnologia, Abril, 36, 40-47.
Pribram K.H. 1991 Cérebro e Percepção; Holonomia e Estrutura em Processamento de Figural, Lawrence Eribaum Associates, de Nova Jersey.
Popp FA, 2000, alguns recursos do biofótons e sua interpretação em termos de estados coerentes. Biofotônica e sistemas coerentes. Proc. Conferência A.Gurwitsch 2 e contribuições adicionais. Moscow University Press. Ed. L.Beloussov et al., 117-133.
Resta R., 1997, Polarização como uma fase de Berry, (a fase Berry), Europhysics Notícias, 28,19
Arroz SA 1992, novas idéias para orientar a evolução de um sistema quântico, Ciência, 258, outubro 16, 412-413.
Schempp W. 1986, Análise Harmônica no Grupo de Heisenberg com Aplicações em Teoria do Sinal, Notas Pitman em Matemática Series, 14, Científica e Técnica Longman, Londres.
Schempp W. 1992, Quantum holografia e Arquiteturas Neurocomputer, Journal of Mathematical Imagem e Visão, 2, 279-326.
Schempp W., 1993, Princípio indeterminação de Bohr Em Quantum Holografia, auto-adaptativo Neurais arquiteturas de rede, Cortical auto-organização, computadores moleculares, ressonância magnética e Nanotecnologia Solitonic, Nanobiologia 2, 109-164.
Schempp W. 1998, Ressonância Magnética, fundamentos matemáticos e Aplicações, John Wiley, New York.
Scherbak V.I., 1988, J. Theor. Biol., V.132, 121-124.
Schleich W.P. 1999, um pacote de ondas Sculpting, Nature, 397, 21 de janeiro, 207-208.
Sudbery T. 1997, a maneira mais rápida de A para B., Nature, 390, 11 dez ,551-552
Sutherland J. 1999, holográfico / Quantum Tecnologia Neural, sistemas e aplicações, um ANDCorporation documentado apresentação plenária para a 3 ªConferência Internacional sobre Sistemas de Computação antecipatória, 08-14 agosto, em Liège, Bélgica HEC. International Journal of Computing System antecipatória, 2000, 7, 313-334, sutherland@andcorporation.com. e http://www.andcorporation.com.
Von Neumann J. 1966, a Teoria de uma auto-reproduzir Automaton, University of Illinois Press, Urbana e Londres.